\ A VOZ PORTALEGRENSE: Mário Alberto Nobre Lopes Soares

quarta-feira, janeiro 11, 2017

Mário Alberto Nobre Lopes Soares

*
As três mortes de Mário Soares
*
Quando os EUA “abandonaram à sua sorte” Portugal após o golpe de estado corporativo de 25 de Abril de 1974, foi a Europa da Democracia Cristã e da Social Democracia quem ajudou o país a lutar contra a tentativa de implantação de uma ditadura comunista.
Essa tentativa comunista, que juntava o PCP aos seus satélites como o MDP-CEE, MES, TUV SUV, e outros extremistas dentro das Forças Armadas, começou logo a 1 de Maio de 1974, e prolongou-se até 25 de Novembro de 1975.
Nesse espaço de tempo deu-se a entrega dos Estados Portugueses de África aos movimentos guerrilheiros marxistas, sem consulta às populações, começou uma sangrenta guerra civil em Timor, e aconteceu a oferta de Macau à China. Também nesse tempo o terror comunista era uma constante na vida dos portugueses, que viram a economia ser destruída pela ideologia marxista, chegando a fome e a miséria, as ‘aliadas’ preferenciais do Socialismo.
Em toda esta fase de luta contra o comunismo, quer na sociedade civil, quer dentro da estrutura militar, houve heróis e oportunistas, como sempre e em todo o lado.
Parte da hierarquia da Igreja Católica teve um papel determinante naquela luta, tal como toda uma Maioria Silenciosa, que quando foi preciso “disse presente!”.
Da parte dos militares, uma minoria, civilizada e disciplinada, resistiu sempre. Dentro das Forças Armadas houve enormes saneamentos, que debilitaram a Resistência, sem nunca a quebrarem.
A Direita viu-se decapitada em 28 de Setembro de 1974 e em 11 de Março de 1975, pelo que ficou “a Direita possível”, representada pelo CDS.
A História fala de muitos protagonistas do lado dos comunistas vencidos, e outros tantos do lado da Liberdade e da Democracia.
Mas o tempo apagou o nome de muitos desses protagonistas, para se centrar em dois, Álvaro Cunhal, o vencido, Mário Soares, o vencedor. E desde então, é assim que se quer que a História seja.
Mário Soares percorre a Terceira República, deixando nela a sua marca pessoal nessa luta contra o comunismo, ele que foi comunista e filiado no PCP. Mas dentro do PS, foi Francisco Salgado Zenha o estratega e o principal lutador contra os comunistas.
A Mário Soares se atribui o principal papel na denominada Descolonização. Mas foi o PCP e Ernesto Melo Antunes quem delinearam a estratégia da entrega aos guerrilheiros marxistas dos Estados portugueses.
A entrada de Portugal na então CEE é atribuída a Mário Soares. Mas tal entrada começou ainda na década de sessenta em pleno Estado Novo, e essa entrada era uma inevitabilidade.
Como primeiro-ministro, Mário Soares conduziu o país à bancarrota, não conseguindo sair dela sem apoio externo.
Na função de presidente da República fez milhões de quilómetros em viagens por tudo o que era sítio no mundo, delapidando o erário público, porque essas viagens, ditas presidenciais, nada de relevante trouxeram para o país e para os portugueses. E o mesmo fez em Portugal, calcorreando todos os lugares e lugarejos.
A ‘primeira morte’ de Mário Soares foi em 22 de Fevereiro de 2006, quando obtém apenas 14% dos votos expressos na campanha presidencial a que concorre. Os portugueses elegem o seu arqui-inimigo logo à primeira volta, mostrando que o seu tempo, o tempo de Mário Soares enquanto político acabara.
Daí até à sua ‘segunda morte’, em 7 de Janeiro de 2017, fez um percurso de aproximação ao radicalismo esquerdista, aliás, onde começou, como membro do PCP.
A ‘terceira morte’ de Mário Soares aconteceu três dias depois da sua morte física. Se o velório em Belém tivera pouca gente, o cortejo fúnebre pôs à evidencia que Mário Soares há muito ‘morrera’. Foi confrangedor ver tão pouca gente nas ruas que o féretro percorreu. Nem as excursões promovidas pelo PS conseguiram esconder esta evidência.

Free web page counter