\ A VOZ PORTALEGRENSE: SUÉCIA PARAÍSO PARA VIOLADORES

quinta-feira, fevereiro 23, 2017

SUÉCIA PARAÍSO PARA VIOLADORES

*
SUÉCIA PARAÍSO PARA VIOLADORES
*
Nos anos 60, 70 e mesmo 80 do passado século XX, a Suécia era para os portugueses que se interessavam por política, que não a portuguesa, o paraíso na terra. Havia um outro paraíso, mas apenas para uma minoria de portugueses, a então URSS.
A Suécia fascinava as mentes mais doutas e progressistas das gentes cultas, eruditas e viajadas portuguesas. Em paralelo, a Universidade ministrava o Marxismo através de sebentas, sebentas, de Marta Harnecker, entre outros, aprendia com Gramsci, e lia Marx, Engels, Lenine e Trotsky no original.
Olof Palme, elevado ao Olimpo, era considerado um deus. A social-democracia sueca era o sol na terra. A URSS também era muito solarenga.
O Portugal de então era pobre, atrasado, com forte ruralidade, católico, reaccionário, tudo por culpa do obscurantista Oliveira Salazar. E aqueles portugueses iluminados viam a social-democracia sueca como o modelo a seguir.
O tempo passou, e até a social-democracia sueca deixou de ser ou de estar na moda, porque ela própria não passava de um mito, de uma moda passageira.
Hoje a Suécia já não fala de social-democracia, esqueceu Olof Palme, que é só lembrado no aniversário da morte, assassinato. Tal como acontece em Portugal com o seu émulo, Francisco Lumbrales Sá Carneiro, também apenas lembrado no aniversário da morte, assassinato.
Hoje a Suécia apresenta-se como a campeã europeia das violações, ela que naqueles tempos era lembrada, e invejada, pela liberdade sexual dos suecos.
No mundo, apenas o Lesoto ultrapassa a moderna Suécia no número de violações.
Todavia, na Suécia, a culpa das violações não é dos violadores. A culpa é dos violados que se comportam de modo a suscitar, a provocar a violação. No fundo, os violados forçaram a violação devido aos seus comportamentos.
Contudo, há um pormenor a referir. O parágrafo anterior é verdadeiro se a violação for feita por um sueco-somali, sueco-sírio, sueco- qualquer coisa desde que não seja verdadeiramente sueco. Se a violação for feita por um sueco, é mesmo violação, e o sueco é um predador sexual, logo um criminoso sexual, um perigoso fascista.

Free web page counter