\ A VOZ PORTALEGRENSE: Amigos improváveis

quarta-feira, setembro 30, 2015

Amigos improváveis

*
Fidel Castro foi excomungado pelo papa João XXIII, depois de se declarar marxista-leninista e anunciar que iria conduzir Cuba ao comunismo no discurso histórico de 2 de dezembro de 1961.
A decisão papal foi anunciada a 3 de janeiro de 1962.
O ditador Fidel Castro mostrou ao longo da terrível ditadura cubana a sua hostilidade para com a religião católica. Expulsou padres, perseguiu católicos, fechou escolas religiosas. Mas que importância, aqueles e mais outros actos de igual jaez tiveram para os papas João Paulo II, Bento XVI e o actual, o papa-jesuíta Francisco I?
Dir-se-á sem qualquer dúvida, nenhuma! Mesmo nenhuma!
O regime ditatorial cubano há muito que está ‘santificado’ por aqueles três papas, o que não deixa de ser contraditório com a doutrina da igreja. Ou, quiçá, talvez não. Insondáveis, são, sempre foram os subterrâneos da Cidade Eterna, tal como a sua real-política para com os Estados.
O Vaticano é hoje em dia um Estado no qual o poder temporal subjugou o poder espiritual. Os negócios da banca do Vaticano há muito que são notícia pelas piores razões. E o mesmo acontece com os costumes.
Ao apertar a mão de Fidel Castro, o argentino Bergoglio tornado papa, ficou com a sua mão também cheias de sangue das vítimas do Castrismo.
A igreja católica vive o Tempos do Fim. A Europa acolhe o Cavalo de Troia que a irá submeter à nova Religião. Católica que foi é agora Pagã e Agnóstica, mas o futuro próximo terá outra Matriz. Covadonga (722), Poitiers (732), Navas de Tolosa, (1212), Salado (1340), ou a Capitulação de Granada (1491) serão rescritas.
Novos hábitos, os dos vencedores serão impostos. A decadente Europa dará lugar a uma nova Europa na qual o Corão será a lei civil e religiosa.
Que assim seja!

Mário Casa Nova Martins

Free web page counter