\ A VOZ PORTALEGRENSE: Crónica de Nenhures

quarta-feira, janeiro 24, 2018

Crónica de Nenhures

*
Diz o povo e com razão que saber esperar é uma grande virtude.
Todavia, Manuel Monteiro não teve ou não tem, não cultivou ou não cultiva essa virtude.
À frente da Juventude Centrista (JC), à frente do CDS, depois PP e depois CDS-PP, Manuel Monteiro mereceu e merece os maiores elogios. Mas não soube dar tempo ao tempo!
A vida política, salvo honrosas excepções, é curta, e findo o seu consulado, só tinha que se reservar para o futuro. E Manuel Monteiro tinha futuro na Política.
Contudo, ou mal aconselhado, ou por iniciativa exclusivamente própria, abandonou o CDS e forma novo partido, o Partido da Nova Democracia (PND). Com ele arrasta um conjunto de Pessoas de qualidade, mas o resulto final, eleitoral, é um total desastre.
Abandonando o palco político, dedicou-se ao Ensino, com fugazes aparições públicas e menos ainda com artigos de opinião.
No CDS tem “representantes”, mas teria, terá que ser ele, como se diz, a “dar a cara”. Não pode, nem é eticamente correcto, utilizar “terceiros” para influenciar o partido e as suas políticas.
Fora da área do CDS, Manuel Monteiro, ao longo deste seu “exílio”, não conseguiu criar pontes ou raízes. É no CDS que tem que estar, ao CDS que tem que regressar.
Manuel Monteiro não é Assumpção Cristas. Muito menos Paulo Portas. Mas todos são mais-valias para o CDS, e a Direita parlamentar precisa de todos, sem excepção. É no debate, no esgrimir das diferenças, que o CDS pode e deve crescer.

Free web page counter