\ A VOZ PORTALEGRENSE: Dezembro 2011

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Entrevista com J.R.R. Tolkien

_______
Enquanto se espera a primeira parte do filme «O Hobbib», para 14 de Dezembro de 2012, interessante esta entrevista ao seu Autor.
Mário Casa Nova Martins

sexta-feira, dezembro 23, 2011

Corto Maltes na Sibéria

quinta-feira, dezembro 22, 2011

O DVD de 'Corto Maltese na Sibéria'

O filme ‘Corte Maltese na Sibéria’, inspirado na obra homónima de Hugo Pratt, é do realizador Pascal Morelli, com argumento de Natalia Borodin e Thierry Thomas, música original composta, orquestrada e dirigida por Franco Piersanti, com a voz de Richard Berry no papel de Corto Maltese, e as vozes de Patrick Bouchtey, Marie Trintignant e Barbara Schulz.
Esta versão em DVD, da Lusomundo, merece estar junto do congénere em livro.
Mário Casa Nova Martins

quarta-feira, dezembro 21, 2011

Hugo Pratt e Jean Mabire

Na edição portuguesa de ‘Corto Maltese en Sibérie’, da editora entretanto desaparecida ‘Meribérica/Liber’, está um texto de Gianfranco de Turris intitulado ‘A lenda de Urgern Khan’.
Segundo ele, esta lenda começa com a obra de Ferdinand Antoni Ossendowsi, ‘Przez kraj zwierzat, ludzi i bagór’ (1922), que na tradução literal significa ‘Através do País dos Animais, dos Homens e dos Deuses’.
E, mais adiante, refere o livro de Jean Mabire, ‘Ungern le baron fou’ (1973), também como fonte para a caracterização de figura do General-Barão Roman FIedorovic von Ungern-Sternberg (p. 6).
Quanto à relação entre Pratt e Mabire, transcreve o segunda período do parágrafo do prefácio do revisto livro sobre Ungern, ‘Ungern, le Dieu de la Guerre’ (1987), que na sua totalidade diz:
- ‘Quant à Hugo Pratt, il a largement utilisé le personnage d’Ungern pour donner la réplique à son héros dans Corto Maltese en Sibérie. De là date mon admiration et mon amitié pour le Vénitien, un des grandes graphistes de notre époque.’ (pg. 14, ls 23 a 27).
Na página seguinte, a 15, a terminar a introdução, está uma prancha de Ungern.
Mário Casa Nova Martins

terça-feira, dezembro 20, 2011

Jean Mabire e Hugo Pratt

No seu trabalho, ('éléments', n.º 121, pgs. 56 a 58) Christopher Gérard começa por escrever que o primeiro livro que leu de Jean Mabire fora ‘Ungern, le baron fou’.
Sobre este livro irá mais tarde Jean Mabire escrever: ‘Il y en eut quelque 1.700 exemplaires vendus. Le reste soldé'.
De alguma forma, ele será rescrito pelo Autor. E quinze anos depois sairá com novo título, ‘Urgern, le Dieu da la Guerre’, editado pela ‘Balland’, em 1987, na Collection Action, dirigida por Jean Mabire.
Hugo Pratt inspira-se neste livro de Jean Mabire para criar a personagem de Urgern, na sua obra ‘Corto Maltese na Sibéria’.
Entre ambos, Mabire e Pratt, existirá sempre uma grande amizade, quiçá, cumplicidade.
Mário Casa Nova Martins

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Eleições na SCMP

No próximo dia 22 de Dezembro, quinta-feira, realiza-se a Assembleia-Geral, onde se discutirá a possibilidade de a actual Provedora se candidatar a mais um mandato.
No dia 30 de Dezembro, sexta-feira, terá lugar a eleição.
Sobre todo este processo, emitimos o nosso ponto de vista, a nossa opinião devidamente assinada, nos quatro posts, cujos links se indicam abaixo.
Mário Casa Nova Martins
.
Eleições na SCMP - I

