\ A VOZ PORTALEGRENSE: Crónica de Nenhures

sábado, setembro 25, 2010

Crónica de Nenhures

Perguntas inquinadas

É verdade que não há uma saída de emergência na Piscina Municipal dos Assentos?
Existindo um acidente, e estando bloqueada a única porta de entrada/saída para a piscina, como se faria a evacuação das pessoas que estejam dentro das instalações da piscina?
Quem é responsável pela segurança das instalações da Piscina Municipal dos Assentos?
Em caso de acidente, o responsável pela segurança na Piscina dos Assentos assumirá o ónus dos danos humanos e outros que venham a resultar de um acidente que naquela piscina aconteça?
Responda quem souber, ou quiser.

Quem é responsável pela inactividade do restaurante instalado na estrutura anexa ao núcleo principal do Castelo da Cidade de Portalegre, de cuja fotografia acima se edita?
O custo de construção do dito edifício/restaurante foi indiscutivelmente ‘faraónico’. Onde está o retorno desse custo/investimento?
Responda quem souber, ou quiser.

Portalegre é hoje uma cidade em que a gestão autárquica ‘navega à bolina’, isto é, a par de um desgoverno económico-financeiro, há uma falta de liderança, quer física quer de poder.
Politicamente, na CMP ninguém ‘manda’ em ninguém, a ninguém são pedidas responsabilidades. O desgoverno é total, o descalabro só não é eminente porque as Oposições, elas próprias, não têm alternativas credíveis.
Enquanto Oposição, o PCP não ‘existe’ na CMP, ao contrário do tempo em que Luís Madeira Pargana era vereador na Oposição. O CDS não quer ‘levantar ondas’, credo ingenuamente que assim nas próximas eleições autárquicas o PSD, pelo ‘bom comportamento’, lhe dá na lista à CMP um lugar de eleição certa/segura. O PS, com três vereadores, não querendo ser ‘o mau da fita’ ou que seja acusado de criticar por criticar, numa postura defensiva vai ‘jogando’ no quanto pior melhor.
E Portalegre defininha!

No passado dia 17 de Setembro os políticos portalegrenses do regime instalado na cidade e no concelho, celebraram o que pomposamente chamaram ‘Dia Robinson’.
Hoje pergunta-se, tal como ‘ontem’, o que é a Fundação Robinson, para que serve a Fundação Robinson, que mais-valia, até à data, para Portalegre representa a existência da Fundação Robinson.
Nos primórdios desta Fundação, que às gentes de Portalegre nada diz por que nada faz!, eram pela comunicação social conhecidas críticas, à Direita e à Esquerda, sobre a Fundação Robinson. Então, apenas o PSD lá tinha gente sua. Hoje também lá há gente do CDS, PS e PCP, desconhecendo nós se também do BE. Mas como na comunicação social apenas se ouve por parte dos políticos do tal sistema loas à Fundação Robinson, é lícito dizer/pensar que CDS, PSD, PS, PCP e BE dela usufruem mordomias. Quais? O tempo o dirá.

Parece que em Portalegre nada se passa. Mas passa-se muita coisa! Nem sempre é possível na altura prever o desfecho de determinadas coligações contra-natura que circunstancialmente se formam, sempre por força de interesses próprios/pessoais e não da Comunidade.
A CMP está tecnicamente falida. Os anos futuros estão economicamente hipotecados face a uma dívida monstruosa. As dotações do Orçamento do Estado para as Autarquias para o ano de 2011 vão ser reduzidas. Pode a CMP endividar-se junto da banca ainda mais? E se puder, a que preço? Qual o valor dos juros que terá que pagar para obter novos empréstimos? A bancarrota, se possível, é o cenário mais consistente para a CMP, já em 2011!
Enquanto isso, brinca-se à política nas estruturas dos partidos locais. Vai haver brevemente eleições para a concelhia do PSD. Face aos nomes dados como certos nos 'mentideros' da política indígena como lídere,s em duas listas concorrentes, ‘a coisa promete’. E de que maneira!

Já nada pode ‘valer’ a Portalegre?
Mário Casa Nova Martins
.
.

Free web page counter