\ A VOZ PORTALEGRENSE: Portalegre - Autárquicas 2017 - V

quinta-feira, janeiro 26, 2017

Portalegre - Autárquicas 2017 - V

*
*
Autárquicas 2017 – Portalegre – V
*
PSD crime e castigo
*
Em Portalegre há muito que existe o receio, quiçá, medo, de se dizer a verdade quanto a factos políticos. Não há coragem de publicamente se afirmar, por parte da classe política local e dos comentadores políticos afectos aos partidos representados, que a dívida colossal para a dimensão sócio-económica e fiscal do concelho de Portalegre foi toda feita pela governação de uma década do PSD à frente da autarquia.
Há um rosto que é responsável pela dívida, que a fez e mais ainda a teria aumentado se não tivesse saído a meio do terceiro mandato. Mas, diga-se em abono da verdade, com a total concordância da estrutura concelhia do PSD. Para o PSD o que interessava era estar na CMP, e ter os seus militantes a ocuparem lugares de nomeação política, uns, e outros a entrarem para a função pública. Portalegre e o seu concelho pouco ou nada lhes interessava.
Agora o PSD está a ter a ‘recompensa’ pela década ruinosa pela qual é responsável.
Há quatro anos sofreu a pior derrota da sua história no concelho de Portalegre. E prepara-se para no próximo acto eleitoral autárquico voltar a ser eleitoralmente humilhado.
O PSD ainda não apresentou publicamente o seu candidato. Diversos nomes têm surgido, mas seja quem for, por muito boas credenciais que apresente, o eleitorado não lhe dará o seu voto.
E a situação do PSD agravou-se com o ‘regresso’ de gente que nos últimos quatro anos esteve na equipa da actual presidente, e que julgando que aquela recandidatura era perdedora, vieram novamente ‘bater à porta’ do PSD de Portalegre, disponibilizando-se para manterem os lugares políticos que obtiveram com a vitória do CLIP. E antes tinham esses mesmos lugares políticos pelo PSD. Confuso?
Contudo, se o PSD julga que vai ganhar votos com os ‘transfugas’, está muito enganado. Se já não eram mais-valia política para o próprio partido, que o PSD perceba que muito menos o são em termos eleitorais. Que não pense que o eleitorado é estupido a ponto de não ver que apenas interesses pessoais movem estas hipotéticas candidaturas.
O PSD não vai ter o denominado e malfadado “voto útil”, que é útil para quem o recebe e torna-se inútil para quem o dá. Também não vai poder contar com a ‘muleta’ do CDS, que tão útil para ele tem sido, e tão mau é para o CDS que perde eleitorado que depois não consegue recuperar e entra em cíclicas crises de crescimento e sobretudo de afirmação política.
Nestes últimos quatro anos o PSD não foi capaz de olhar para dentro de si próprio, de como que fazer uma catarse, para renascer com força e vigor, credibilidade para enfrentar o futuro. Assim, o futuro no PSD não vai começar no próximo acto eleitoral autárquico. O PSD tem o seu futuro adiado. Até quando? Só ele, PSD, o poderá dizer, ou querer.
*

Free web page counter