Santa Casa da Misericórdia...
... ou a falta dela
.
Eleições na SCMP - II
Tudo como dantes?
.
Eleições na SCMP - III
Rumo à eternidade
.
Eleições na SCMP - IV
O futuro...
... com novas instações?
.

domingo, dezembro 18, 2011

Racismo

O racismo é condenável. Defendo.
Contudo, mais condenável é haver diferentes tipos de racismo.
O texto, cujo link está em baixo, demonstra que além do mais há o racismo ‘mau’ e o racismo ‘bom’.
Para ler e meditar!

La Aventura de la Historia

No último número do ano, Dezembro, a revista trás sempre um interessante dossier sobre os livros mais vendidos das temáticas História e Romance Histórico em Espanha.
Quanto ao resto, com o interesse habitual.
Mário Casa Nova Martins

sábado, dezembro 17, 2011

Carlos Garcia de Castro

*
*

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Subsídio de Férias e de Natal para deputados

Eles lá estão:
_ O Subsídio de Férias e de Natal de 2012 para os deputados.
Está tudo na página 4659.
Indignação?
Só se indigna quem desconhece como acabam os regimes. Está-se num fim de regime. O poder vai cair na rua, não haja dúvidas. Os Portugueses já não suportam esta classe política.
Hoje em Portugal não há ideologias. Não há divisões entre Direita e Esquerda.
Hoje em Portugal há os Portugueses e os políticos. E os Portugueses têm que responsabilizar criminalmente os políticos!
Mário Casa Nova Martins

quinta-feira, dezembro 15, 2011

Eleições na SCMP

Eleições na SCMP – IV
O futuro...
... com novas instalações?
O próximo mandato é sempre o ‘último’, o último do seguinte, a não ser que se percam as eleições. Mas quem está no poder é que as perde, e não é a oposição que as ganha. Nas próximas eleições na SCMP, que está fica, ganha, volta a ganhar ad aeternum.
Na citada entrevista da Provedora ao Fonte Nova está um parágrafo que resume todo o programa com que se volta a apresentar às eleições.
Nele começa por afirmar as suas convicções, e em seguida é dito que «a construção das novas instalações e a reconstrução do actual edifício impõe-se “como um sonho que quero muito concretizar”, “quero dar a dignidade merecida a esta secular instituição e a todos por ela são apoiados e nela trabalham, através de novas instalações, que, diga-se, são, a meu ver, o que lhe falta”».
É totalmente verdade que o grande problema da Santa casa da Misericórdia de Portalegre é as instalações. O factor humano, e disso já fizemos eco, é dedicado e competente. Mas é tempo de denunciar a insegurança das instalações.
Não compreendemos como a cozinha e a copa podem funcionar no local onde estão. Em caso de incêndio, por exemplo, as condições de segurança são as correctas? A sala de convívio, o refeitório está no local mais arejado e tem luz natural? O número de utentes por divisão, não lhe chamaremos quarto, é o correcto? E essa divisão, insistimos em não lhe chamar quarto, tem as condições mínimas exigíveis para que funcione para tal?
E está devoluto o Colégio Diocesano de Santo António e a maior parte do Seminário Diocesano, edifícios que, temporariamente até as obras se realizarem e concluírem, poderiam alojar os utentes da SCMP! Mas a demissão da igreja católica diocesana, proprietária dos imóveis e com responsabilidades nas Misericórdias, é completa. O habitual, diga-se sem rebuço.
É imperioso que a SCMP inicie o mais rapidamente possível a remodelação e a construção de novas instalações. A sociedade civil de Portalegre tem que congregar-se em torno deste desiderato, e por uma vez deixar de apenas ‘ficar a ver de longe’.
A Instituição SCMP é demasiado importante para Portalegre, pelo que merece que dela se fale, que se discuta, que se lute por ela.
Há que colocar um fim à politização da Instituição.
A actual Provedora tem que acreditar que há futuro na SCMP depois dela.
Será para sempre lembrada se conseguir levar por diante a promessa das novas instalações no próximo mandato.
Tal será claramente a sua ‘coroa de glória’.
E então terá dado por bem empregue tudo o que fez em vinte e um anos à frente desta notável Instituição.
Mário Casa Nova Martins
_______
Eleições na SCMP - I
Santa Casa da Misericórdia...
... ou a falta dela
.
Eleições na SCMP - II
.
Eleições na SCMP - III
Rumo à eternidade
.
Eleições na SCMP - IV
O futuro...
... com novas instações?
.

