\ A VOZ PORTALEGRENSE: A desilusão na I República

terça-feira, maio 31, 2011

A desilusão na I República

A desilusão na I República
.
Carlos I de Portugal nunca disse que Portugal era uma Monarquia sem monárquicos. Tal nunca passou de um cliché, utilizado para se afirmar que o povo estava farto do Regime e que o próprio rei disso tinha consciência.
Mas é verdade que no 5 de Outubro de 1910 poucos se colocaram ao lado do Regime Monárquico, esperando antes, no Rossio, que tudo se resolvesse sem grandes convulsões económicas e sociais. E assim a República foi implantada.
Mas aqueles que julgavam que tudo iria mudar, para melhor, cedo compreenderam que tudo continuava na mesma, só tinham mudado os chefes políticos, se bem que muitos dos ‘novos’ não passavam de ‘velhos’ que fervorosamente se banquetearam à mesa do rotativismo.
É de uma lucidez inquestionável o artigo de Maria Filomena Mónica, inserido na edição do semanário Expresso do passado sábado dia 28 de Maio de 2011, Primeiro Caderno, página 21.
Durante 2010 celebrou-se o centenário da implantação da República. Passados cem anos, as celebrações não passaram dos cenáculos políticos, e os principais eventos tiveram lugar e foram protagonizados pela maçonaria irregular. Alguma produção livresca alusiva saiu dos prelos, mas foi só este ano que começaram a aparecer trabalhos académicos sobre a Primeira República.
O texto do Expresso de Maria Filomena Mónica é, no fundo, um pequeno ensaio sobre a desilusão que foi o tempo que se4 seguiu a 5 de Outubro de 1910. A ler e a memorizar.
Mário Casa Nova Martins
_______
Os Selos da República
Por Maria Filomena Mónica
DETESTO FESTAS, galas e aniversários. No dia dos meus anos, trabalho como se nada fosse; não recordo o aniversário dos meus filhos; os meus netos parecem-me ter uma idade indefinida. Não admira que tenha reagido mal à ideia de celebrar o 5 de Outubro de 1910. Como se não bastasse ser forçada a assistir a mais uma comemoração, fui obrigada a ver e a ouvir dislates.
Vem isto a propósito de uns selos dos CTT que anteontem chegaram a minha casa, apostos num embrulho. Eis as palavras colocadas por debaixo dos bonecos que os ilustram. No primeiro, pode-se ler: «História das Liberdades. Em 1910 a notícia da implantação da República foi acolhida com manifestações de entusiasmo popular» e, no segundo, «História das Liberdades. Na República Portuguesa cada um é senhor de conduzir o seu destino, o que merece ser festejado». A fim de que não subsistam equívocos, esclareço, desde já, que não sou monárquica nem alimento sentimentos nostálgicos em relação ao Estado Novo. Apenas prezo a verdade histórica.
Vamos a ela. Durante a Monarquia, a República significou quatro coisas: «bacalhau a pataco», o derrube da «tirania», a expulsão da «reles canalha da batina» e o sufrágio universal. Era isso que a propaganda prometia. Depois, embora o rei tivesse desaparecido e os padres fossem humilhados, nem a alimentação ficou mais barata, nem os trabalhadores puderam votar em maior número, nem as liberdades aumentaram. Dois meses apenas após a queda do regime monárquico, quando ingenuamente os operários começaram a reivindicar uma vida melhor, a República promulgou uma lei restritiva das greves, que passou à História como o «decreto-burla».
A mudança tão pouco favoreceu a participação política. Uma vez no poder, os Republicanos perceberam que, se dessem o voto a todos os portugueses, seriam derrotados, uma vez que os camponeses jamais votariam neles. Daí a lei eleitoral de 1913, a qual, a pretexto de combater o «caciquismo», retirou o voto aos analfabetos, ou seja, à maioria da população. O número de recenseados desceu logo para metade: de 846.801 passou a 395. 038, a proporção mais baixa desde 1860. À medida que a República mostrava a sua verdadeira face, o eleitorado de Lisboa desinteressava-se do voto. A abstenção, que, em 1911, fora de 13%, subiu, em 1919, para 80%.
Há pior: a República começou a prender indivíduos sem os julgar. Em meados de 1912, existiam 2.382 presos políticos, muitos deles operários que haviam participado na greve geral de Janeiro desse ano. Não admira que os trabalhadores acabassem por aderir, em massa, ao anarco-sindicalismo, uma doutrina que proclamava o que eles sentiam: os políticos, todos os políticos, eram uns vermes. Em suma, a República não respeitou as liberdades.

Free web page counter