\ A VOZ PORTALEGRENSE: Belmiro de Azevedo

quinta-feira, novembro 30, 2017

Belmiro de Azevedo

*
Ódio de classe
*
Morreu o Homem, honre-se a sua Memória. Belmiro de Azevedo criou emprego, gerou riqueza, fundou um império, era rico. Tudo qualidades que o tornaram um alvo do Comunismo, o seu oposto.
Só o facto de o PCP ter votado contra uma Moção de Pesar pelo seu Falecimento no Parlamento, para que se lembre Belmiro de Azevedo.
Que se diga que o BE se absteve. Que se diga que um tal grupelho que dá pelo nome de «Verdes» ou PEV, e que é um apêndice do PCP, se absteve. Tudo “boa gente”!
A inveja rima com Comunismo, o ódio rima com Comunismo, e é um marxista ódio de classe que faz com que os radicais esquerdistas nem na Morte respeitem a Memória de um Homem.
O Comunismo destruiu a economia portuguesa entre 11 de Março de 1974 e 25 de Novembro de 1975. No Alentejo ocupou, pilhou, agrediu, intimidou. E mais mal não fez porque não teve tempo.
Belmiro de Azevedo era para o Comunismo um inimigo de classe.
Mas que se diga que o comportamento da Esquerda Radical no Parlamento era espectável, fiel que é aos ensinamentos de Lenine, Trotsky, Estaline, e às teorias de Marx.
Mas em tudo há sempre um ‘mas’. O único diário situado à Esquerda em Portugal é o jornal «Público». Crónico deficitário, apenas subsistia porque o seu proprietário assim o queria. E o seu proprietário era Belmiro de Azevedo.
O «Público» faz a propaganda e nele escreve como colunista gente dessa mesma Esquerda Radical. Seja na política, na cultura, a visão do jornal é de Esquerda, sempre ao lado das denominadas “causas fracturantes”, marginais à maioria dos portugueses.
E que caricato que os mesmo que têm usufruído do jornal de Belmiro de Azevedo, na hora da sua Morte o renegam.
.

Free web page counter