quarta-feira, dezembro 14, 2011

Eleições na SCMP

Eleições na SCMP – III
Rumo à eternidade
Pouco distingue hoje o que foi o denominado Hospital Civil e a actual Santa Casa da Misericórdia de Portalegre em termos de fachada, arquitectura. Tal pode funcionar como imagem de um certo imobilismo que, infelizmente, caracteriza esta importante Instituição de Portalegre e seu Concelho.
Mas se hoje, segundo a sua Provedora em entrevista ao semanário Fonte Nova de terça-feira dia 6 de Dezembro de 2011, página 3, a SCMP tem saldo líquido positivo em termos financeiros, tempos houve em que a sua situação era de total ruptura financeira. E os culpados daquela situação de desgoverno da Instituição ‘passeiam-se’ impunemente, sem que alguma vez tivessem sido incomodados, responsabilizados pelos gravíssimos actos de gestão, e não só, que praticaram nos respectivos mandatos. Diga-se, contudo, em abono (?), que era gente da política de então dos partidos locais.
Graças à actual Provedora, esses tempos e essas práticas foram erradicadas da SCMP. Mas é importante determo-nos na supracitada entrevista ao Fonte Nova.
Está há dezoito anos à frente da Instituição. Se lhe é devido o saneamento económico-financeiro, também se diga que em quase duas décadas não conseguiu resolver o principal problema daquela Casa da Misericórdia, as instalações. Vai fazê-lo, afirma. Mas agora? Ao fim de dezoito anos é que estão criadas as condições para a construção de novas instalações e a recuperação do edifício principal? Acreditemos que sim.
Mas se a promessa de ‘obras’ é o leitmotiv da candidatura, a entrevista é mais do que isso.
Fica-se a saber que os Estatutos da SCMP terão que ser alterados para que se candidate de novo. E aqui surge a primeira interrogação. Porquê uma nova candidatura?
Na equipa que lidera há gente nova que tem capacidade para dar continuidade ao que a actual Direcção tem em consecução. Para que servem os Estatutos? Não é para que sejam cumpridos? Diz a Provedora que «“ainda não é altura de sair”, apontando o próximo mandato como o último».
É clássico que quando alguém assume um lugar de chefia, de liderança, à medida que o tempo passa se sinta como que ‘única’, insubstituível. A seguir a ela será o caos, o dilúvio, o fim. E sabe-se que os cemitérios estão cheios de insubstituíveis!
À medida que os mandatos se sucedem, seja à frente de uma equipa de futebol, se as coisas estiverem a correr bem, à frente de uma Junta de Freguesia, até se ser derrotado em eleições, ou à frente de uma Instituição de forte cariz corporativista, o sentimento de imunidade face à crítica, face a movimentos oposicionistas, é total. Todo e qualquer acto crítico é visto como afronta e ataque pessoal. Não é permitido discordar, não é permitido apresentar alternativas, tudo é considerado pessoal.
Acreditamos ser totalmente verdade quando «afirma ter passado, nos últimos anos por “muitas maledicências, mesquinhices, invenções, ataques à minha pessoa, ao meu passado activo e honrado, às pessoas que eu amo”». A cobardia do anonimato é um mal de sempre, e publicamente assumimos toda a solidariedade face a estas fortes afirmações.
Acreditamos que a Assembleia Geral vai permitir nova candidatura, e consequente eleição para novo mandato. Por que vai voltar a ganhar. A outra lista, partidária, totalmente ligada a uma facção do PSD local, não apresenta argumentos sólidos para ser alternativa.
Mas, então serão vinte e um anos à frente da SCMP, uma eternidade, a eternidade!
E não havia necessidade.
Mário Casa Nova Martins
_______
Eleições na SCMP - I
Santa Casa da Misericórdia...
... ou a falta dela
.
Eleições na SCMP - II
Tudo como dantes?
.
Eleições na SCMP - III
Rumo à eternidade
.
Eleições na SCMP - IV
O futuro...
... com novas instações?
.

