\ A VOZ PORTALEGRENSE: Crónica de Nenhures

quarta-feira, junho 17, 2015

Crónica de Nenhures

*
Quando o crime compensa
*
Há países viáveis, e há países inviáveis. A geografia, nos seus diferentes aspectos, física, social e humana, é importante senão mesmo decisiva para a existência de países, e pode determinar a sua longevidade.
O arquipélago cubano tem como principal ilha a Ilha de Cuba, que tem no seu seio um país com o mesmo nome.
Colonizada por Espanha, e à maneira espanhola, Cuba tem uma posição geoestratégica à entrada do Golfo do México, que a tornou apetecível em termos políticos e militares.
Independente após o fim da Guerra Hispano-Americana, em 1898, esteve desde então na esfera da influência dos EUA até à denominada Revolução Cubana, que transformou Cuba numa ditadura comunista até ao presente.
A ditadura comunista implantada em Cuba e liderada por uma Família, foi sempre ‘uma pedra no sapato’ dos americanos, que por diversas vezes, formas e feitios tentaram, sempre sem sucesso, derrubá-la e transformar Cuba num país democrático.
Entretanto, Cuba foi sendo cada vez mais um país fechado, apoiado pela então URSS e seus satélites, cujo tecido económico e social foi definhando ao longo dos negros anos do totalitarismo comunista.
Inaptos, infantis, os EUA decretaram um bloqueio económico a Cuba, que nunca teve efeitos reais, mas que se tornou na forma de justificar o insucesso das teorias económicas marxistas adoptadas pelo regime. Ainda hoje, para a esquerda radical, e não só, o insucesso da dita Revolução é justificada pelo bloqueio económico americano.
Diga-se que Portugal, que acolheu o presidente deposto pela Revolução, sempre manteve relações diplomáticas com a Cuba revolucionária e comunista.
Cuba tem na cultura do açúcar e do tabaco as suas principais fontes de riqueza. A existência de hidrocarbonetos na sua plataforma marítima, não é só por si suficiente para a tornar num país rico. E o turismo mantem-se como uma forma importante para a entrada de tão necessitadas divisas. Cuba tem grandes dificuldades para existir como estado, chegando a um estado de penúria que a obrigou a procurar um entendimento com o arqui-inimigo.
Os EUA estão numa situação que faz lembrar os inícios do fim do Império Romano. Os sinais começam a ser preocupantes, e novo império parece florescer no Pacífico.
Mas não estiveram sozinhos neste processo. O Vaticano, na pessoa do papa jesuíta, fez de intermediário, entre Barack Obama e Raul Castro.
Como vem sendo hábito neste pontificado, os interesses políticos sobrepõem-se aos religiosos, e para o actual bispo de Roma é mais importante apoiar um estado comunista, uma ditadura comunista como a de Cuba, do que defender os Cristãos, mártires pela sua Fé em cada vez mais lugares do Mundo.
Por outro lado, a insuspeita cadeia de televisão americana CNN, numa sondagem realizada em finais de março de 2015 (1) (2), mostra que a popularidade do presidente Obama está a níveis inferiores a 50%.
Num gesto que tem mais de político do que de racional, os EUA dão a mão a Cuba, na pessoa do seu actual ditador, irmão do anterior.
Aquele sentimento de superioridade moral que os EUA apregoavam com o papel desempenhado pelos seus Pais Fundadores e com a sua Constituição, esbarra com este desencontro com esses fundamentos morais.
O interesse dos EUA no restabelecimento de relações diplomáticas, e posteriores económicas, não foi para ajudar o Povo Cubano a recuperar a sua Liberdade, mas sim para perpectuar uma Família e uma ditadura naquela ilha mártir!
Só o Povo Cubano pode acabar com a ditadura que o asfixia. Pode, porventura, esta nova ligação aos EUA dar-lhe a força necessária para de uma forma pacífica se libertar das grilhetas do comunismo e daquela Família. Mas Cuba não pode voltar a ser o ‘bordel’ dos EUA, nem uma plataforma de negócios ilícitos que a história mostra estarem ambos no seu passado e presente.
Mário Casa Nova Martins
*

Free web page counter