\ A VOZ PORTALEGRENSE: Janeiro 2014

quinta-feira, janeiro 23, 2014

'A Casa' - Vítor Luís Rodrigues

*

terça-feira, janeiro 21, 2014

Desabafos 2013/2014 - VII

Para muitos, o ‘terrível’ Século XX começou em 1914. Esse ano é um ano charneira entre um tempo de um nietzscheniano viver habitualmente para um outro tempo do viver perigosamente.
Entre 28 de julho de 1914 e 11 de novembro de 1918 o Mundo mudou. A primeira guerra global transformou continentes, países, e sobretudo mentalidades. E marcou o início do declínio da Europa enquanto potência mundial. E é o fim do domínio da cultura grega-judaica-cristã.
A Europa é derrotada nesta primeira parte da sua Guerra Civil de 1914 – 1945, e sê-lo-á definitivamente na parte segunda. Esta nova Guerra dos Trinta Anos europeia devastou povos e gentes, mas permitiu à Europa um último estertor nas décadas de sessenta e setenta, com um bem-estar material e social que em tempo algum uma Civilização conseguira alcançar.
Hoje, um século depois do início desse terrível conflito, no qual Portugal participou nos teatros de operações europeu e africano, sempre com pesados custos em vidas humanas, o Mundo não está melhor.
A Crise de Valores mostra quanto se regrediu em termos de Humanismo e Personalismo. Sociedades marcadas por fundamentalismos, sejam religiosos ou laicistas, por totalitarismos, sejam de ordem marxista ou capitalista, pelo assassínio da Vida Humana no seu embrião, provam a fraqueza do Homem enquanto entidade social.
A desregulação social traz miséria material e sobretudo moral. A ausência de Princípios, ou a sua corrupção, transforma as Pessoas em seres vis e cruéis, sedentes de inveja e vingança, capazes de tudo para alcançarem os fins.
A lição que então os Povos colheram dessa tremenda Primeira Grande Guerra, foi logo esquecida, como prova o Tratado de Versailles. E hoje não há Memória do Passado, e muito menos Memória para o Futuro!
in, Rádio Portalegre, Desabafos, 20/01/2014
Mário Casa Nova Martins

terça-feira, janeiro 14, 2014

La Nouvelle Revue d'Histoire - 70

*
Finalmente está à venda na cidade de Portalegre a notável «La Nouvelle Revue d’Histoire»!
Chegou hoje à Papelaria Sarita o número 70, que é referente a janeiro/fevereiro de 2014.
No ano em que se celebra o centenário do início da Primeira Guerra Mundial, este número trás importante informação histórica sobre os Balcãs, o ‘berço’ do dramático conflito.
A ler!
Mário Casa Nova Martins

sexta-feira, janeiro 10, 2014

Eusébio da Silva Ferreira

Eusébio o Rei que reinou
A História alimenta-se de Mitos e Heróis. E quem melhor do que a Morte para os criar, e os fazer perdurar para a Eternidade!
Morreu na madrugada do passado domingo dia 5 de janeiro em Lisboa, Eusébio da Silva Ferreira. Natural de Moçambique, nasceu em Lourenço Marques, actual Maputo, a 25 de Janeiro de 1942 no Bairro de Mafalala.
Começou a sua carreira desportiva no Sporting de Lourenço Marques, vindo depois para o Sport Lisboa e Benfica. Em Portugal jogou também no Sport Clube Beira-Mar e União de Futebol Comércio e Indústria de Tomar. Também jogou em clubes dos EUA, México e Canadá.
Eusébio jogou pelo Benfica 15 dos seus 22 anos como jogador de futebol. Ainda hoje detém o recorde de golos dos encarnados com 638 golos em 614 jogos oficiais. No Benfica ganhou 11 Campeonatos Nacionais, 5 Taças de Portugal, 1 Taça dos Campeões Europeus e ajudou a alcançar mais três finais da Taça dos Campeões Europeus. Foi o maior marcador da Taça dos Campeões Europeus em 1965, 1966 e 1968. Ganhou ainda em Portugal a Bola de Prata sete vezes. Foi o primeiro jogador português a ganhar a Bota de Ouro, em 1968, façanha que mais tarde repetiu em 1973.
Jogou sessenta e quatro vezes pela Selecção Nacional, onde marcou 41 golos. Ao todo, na sua carreira marcou 733 golos em 745 jogos oficiais
Esteve em Portalegre por duas vezes, a primeira pelo Sport Lisboa e Benfica num jogo particular com o Grupo Desportivo Portalegrense, mas não chegou a jogar, e pelo União de Tomar num jogo oficial com o Sport Clube Estrela.
Eusébio da Silva Ferreira chegou a Lisboa a 15 de dezembro de 1960. Estreou-se no Estádio da Luz a 23 de maio de 1961, num jogo amigável contra o Atlético Clube de Futebol em que marcou 3 dos quatro golos do Benfica. O France Football considera-o o segundo melhor jogador do mundo, em 1962. A carreira de Eusébio foi recheada de lesões, tendo sido operado 6 vezes ao joelho esquerdo e 1 vez ao direito. O SLB fez-lhe uma festa de despedida, em Setembro de 1973. O seu último jogo com a camisola do Benfica foi no dia 18 de junho de 1975, frente a uma seleção africana, em Casablanca. Continuou ainda a jogar até 1979.
Eusébio é um símbolo nacional. Também mundial, como se prova pelas manifestações de pesar que aconteceram nos Cinco Continentes.
As principais instâncias do futebol ao longo do tempo homenagearam Eusébio, e ele foi Embaixador delas próprias.
Eusébio acompanhou a evolução do futebol no mundo. A televisão mostrou desde 1962 Eusébio, tornou-o figura mundial, dando também a conhecer o Benfica e principalmente Portugal.
E mesmo depois de acabar a sua carreia desportiva, o Futebol nunca dele se esqueceu. O denominado Planeta do Futebol está de luto. Uma das suas maiores glórias partiu para a Eternidade.
Mas o mito de Eusébio acompanhou-o ainda em vida, coisa rara nos mortais. O mito nasceu logo após o final de um jogo Inglaterra – Portugal, em pleno, também ele mítico, Estádio de Wembley, em 26 de julho de 1966. Eusébio passou a ser conhecido pelo King. Eusébio é Rei!
Também a Eusébio começaram a chamar Pantera Negra, felino nobre. Os cognomes o Rei, a Pantera Negra impuseram-se ao ídolo do futebol, mas o nome Eusébio, esse é Imortal.
Eusébio da Silva Ferreira foi sempre um homem do futebol, nunca esqueceu a sua terra natal, e amou verdadeiramente Portugal. Homem simples, homem do povo, aceitou as homenagens com que os Regimes o quiseram honrar. A sua carreira desportiva tornou-o um ídolo no e para o Império. Foi, será o último Herói do Império. Figurará entre tantos outros como um Mouzinho ou um Afonso de Albuquerque. Os seus feitos ultrapassaram as fronteiras da sua terra, do seu país. Eusébio é maior que Portugal.
Honremos a sua Memória.
Mário Casa Nova Martins
in, Alto Alentejo, 08-01-2014, pg.2
*
*