terça-feira, dezembro 13, 2011

A grande vassourada na FPF

in, PÚBLICO, domingo, 11 de Dezembro de 2011, pg. 42
.
Que grande vassourada na FPF!
Para quando o mesmo na AFP?
Tiveram lugar no passado sábado dia 10 de Dezembro de 2011 as eleições para a Federação Portuguesa de Futebol. Ganhou o favorito.
Mas mais importante que a vitória do favorito, foi o fim de uma nomenclatura que tanto mal fez ao futebol português, um ‘polvo’ no dizer do antigo seleccionador de futebol Carlos Queirós.
O anterior presidente esteve no lugar quinze longos, longuíssimos anos, durante os quais se deram os maiores escândalos da história do futebol em Portugal, com grande protagonismo do sector da arbitragem.
Gente com currículo está agora na FPF, quando antes o nível era assustador. Oxalá o futebol volte a ser uma modalidade credível em Portugal.
Todavia, que o exemplo de agora na FPF venha, no próximo acto eleitoral na Associação de Futebol de Portalegre, a ser copiado na AFP. Pressupondo que então ainda existam Clubes no distrito de Portalegre, ou que estes não estejam já a disputar campeonatos promovidos por outras Associações de Futebol mais credíveis e competentes.
Mário Casa Nova Martins

segunda-feira, dezembro 12, 2011

É fartar vilanagem!

É fartar vilanagem!
.
A notícia data de 7 de Dezembro de 2011, mas é intemporal!
«Administradores hospitalares ligados ao PS substituídos por gestores do PSD e CDS», assim reza o título. Em seguida vem o desenvolvimento da notícia. Mas será que é mesmo notícia?
É caso para se dizer que tudo está como dantes! Bem, está pior. Pelo menos os indicadores económicos assim o demonstram, e o alarme social é cada vez maior.
Não há decoro, o que interessa é mesmo arranjar um lugar de nomeação política. Depois, quando há mudança de Governo, e como o tempo de serviço estipulado no contrato celebrado ainda não terminou, há direito a indemnização. E assim se delapida o erário público!
Tempos atrás, e na altura disso fizemos eco, em Portalegre o PS ‘embirrou’ com o/a presidente de uma escola. Vai daí ‘corre’ com ele/ela, nomeia novo/a director/a, e o/a anterior recebe uma indemnização.
E tudo isto poderia passar-se estando o PSD a liderar o mesmo processo.
Claro que é dos impostos que os portugueses pagam que vem o dinheiro para satisfazer o ego desta gentalha, à qual nunca é pedida responsabilidades.
È tudo uma canalhice! É tudo gente canalha! É esta gente que constitui a actual classe política portuguesa. De fugir!
Mário Casa Nova Martins
_______
Texto completo em:
http://www.publico.pt/Sociedade/administradores-hospitalares-ligados-ao-ps-substituidos-por-gestores-do-psd-e-cds-1523975?all=1

