\ A VOZ PORTALEGRENSE: Mário Silva Freire

quinta-feira, setembro 23, 2010

Mário Silva Freire

CRÓNICAS DE EDUCAÇÃO – XV

Objectivo do milénio para a educação

A partir do passado dia 20, e durante três dias, mais de 140 chefes de Estado e de Governo participaram no debate da Assembleia Geral das Nações Unidas, sobre o Objectivo do milénio para o desenvolvimento. Este objectivo tem em vista, até 2015, em primeiro lugar, reduzir a metade a proporção da população que vive na fome e em pobreza extrema (com 1 dólar ou menos por dia) e, em segundo lugar, assegurar a educação primária para todos. Mais outras seis metas foram estabelecidas em 2000, por 189 países signatários, noutros sectores do desenvolvimento.
Tendo em consideração apenas o tema da educação, verifica-se que é na África subsaariana e na Ásia do Sul que se situam a grande maioria das crianças não escolarizadas. Uma nota de esperança é que o número de crianças em idade de escola primária continua a aumentar, mas o número de crianças não escolarizadas está a diminuir, passando de 106 milhões em 1999 a 69 milhões em 2008 (Relatório das Nações Unidas para 2010). Ora, perto de metade destas crianças (31 milhões) vivem na África subsaariana e mais de um quarto (18 milhões) na Ásia do Sul.
Para se alcançar o objectivo estabelecido para a educação, todas as crianças, tendo atingido a idade de serem escolarizadas, deveriam iniciar a sua escolaridade por volta de 2009. Acontece, contudo, que em metade dos países da África subsaariana em que foram disponibilizados dados, em 2008, um quarto das crianças em idade escolar ainda não tinha ido à escola.
Mas não pode haver educação se não houver professores. Acontece, porém, que o número de professores que seria necessário para se atingir o objectivo estabelecido para 2015 teria que ser o dobro daquele que actualmente existe. Apesar deste grande desafio que se coloca nesta região de África, a percentagem de escolarização nos últimos 10 anos subiu em cerca de 18%.
Não basta, contudo, proporcionar uma escolaridade básica às crianças. É preciso, também, que elas não abandonem a escola e o que se verifica é que elas, em cerca de 30%, a abandonam antes de chegarem ao último ano.
Perguntar-se-á: o que deveremos nós, como país desenvolvido, fazer para que o tal objectivo, de assegurar a educação primária às crianças em idade escolar, nestas regiões e, especialmente, nos países de língua oficial portuguesa, possa ser uma realidade?
Penso que há que prosseguir e, se possível incrementar, apesar da crise económica que estamos a viver, uma política de formação de educadores oriundos dessas regiões para que possam, nas suas terras, contribuir para um maior desenvolvimento dos seus países. Trata-se de uma questão de solidariedade e de justiça social a que estamos obrigados.
Mário Freire

Free web page counter