\ A VOZ PORTALEGRENSE: A BANCA ( QUE ERA ) PORTUGUESA

quinta-feira, fevereiro 09, 2017

A BANCA ( QUE ERA ) PORTUGUESA

*
A BANCA ( QUE ERA ) PORTUGUESA
*
Dos quatro maiores bancos que hoje operam no mercado português, só a Caixa Geral de Depósitos se mantém nacional, com o seu capital controlado a 100% pelo Estado. O BCP é controlado pelos chineses da Fosun, o BPI pelos catalães do La Caixa, o Santander Totta pelos espanhóis do Santander. Quanto a um quinto, o Novo Banco, este aguarda quem o compre, mas há a certeza, dados os valores em questão, de que não será capital nacional a mandar no futuro da instituição.
Poder-se-á perguntar como se chegou a esta situação. Contudo, a verdade é que quando a banca foi nacionalizada nos idos de Março de 1975, estava saudável. Dai o ‘apetite’ pelo controlo da banca por parte dos radicais de Esquerda que controlavam o aparelho de Estado, e principalmente a rua.
Sabe-se que a banca fora delapidada no período do PREC, dominada que estava pelos sindicatos comunistas da Intersindical, e por um conjunto de gestores nomeados pelo Estado de formação marxista. Pior não podia ter acontecido, em termos financeiros e sobretudo de gestão, à banca portuguesa.
Quando das privatizações, os capitais portugueses existentes não eram suficientes para a tirar das mãos do Estado, que fora mau gestor. Não havendo capital português suficiente, foi necessário recorrer-se a capitais privados estrangeiros.
E chega-se ao presente da maneira mais natural. Erros de gestão por parte dos portugueses, gestão danosa em certas instituições, do que são exemplo os ex-BES e ex-BANIF, os maiores e noutros de menor dimensão, como o ex-BPN, tornaram inviável uma banca, que fora forte, coesa e portuguesa no período da Segunda República.
Dos muitos problemas que conduziram à actual situação da banca portuguesa está o denominado “crédito malparado”, e sabe-se que muito dele tem a ver com negócios entre essa banca e empresas que por sua vez era ‘contribuintes líquidos’ de partidos políticos. Para não se falar do facilitismo quanto ao acesso ao crédito por parte de particulares sem garantias sólidas.
Dada a incompetência dos portugueses na área bancária, era expectável que os estrangeiros aproveitassem esta oportunidade de negócio em que se tornou a banca portuguesa.
Porém, a manutenção da CGD no Estado não é um dado adquirido, uma vez que ciclicamente há a tentativa de privatizar uma parte do seu capital. Mas se tal vier a acontecer, logo será a restante parte, e se a CGD sair da esfera pública, será sempre um crime contra o próprio Estado e contra os Portugueses.

Free web page counter