domingo, dezembro 11, 2011

O melhor de Portalegre

De Portalegre

sábado, dezembro 10, 2011

O oportunista-mor Freitas do Amaral

Na primeira página do ‘Expresso’ do passado sábado dia 3 de Dezembro de 2011, na coluna da esquerda intitulada «24h», a terceira notícia diz:
Governo insiste em Freitas na Galp
O Governo não retirou o nome de Freitas do Amaral para chairman da GALP, pesar das reticências levantadas pela Amorim e pela ENI, principais accionistas da empresa. Fonte oficial confirmou ao Expresso que até à próxima assembleia geral nada está fechado.
_
Assim se compreendem os ataques deste antigo ministro dos negócios estrangeiros do Governo de José Sócrates, a José Sócrates!...
Diogo Freitas do Amaral é um dos maiores oportunistas políticos desta Terceira República!
E este Governo PSD/CDS pactua com este indivíduo!
Será que ‘é tudo farinha do mesmo saco’?
Assim parece.
Mário Casa Nova Martins

sexta-feira, dezembro 09, 2011

Ainda, e SEMPRE!, o 1.º de Dezembro

Pois é, não deixa de ser curioso que seja um Governo de Direita a querer acabar com o Feriado da Restauração.
Mas, é injusto apelidar este Governo de Direita… Uma ‘parte’ diz-se social-democrata e a outra diz-se democrata-cristã. Mas estas siglas há muito que ultrapassaram o prazo de validade.
Quem governa hoje Portugal é um grupo que privilegia os interesses e esquece os Valores, porque os não tem!
Mário Casa Nova Martins
 

quinta-feira, dezembro 08, 2011

8 de Dezembro

*
Letra - Diogo Pacheco de Amorim
Música - José Campos e Sousa
Canta - José Freire

quarta-feira, dezembro 07, 2011

José Carvalho - Padre Paul O’Sullivan

Na altura em que nos aproximamos do dia 8 de Dezembro, solenidade da Imaculada Conceição - Rainha e Padroeira de Portugal - mas também do Natal, informamos que temos exemplares de duas obras do maior interesse para todos:
1 - «Portugal reza com Maria. A maravilhosa História da devoção dos portugueses por Nossa Senhora»
Livro em que se dá a conhecer a relação de Fé e devoção do povo português a Maria Santíssima ao longo da nossa secular História + um historial das várias invocações marianas + compilação geral de orações de acção de graças, louvor e de súplica à Virgem Maria, para serem lidas, rezadas e, acima de tudo, meditadas por todos nós. A obra contém, ainda, diversas ilustrações.
2 - «O Segredo para ser Feliz»
Conhecedor profundo dos segredos da fé cristã, o Padre Paul O’Sullivan, autor do livro, preocupado com o rumo do mundo, escreveu este livro que ensina aos católicos o caminho da felicidade através da oração e de uma relação de maior proximidade com Deus.
Hoje, quando o País e o Mundo atravessam momentos delicados, desafios de complexa superação que, em última instância, podem levar a muitas dificuldades existenciais no seio das famílias e na mente de cada um de nós, este livro pretende ajudar a ultrapassar estas situações.
Aos que desejam adquirir estas obras, informamos que:
- o vol. 1 - «Portugal reza com Maria» - tem um PVP de 13,70 euros, mas vendemos, por esta via, por apenas 10 euros;
- o vol. 2 - «Segredo para ser Feliz» - tem um PVP de 11,90 euros, mas é vendido, por esta via, por apenas 8 euros;
- a quem desejar os dois volumes (1 + 2), o preço é de 17 euros. 
Em todos os casos, os portes de envio, pelos CTT, são sempre oferta. O objectivo não é «vender» os livros, mas permitir a divulgação mais fácil das obras e do seu conteúdo a todos os interessados.
Parece-nos, nestes tempos de dificuldade, uma boa sugestão para oferecer de presente de Natal.
Uma prenda oportuna e muito útil a não perder! 
Aguardamos o vosso contacto.
Desejamos, desde já, e se nos permitem, um Santo Natal e um próspero Ano Bom de 2012, com as maiores bênçãos do Menino-Deus e de Sua Mãe, Maria Santíssima.
N. B. – Os pedidos podem e devem ser feitos por esta via.

