\ A VOZ PORTALEGRENSE: António Martinó de Azevedo Coutinho

sexta-feira, março 19, 2010

António Martinó de Azevedo Coutinho

QUEREMOS ALEGRE O FUTEBOL... E O RESTO!

.
O texto que o Dr. Mário Freire aqui divulgou há dias deve merecer-nos a melhor atenção. Agora, depois de ultrapassada a “crise” indígena alusiva com lucidez e sentido construtivo, no respeito pela lógica elementar, pela inteligência básica e sobretudo pelos interesses comunitários mais autênticos, é preciso avançar.
Há cerca de uma semana, o jornal A Bola publicou nas suas páginas centrais uma reportagem da autoria de Miguel Cardoso Ferreira, intitulada Portalegre do futebol triste. E o conteúdo é de acordo com o que o título deixaria supor...
Transcrevo aqui o seu final: (...) “O estádio municipal, por sua vez, que esteve para ser transformado numa escola, ainda lá está e por lá ficará na sequência de um bloqueio político do projecto. Mas a relva está num estado lamentável, aguenta um treino e um jogo por semana e por lá passam, além das equipas dos dois clubes, também uma de râguebi. Dizem os dirigentes que as condições velhas afastam as pessoas. E que às vezes, porque até os bancos de suplentes estão ferrugentos e remendados com lonas, se sentem mal em receber adversários. O futebol em Portalegre, vivo ou morto, tem perdido alegria.”

Portanto, como Mário Freire também sugere, é preciso recuperar aqui o recuperável e com a urgência possível. Tal esforço impõe-se, até para que a capital de distrito (!?) não tenha de se envergonhar, ainda mais, no confronto com as cidades e vilas circunvizinhas. Depois, torna-se necessário decidir e actuar, com coerência, não só no estádio como no seu envolvimento desportivo já existente.
Por fim, e em perfeita sintonia com o meu prezado companheiro de blog, também considero como altamente desejável que toda a zona venha a tornar-se naquilo de que os portalegrenses não têm podido usufruir e merecem: um espaço de lazer e de contacto com a Natureza, quer assumindo uma adequada prática desportiva, quer procurando apenas o pretexto de um seguro descanso ao ar livre.
As recentes intervenções em dois jardins públicos da cidade revelaram-se, a este nível, inequivocamente fracassadas. Não atraem ninguém, talvez tenham mesmo contribuído para afastar alguns raros antigos frequentadores.
Portanto, vou aqui um pouco mais longe, acrescentando a hipótese de uma outra dimensão, ainda mais organizada e polivalente, para o espaço envolvente da actual zona desportiva citadina.
Para além do estádio, integrando a piscina, o pavilhão desportivo, o polivalente, o court de ténis e o campo de treinos, e não esquecendo a vizinhança da nova estrutura do terminal rodoviário assim como a de uma renovada Escola Cristóvão Falcão, por que não completar o conjunto com um parque de merendas? Naturalmente, não se pensa apenas nos visitantes (uma vez mais, em causa, estaria a adequada oferta de um espaço organizado e vocacionado para os acolher com qualidade), mas também nos residentes, que igualmente merecem ser “turistas” na sua própria terra.
Creio que, com o contributo da criatividade e da inventiva locais -penso nos jovens arquitectos, urbanistas, designers e paisagistas portalegrenses- e com a progressiva aquisição dos terrenos envolventes, seria possível planear e ir executando, por fases e desejavelmente utilizando recursos técnicos próprios, uma obra de presente e de futuro, de que sempre carecemos.
Não podemos aceitar passivamente a divulgação pública de mais conceitos, talvez justos mas pouco estimulantes, como os do tal “desaparecimento” de Portalegre ou das coisas “tristes” que por aqui se vivem (ou morrem), sejam estas o futebol, a política ou a indústria... como recentes exemplos.
Infelizmente, continuamos a não poder contar com uma opinião pública, colectivamente representativa, com voz própria e interveniente, capaz de se constituir como um parceiro/interlocutor válido na tomada de decisões que regem o progresso (ou o retrocesso!?) da comunidade portalegrense. Não estamos habituados a isso.
Porém, impressiona-me o volume quantitativo das silenciosas e anónimas visitas a este blog, frequentemente largas centenas por dia. Por que não transformar esta força potencial -pelo comentário, pela sugestão e/ou pela crítica- num forte e esclarecido movimento colectivo de assumidas identidades que dessem pública conta do real interesse que, apesar de tudo, ainda mantemos pela nossa terra?
António Martinó de Azevedo Coutinho

Free web page counter