\ A VOZ PORTALEGRENSE: Desabafos

quarta-feira, novembro 14, 2012

Desabafos

«E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim…»
Assim nos diz Florbela Espanca nestes versos do seu belíssimo poema “Ser Poeta”.
Amar, amar em Portugal é algo de que poetas e novelistas têm tratado nos seus escritos ao longo dos séculos, desde os tempos dos trovadores até aos dias de hoje.
Por muito que se queira, ou não, o amor é sempre vivido de forma própria por quem tem, ou teve, alguma vez o maravilhoso privilégio de o sentir e viver.
Na sua peça de teatro “A Ceia dos Cardeais”, Júlio Dantas coloca na boca do português cardeal Gonzaga a frase, «Em como é diferente o amor em Portugal!», e mais adiante noutro diálogo Gonzaga afirma, «Pode-se lá viver sem ter amado alguém!».
É Luís de Camões quem imortaliza os amores de Pedro e Inês. Aquele amor que a política, as razões de Estado, fez terminar em sangue e morte, tal como acontecera aos Amantes de Verona, que é tão forte como o de Soror Mariana Alcoforado, e que está presente nas cartas que escreveu ao seu amado.
Estão a celebra-se os 150 anos da publicação de “Amor de Perdição” de Camilo Castelo Branco.
O amor trágico entre Teresa de Albuquerque e Simão Botelho é acompanhado pelo amor não correspondido de Mariana por Simão. Todo o drama é fruto do amor que é, como diz Camões, «fogo que arde sem se ver».
Datado de 1862, “Amor de Perdição” faz parte da chamada segunda fase do romantismo, em que o amor pode levar até as últimas consequências, como a própria morte.
Adaptado ao teatro e ao cinema, “Amor de Perdição” continua atual, daí a justa celebração da efeméride.
in, Rádio Portalegre, Desabafos, 13/11/2012
Mário Casa Nova Martins

Free web page counter