terça-feira, dezembro 06, 2011

Direitos e Deveres

Após ter descoberto que a sua reforma, como ex-juíza do Tribunal Constitucional (7255 euros), era superior ao salário que auferiria na Assembleia da República (5219 euros), Assunção Esteves optou pela primeira, mantendo todavia o direito às ajudas de custo, no valor de 2133 euros.
A 'segunda figura do Estado' dá continuadamente um forte/fraco exemplo de solidariedade, face à crise em que a classe política, à qual pertence, mergulhou Portugal.
É um facto que tem o direito de escolher qual a remuneração que quer. Todavia, neste tempo não seria um dever cívico ter optado pela que corresponde à função que desempenha, que até é a menor, mas que seria como que um sinal de homenagem ao cargo e ao mesmo tempo de solidariedade para com quem mais sofre e sente a crise?
Assim não aconteceu. É a classe política que merecemos? Por certo.
Mário Casa Nova Martins

segunda-feira, dezembro 05, 2011

A banca no poder, ou o poder da banca

Golpe de Estado: tomada inesperada do poder governamental pela força e sem a participação do povo. (Dicionário Houaiss)
A banca no poder, ou o poder da banca.
As substituições de Georges Papandreou por Lucas Papademos e de Berlusconi por Mario Monti foram na realidade dois golpes de estado de um novo género, sem tiros, sem sangue, orquestrados pelos mercados financeiros.
O método é simples: criar uma enorme pressão sobre as taxas de juros das dívidas dos países visados, o que desencadeia uma enorme instabilidade política e por fim, apresentar um tecnocrata para tomar conta dos destinos do país.
Estes golpes de estado não são perpetrados por um grupo político ou pelas forças armadas. As mudanças de chefias políticas são apresentadas como uma necessidade em consequência da engrenagem da desconfiança dos mercados sobre a capacidade de certos países em pagas as dívidas.
Ultrapassando as instâncias democráticas dos respectivos países, são então instalados no poder pessoas ligadas aos grandes grupos financeiros mundiais. Mario Monti está ligado ao Goldman Sachs, assim como Mario Draghi recentemente eleito presidente do Banco Central Europeu. Lucas Papademos foi governador do Banco da Grécia durante a falsificação da dívida grega pelo Golman Sachs. Todos são membros da Comissão Trilateral ou do clube de Bilderberg.  Actualmente, os lugares-chave do poder na Europa estão nas mãos do Goldman Sachs. Como chegaram a esses cargos? Com que meios e com que fim? Salvar os Estados Unidos à custa dos europeus?
Portugal?
Em Portugal, daqui por umas semanas ou meses, pode muito bem vir a acontecer o mesmo. Perante a fraca liderança de Passos Coelho e a fraca alternativa política de António José Seguro, e com o crescente agravamento da crise financeira portuguesa, pode vir a ser imposto a Portugal um homem de confiança da banca. Esse homem poderá ser António Borges. Tem todos os requisitos: para além de ter sido vice-governador do Banco de Portugal, é actualmente director do Departamento Europeu do Fundo Monetário Internacional e sobretudo foi vice-presidente do Conselho de Administração do Banco Goldman Sachs International em Londres, entre 2000 e 2008.
António Borges é membro do clube de Bilderberg, tendo participado nas reuniões de 1997 e de 2002. Também é membro da Comissão Trilateral.
Curiosamente, ou não, decorre neste momento, de 11 a 13 de novembro, a reunião anual da Trilateral para Zona Europeia, em Haia na Holanda.
_______
Reparem que o artigo é de 15 de Novembro.Já hoje, 16 de Novembro, foi laconicamente noticiada a demissão de António Borges, "por razões pessoais", do cargo que ocupava no FMI para as questões europeias. Foi de imediato substituído no cargo por uma iraniana, por certo não recrutada à pressa...
***
Se non è vero, è ben trovato!
Recebemos este texto por mail do nosso Amigo FR. Não trás ligação à origem. Porém, concordamos com ele e defendemos que deve ser editado n’A Voz.
O texto muito dá que pensar. E de imediato ocorre-nos a polémica à volta de um outro texto editado no jornal «Avante!», no qual o seu Autor, Jorge Messias transcreve um parágrafo do livro apócrifo «Os Protocolos dos Sábios do Sião» (Século XIX).
O texto de Jorge Messias é linear, isto é, não oferece dúvidas quanto às verdades nele contidas. Todavia, Jorge Messias foi ‘crucificado’ por transcrever aquele parágrafo de uma ‘obra maldita’, e ‘maldita’ porque, tal como acontece na «Monita Secreta» (século XVIII), a realidade, os factos suplantam a escrita.
O futuro próximo confirmará, ou não, o que o texto afirma. Certo é que o presente há muito que é passado. A ordem mundial criada após 1945, e como que reforçada em 1989 com a implosão da URSS, terminou.
Na Europa, o denominado Estado Social criado pela Democracia-Cristã e pela Social-Democracia acabou. Há que aceitar esta realidade, e construir um novo paradigma assente na globalização, esta um bem ou um mal segundo a capacidade da Europa e dos Europeus a lea reagirem e se adaptarem.
Mário Casa Nova Martins

