\ A VOZ PORTALEGRENSE: Declaração Por Portalegre

quarta-feira, setembro 27, 2017

Declaração Por Portalegre

Declaração Por Portalegre

E se Portalegre voltasse a ser a Cidade Branca? E se os Sinos de São Lourenço voltassem a tocar? E se a Cruz no Monte de São Tomé voltasse a iluminar Portalegre?
Carlos Garcia de Castro cantou Portalegre como poucos ou ninguém. A “sua” Portalegre é a minha, da minha infância e juventude. Quando a Cruz da Penha à noite, iluminada, abraçava e abençoava a Cidade. Quando eu acordava ao som do apito da Fábrica dos Lanifícios. Quando sabia que nos dias cinzentos ia chover ou que no verão o vento suão tinha chegado, porque o fumo da Fábrica Robinson se espraiava pelo Rossio. Quando as casas eram caiadas de branco. Quando a missa em São Lourenço era anunciada pelo repicar dos seus sinos. Quando o Desportivo e o Estrela jogavam aos domingos na Fontedeira e depois no Municipal.
Mas a inexorável usura do tempo faz com que o passado se transforme em memórias, como aquela contida na sublime escrita poética de Raúl Cóias Dias, que intitulou «Poema a Portalegre», e onde diz:
 _ “Portalegre” era um tear, cidade branca a fiar, de pulseira e avental, uma tasca em cada esquina e um brilho a senhora fina na ternura do olhar, silêncio de rua antiga, bêcos, roupa a secar, restos de “Duro”, vinho escuro, vestígios de “Bernardim”, écloga de sombra, jardim, “Nossa Senhora da Penha”, “Portalegre, contra sanha: o suor, o vinho, o pão… “Bonfim”, “Santana”, “S. Cristóvão”…” (só mais tarde Atalaião).
Alagoa, Alegrete, Fortios, Reguengo e São Julião, Ribeira de Nisa e Carreiras, Urra. Cada uma das Freguesias do Concelho de Portalegre tem os seus problemas específicos. Mas o despovoamento e o envelhecimento das suas Gentes são comuns a todas. Periféricas, sentem o abandono, o isolamento, a amargura do esquecimento por parte dos poderes autárquicos. Mas também elas foram prósperas, com agricultura, pequeno comércio e alguma indústria. E nelas hoje perdura a memória desses tempos.
Sé e São Lourenço têm intramuros um casario, na parte histórica, degradado, inabitável, ruas desertas sem vida nem alma. Aqui se alberga a principal História de Portalegre, o Passado e o Presente de um tempo que parece não ter tempo para o Futuro. Contudo, aqui vivem Gentes que resistem à inércia, que acreditam que Portalegre, Cidade e Concelho, tem condições para voltar a ser a cidade industrial, comercial e de serviços que foi e que gerava riqueza económica e cultural. E riqueza Moral, Ética e Cívica.
No próximo dia 1 de Outubro têm lugar as Eleições Autárquicas. É dentro da maior liberdade e confiança que afirmo o meu apoio à candidatura autárquica do CDS no Concelho de Portalegre, liderada por Nuno Moniz.
O Concelho de Portalegre tem no próximo dia 1 de Outubro a possibilidade de inverter um rumo, aquele que tem conduzido à desertificação de gentes, ao declínio das actividades económicas, ao fatalismo geográfico, apostando na candidatura do CDS e em Nuno Moniz, pelo progresso e pelo futuro do Concelho de Portalegre.
Apoiar quem queira investir para criar postos de trabalho e trazer gentes, famílias ao Concelho de Portalegre.
Melhorar a qualidade de vida dos habitantes do Concelho de Portalegre, com a criação de espaços comunitários com infra-estruturas onde o usufruir do lazer seja prioridade.
Recuperar a confiança dos Munícipes naqueles que estão à frente dos destinos do Município.
Recuperar e renovar tradições esquecidas e perdidas.
Apoiar os clubes desportivos na área da formação de jovens para a prática do Desporto.
Transformar a Cultura num bem acessível a todos.
Fazer do Concelho um ponto de referência para os produtos da região.
E muito mais está no programa da candidatura autárquica de Nuno Moniz, um Homem de Acção, que quer um Concelho de Portalegre vivo, dinâmico e em paz consigo próprio.
A credibilidade em política deve ser o princípio que norteia uma candidatura eleitoral, e o CDS assim trabalha, tendo o desenvolvimento do Concelho em termos económicos e sociais como objectivo, associado ao bem-estar das suas gentes.
O Concelho de Portalegre precisa de gente que com ele se preocupe, que com ele viva e sinta os seus problemas e procure as soluções para todos eles. O lema da candidatura da equipa liderada por Nuno Moniz é servir as Gentes do Concelho de Portalegre.
Portalegre precisa de ser estimada pelos Portalegrenses, através da sua intervenção na Ágora. É preciso afastar fatalismos e maus agoiros, acreditar que com trabalho construtivo, com ideias, com responsabilidade e o querer servir a Causa Pública, Portalegre e o seu Concelho têm futuro.
Se a Nuno Moniz e à sua equipa na Assembleia Municipal e nas Juntas de Freguesia, for dada através do Voto a oportunidade de servir todos os Portalegrenses, de certeza que o Concelho e a Cidade de Portalegre voltarão a contar no concerto dos Concelhos Portugueses!
Vivamos Portalegre com entrega. Acreditemos no Futuro de Portalegre. Com o Nuno. Consigo.
Por Portalegre!
Mário Casa Nova Martins
27 de Setembro de 2017

Free web page counter