terça-feira, janeiro 07, 2014

Desabafos 2013/2014 - VI

Hoje é o sexto dia de 2014. Seis dias de esperança que acontece sempre que começa um novo ano. Mas, como sempre, essa esperança vai-se diluindo, e em breve tudo volta ao que era.
No primeiro dia deste ano de 2014 trocaram-se votos de um ano melhor, hoje, dando crédito às notícias, tudo está ou na mesma, ou o amanhã augura-se pior que o hoje.
Este mês de janeiro vai ser muito duro para os portugueses. Cortes em salários e pensões, e tudo o mais que a classe política decretou para destruir a classe média, para tornar os pobres mais pobres, e mesmo a fazer com que os ricos, essa ‘classe maldita’ para o radicalismo, sofram também quebras nos seus rendimentos.
Nada escapa à voragem de leis e decretos que visam atingir todos os portugueses no seu nível de vida, à excepção da classe política, seja ela local ou nacional, que não só mantém como amplia os seus privilégios.
Quando uma sociedade paga para que não se trabalhe, para que não se produza, não é já uma sociedade doente, é uma sociedade putrefacta.
Quando a Escola deixa de ser um lugar de saberes, um lugar onde se ensina e aprende, para se tornar em laboratório de experiências pedagógicas radicais, já não é uma Escola, mas sim um lugar onde a marginalidade é consentida.
Quando a Família é um sítio onde os Valores não são respeitados, quanto mais defendidos, não é mais do que um aglomerado de pessoas sem Princípios, sejam eles de ordem Moral ou Ética.
Quando a Nação deixa de ser a Entidade Orgânica e passa a ser a negação do Estado, sinónimo de barbárie na Vida e nos Costumes, nada há que esperar do Futuro!
Mesmo assim, um Bom Ano de 2014.
in, Rádio Portalegre, Desabafos, 06/01/2014
Mário Casa Nova Martins

segunda-feira, janeiro 06, 2014

Sílvio Vieira Mendes Lima

*
Passa hoje mais um aniversário da morte de Sílvio Lima.
Lembramos a efeméride.
Mário Casa Nova Martins
*

domingo, janeiro 05, 2014

Eusébio da Silva Ferreira

Eusébio da Silva Ferreira
(Lourenço Marques, 25 de janeiro de 1942 - Lisboa, 5 de janeiro de 2014)
*
Uma sentida mágoa! Ví-o pela última vez na 'Eusébio Cup - 2012', no jogo Sport Lisboa e Benfica - Real Madrid Club de Fútbol [5-2], na sexta-feira dia 27 de julho.
O primeiro jogo em que o vi foi num Sport Lisboa e Benfica - Associação Académica de Coimbra [5-1], no Estádio da Luz no domingo dia 
2 de maio de 1971.
As imagens dos seu golos e da sua alegria permanecerão na minha memória!
Que Descanse em Paz!
Mário Casa Nova Martins

Free web page counter