domingo, dezembro 04, 2011

Dicionário técnico de termos alfarrabísticos

'Dicionário técnico de termos alfarrabísticos'
Paulo Gaspar Ferreira
_______
IN-LIBRIS - Lg José Moreira da Silva, 11-Sala A Tel: 22 5105038 in-libris@in-libris.pt

sábado, dezembro 03, 2011

Alma Realista

*

Panda Jogos Grátis

Panda Jogos Grátis
.

sexta-feira, dezembro 02, 2011

Feira do Livro - Porto

quinta-feira, dezembro 01, 2011

1.º de Dezembro de 1640 - em 2011

Indigitava-se para rei de Portugal, no caso da revolução triunfar, o duque de Bragança, de quem era procurador Pinto Ribeiro. No dia 1 de Dezembro de 1640, os conjurados correm ao paço, matam Miguel de Vasconcelos e, depois de prenderem a duquesa de Mântua, gritam ao povo, que se aglomerava na praça: «Liberdade! Viva o duque de Bragança, rei de Portugal!».
Ilustração: Carlos Alberto
Texto: António Feio
in, História de Portugal, APR
_______
Hoje celebra-se a Restauração. Hoje será, por certo, a última vez que o dia 1 de Dezembro é Feriado Nacional. Fraca gente, os Portugueses de hoje!
A Restauração é uma data cimeira na História de Portugal, e em 2011, mais do que nunca.
Hoje Portugal é um país ultraperiférico da Europa. O seu principal recurso natural é o Mar, o mesmo Mar que no passado fez de Portugal um País com História!
Pelo Mar fomos, no Mar deixámos sangue e suor, e Almas. No Mar encontrámos um Desígnio que nos fez Maiores entre os Maiores do Mundo conhecido e daquele que demos a conhecer.
Já fomos um Povo forte, uma Gente que não temia o Desconhecido, e que por ele se metia sem medos ou temores. Hoje nada somos! Tiraram-nos a Esperança, roubaram-nos o Futuro.
Simbolicamente escolhemos este cromo da nossa caderneta «História de Portugal». Num tempo em que a traição à Pátria é bem aceite pela classe política que temos, lembrar aos Portugueses a ignomínia, o fim do traidor Miguel de Vasconcelos é um acto patriótico.
Mário Casa Nova Martins

Free web page counter