\ A VOZ PORTALEGRENSE: Convento de Santa Clara de Portalegre-XI

sexta-feira, fevereiro 08, 2013

Convento de Santa Clara de Portalegre-XI


DOS MONUMENTOS ÀS PESSOAS - XI
 
O Distrito de Portalegre, N.º 5806, 19 de Novembro de 1982
 
Soror Isabel do Menino Jesus
- Abadessa, que foi de Santa Clara
 
É possível que com a arrumação, por que se espera, do imenso espólio de livros que por aí andam dispersos, vindos dos extintos Conventos da Cidade, muitos nomes de Religiosos e de Religiosas venham para as luzes da ribalta, e Portalegre possa tomar conhecimento dos valores que, dentro ou fora dos seus muros, a projectaram no futuro.
Sabemos que nos Conventos se cultivava a actividade literária e que, com maior ou menor mérito, iam surgindo obras e, portanto, nomes – sobretudo, no campo da oratória e da mística, que, no nosso caso, como quem diz, em referência aos Conventos de Portalegre, permanecem ignoradas.
De entre esses nomes, apontamos hoje um – a Abadessa Clarissa do Convento de Santa Clara de nome Soror Izabel do Menino Jesus.
Foi através de um desses livros, que por aí andam dispersos, que soubemos da sua existência.
Deixou-nos alguns dados sobre a sua vida e descreveu-nos as suas experiências místicas com revelações, sobre cuja autenticidade a Igreja, oficialmente, nunca se pronunciou, mas que, nem por isso deixam de ter interesse até como expressão da mentalidade de uma época, embora não só, mas, sobretudo, em referência ao ambiente da vida conventual.
Intitula-se o livro a que nos referimos: «Vida de Soror Izabel do Menino Jesus, Abadessa que foi do Mosteiro de Santa Clara de Portalegre».
Na folha seguinte à do título da obra, e em que esta se repete, vêm outros dados que transcrevemos:
«Escripta pela mesma venerável religiosa, de mandado de seus Padres espirituaes, com outros tratados Místicos: prática para o interior das Religiosas do mesmo Mosteiro, em que se encontrão as muitas mercês, que Deos lhe fez, em ordem à salvação das almas, com algumas suas cartas espirituaes. Disposta pelo M. R. Padre Fr. Martinho de S. José, Pregador Jubilado, e Provincial da mesma província dos Algarves, que também foi seu confessor. É dada à luz pelo Padre João Evangelista da Cruz e Costa, Bacharel formado nos Sagrados Cânones. Lisboa, M.D.CC.LVII – Na off. de Joseph da Costa Coimbra. Com todas as licenças necessárias».
Era Soror Izabel do Menino Jesus natural de Marvão. Mas merece transcrição a página em que fala da sua terra natal., do desgosto de aí ter primeiro servido ao mundo, antes de se consagrar a Deus; indicando ainda quem foram seus pais.
Falando, portanto da sua vida diz: «Malogrados forão os princípios della; porque tendo alguns ensaios, de que seria nos meus primeiros annos seva de Deos, os meus pecados escurecerão esta luz; e quando cheguei a servir este Senhor, já o mundo estava servido de mim; e para fazer mais expressa menção, direi primeiro a pátria onde nasci. Foi esta a Villa de Marvão, bem conhecida por sua antiguidade.
Meus Pais Christãos, e muito tementes a Deos, de sangue limpíssimo; meu Pai se chamava João Mourato, minha Mãi Domingas Rodrigues, iguais na geração, e nas virtudes».
Aqui terminamos a transcrição. Por ela vemos que, embora, em um dos pareceres, que antecede a Obra, Frei Jerónimo de Belém «Pregador Jubilado, Examinador das Ordens Militares, Consultor da Bulla da Santa Cruzada, Chronista, e Padre da Província dos Algarves» diga que Soror Izabel é «huma mulher sem letras», o seu estilo é fluente, vivo, mesmo insinuante. Pelo trecho transcrito, vemos, também, como ainda, em meados do século XVIII, havia a preocupação de falar de um «sangue limpíssimo», como quem diz, onde não entrou gota de sangue judaico ou mourisco. Na linguagem corrente dizia-se: «cristão dos quatro costados».
E por hoje ficamos por aqui.
Padre Anacleto Martins
_______
.
.
.
.
.

Free web page counter