\ A VOZ PORTALEGRENSE: Mário Silva Freire

quinta-feira, janeiro 13, 2011

Mário Silva Freire

CRÓNICAS DE EDUCAÇÃO - XXXI

O ensino é uma profissão de care?

Em Abril passado, Martine Aubry, líder do Partido Socialista Francês, numa entrevista, lançou um apelo “a uma sociedade do bem-estar e do respeito e que prepare o futuro”, atacando “o materialismo e o tudo-ter”. No mês seguinte, no Le Monde, retomou o tema com um artigo intitulado “A sociedade do care”, inspirando-se na obra de Joan Tronto (1993), Um mundo vulnerável, para uma política do care. Com aquele artigo, desencadeia-se na sociedade francesa um intenso debate, em várias frentes. Ora o vocábulo inglês care, por alguns considerado intraduzível, assume várias significações.
Assim, de acordo com Tronto, haveria quatro fases no desenvolvimento do care. A primeira teria a ver com o reconhecimento da necessidade, a da preocupação por alguém que tem carências (caring of). A segunda fase seria a da responsabilidade (taking care of), pela qual se assume que se pode dar uma resposta específica a uma necessidade. A terceira fase seria a da competência (care giving). Esta fase seria de primordial importância visto que as melhores intenções e a dedicação mais sincera podem não ser suficientes para garantir a resposta à necessidade, de maneira adequada. A última fase (care receiving), a da recepção, consistiria em saber se houve uma resposta apropriada às necessidades identificadas, tendo em consideração as etapas anteriores.
Mostrou-se, nos diferentes debates havidos, que deveria existir um care no ensino. Tentando uma transposição, de carácter pessoal, destas fases para o ensino, diria que:
A primeira fase teria a ver com a identificação das necessidades que os alunos evidenciariam, muito especialmente as de natureza cognitiva e afectiva. Como identificar essas necessidades? Bem, através da observação, de testes diagnósticos, da análise do percurso escolar, de informações a partir da família…
Na segunda fase teriam que ser inventariados todos os instrumentos, métodos e processos capazes de darem resposta às necessidades identificadas na primeira fase e a responsabilização por parte do professor, assumindo que vai dar (ou, pelo menos, empenhadamente, tentar) uma resposta específica a essas necessidades.
Na terceira fase seria feita a aplicação dos diferentes instrumentos, métodos e processos inventariados. Por exemplo, o trabalho individual, alternando com o trabalho em pequeno grupo ou com o trabalho em classe; a utilização de métodos experimentais, participativos, activos, visitas de estudo, relatórios, trabalho de projecto mas, também, de explanação teórica por parte do professor...
Finalmente, a quarta fase corresponderia à avaliação dos alunos, isto é, saber até que ponto as fases anteriores contribuíram para que os alunos tivessem podido dar as respostas adequadas às necessidades previamente identificadas.
Será que a aplicação da concepção do care ao ensino traz algo de novo? Julgo que a ênfase nas necessidades dos alunos, na sua identificação precisa, na responsabilização do professor nas respostas que pretende dar, a par da aplicação das diferentes técnicas e meios utilizados para saber dos resultados obtidos, podem contribuir significativamente para a mudança que se deseja no ensino. Para isso, há que alterar radicalmente o modo de trabalhar do professor, essencialmente individualista, passando a ser um elemento de um grupo que, com os colegas de turma, por exemplo, e outros técnicos de educação, procure encontrar as melhores soluções para as necessidades identificadas. E, talvez, não seja necessário gastar mais dinheiro para assim se trabalhar!
Mário Freire

Free web page counter