\ A VOZ PORTALEGRENSE: Convento de Santa Clara de Portalegre-VI

sexta-feira, janeiro 04, 2013

Convento de Santa Clara de Portalegre-VI

DOS MONUMENTOS ÀS PESSOAS - VI
 
O Distrito de Portalegre, N.º 5789, 9 de Julho de 1982

CONVENTO DE SANTA CLARA, um pouco da sua história
 
Os primórdios da vida da «Associação de Protecção e Amparo de Nossa Senhora das Dores»
 
Na acta que publicámos no último apontamento, a primeira registada no livro respectivo, tomamos conhecimento da Direcção desta «Obra» e de algumas diligências feitas para conseguir a cedência do Convento de Santa Clara para sede da Associação.
Na acta que a seguir transcrevemos damo-nos conta dos primeiros passos da «Obra», das boas vontades que congregou e de algumas dificuldades encontradas, em concreto para a efectuação das indispensáveis reparações sem as quais o edifício continuaria inabitável.
É a acta da sessão ordinária de 20 de Agosto de 1927.
«Aberta a sessão, a presidente deu conhecimento à direcção de que, por decreto n.º 13.956 de 18 de Janeiro do corrente ano, foi (sic) cedido a esta Associação, para nele se instalar a casa da Regeneração e Trabalho, o convento, edifício, igreja e cerca, etc., etc., do extinto convento de Santa Clara. E congratulando-se com o feliz êxito das diligencias (sic) empregadas para tal se conseguir, julga do seu dever, informar a direcção dos nomes das pessoas que contribuíram para que se conseguisse para a Associação aquele edifício, para que de futuro, essas pessoas e suas famílias, sejam recordadas com gratidão, pelas gerações que forem sucedendo, nas suas orações e sufrágios.
Essas pessoas foram o Ex.mº Sr. Ministro das Finanças João José Sinel de Cordes, o Ex.mº Sr. Secretário de Estado das Finanças Carlos Ludovice, o Ex.mº Sr. Governador Civil Tenente Coronel Gaudêncio José Trindade, o Ex.mº Sr. Secretário Geral Dr. Jerónimo Sampaio, os membros da Junta Geral presidida por Ex.mº Sr. Coronel António Patrício Rodrigues e Ex.mª Senhora D. Luiza Andaluz, pessoas que a ela, presidente, directamente auxiliaram e sem as quais nada poderia conseguir na solução das grandes dificuldades que tiveram que vencer-se. Julga ela, presidente ser (sic) também do seu dever e para o mesmo fim consignar aqui os seus agradecimentos aos jornalistas Ex.mº Sr. Fernando de Sousa (Memo) e Dr. Damião Martins do Rio, respectivamente directores da Voz (sic) de Lisboa e do Distrito (sic) de Portalegre, pelo decidido (sic) apoio que deram à nossa causa dependendo a entrega d’aquele convento à nossa Associação.
Seguidamente, pelo mesmo presidente foi (sic) dito que do mesmo convento, igreja, etc., etc., tomou posse no dia 6 desse (sic) mês a qual foi (sic) conferida pelo Ex.mº Inspector de Finanças Eduardo Sales Henriques que julga necessário iniciar desde já as indispensáveis obras de defesa (sic) do edifício visto que, em diferentes partes, a água por ocasião das chuvas entra no mesmo edifício deteriorando-o consideravelmente. Mas sucede que essas obras importam em verba da qual não dispõe a Associação, de momento, uma vez que só viverá do favor do Estado e da caridade particular. Terão pois as obras que ser feitas pouco a pouco, conforme o vão permitindo os recursos e à medida que eles vão chegando. Não podendo consequentemente ser feitas em hasta pública que assim se torna inteiramente impraticável constituindo por isso até um caso de força maior e de reconhecida conveniência pública que as obras a efectuar, utensílios, mobiliário e fazendas a adquirir o sejam sem dependência da hasta pública até que os recursos ordinários da Associação permitam pela sua importância orientação diversa. Em razão do que propôs, ela presidente, que assim se proceda, votada também com as restantes esta proposta, foi igualmente votado que desta parte de acta se tirasse uma cópia em duplicado para ser remetida ao Ex.mº Governador Civil do Distrito para conceder a necessária autorização. Comunicou ainda, ela presidente, que do Instituto de Seguros Sociais Obrigatórios de Providência Geral foi concedido a esta Associação um subsídio extraordinário de 5.000$00, quantia esta que já deu entrada nos cofres da Associação, propondo que nesta acta fosse consignado um voto de agradecimento ao Conselho Administrativo daquele Instituto e ao Ex.mº Governador Civil Tenente Coronel Gaudêncio Trindade que por tal concessão também se interessou. A presidente comunicou que ia organizar o orçamento ordinário com as receitas já colhidas e com as previstas resultante de subscrição dos sócios, e que oportunamente apresentaria, por ventura, em reunião extraordinária.
Não havendo mais nada a tratar foi encerrada a sessão para poder ser lavrada esta acta. Aberta a sessão depois de lida por mim em voz alta foi a mesma acta aprovada em unanimidade. E eu, Antónia M. P. de Lima que a escrevi e assino.»
Seguem-se as assinaturas de Olinda Heitor Esperança Sardinha, Palmyra Leite de Figueiredo Sampaio, Maria Rita Trindade Henriques, Maria do Céu Cordeiro Lourinho, Antónia Maria Pires de Lima.
Padre Anacleto Martins
_______
.
.
.
.
.
.

Free web page counter