\ A VOZ PORTALEGRENSE: Crónica de Nenhures

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

Crónica de Nenhures

Orlando Zapata Tamayo
.
O preso político cubano Orlando Zapata Tamayo morreu pelas três horas da tarde da terça-feira dia 23 de Fevereiro passado, após 85 dias de greve de fome.
Orlando Zapata Tamayo foi preso em 2003 e condenado a três anos de prisão por desacato e desobediência. O desafio às autoridades foi-lhe aumentando a pena. Morreu depois de 85 dias em greve de fome!
Pedreiro de profissão, Orlando Zapata Tomayo, de 42 anos, fazia parte do grupo de 53 dissidentes detidos na chamada Primavera Negra de 2003, quando a polícia prendeu um total de 75 pessoas. Tal como os outros, foi acusado de desacato, desordem pública e desobediência, delitos pelos quais foi condenado a três anos de prisão. A pena acabaria, todavia, por aumentar para 36 anos com novas acusações que o Regime castrista foi somando enquanto esteve preso.
A Comissão dos Direitos Humanos de Cuba afirma que cinquenta dissidentes foram detidos após a morte de Tamayo para evitar que assistissem ao funeral.

As ‘boas consciências’ podem continuar a dormir descansadas. Orlando Zapata Tamayo era um “elemento anti-social”. A sociedade socialista cubana está livre de um “marginal”, quiçá a soldo dos EUA.
Esta notícia é simultaneamente uma não-notícia. A morte de um dissidente cubano é sempre um facto político indesejável para o politicamente correcto que controla a comunicação social mundial, incluindo a portuguesa, onde as excepções são diminutas. Mesmo a auto-proclamada Direita ‘bem-pensante’ ignora estes acontecimentos, temerosa de ser apelidada de anti-comunista, ou ‘pior’ ainda de fascista, se não mesmo de nazi. É o que por cá se tem, e a mais não se é ‘obrigado’.
Cuba é um Estado concentracionário de tipo monárquico, semelhante à Coreia do Norte. Neste país totalitário ao pai sucedeu o filho, enquanto em Cuba ao ditador sucedeu-lhe o irmão. Mas em Portugal a Coreia do Norte, e principalmente Cuba são ‘países amigos’.
O Partido Comunista Português e a sua ‘correia de transmissão’ no sector do Trabalho, a CGTP – Intersindical Nacional, vêm nestes dois países comunistas o modelo de Direitos, Liberdades e Garantias que deviam ser implementadas em Portugal. Felizmente que à Esquerda estão isolados, mas não deixa de ser alarmante, preocupante que hoje em dia haja forças políticas e sociais em Portugal que defendem modelos totalitários.

Cuba é hoje em dia um ‘paraíso’ para turistas. Com empreendimentos de luxo em locais privilegiados, mas de acesso interdito ao povo cubano, é um bordel pior que no tempo de Fulgencio Batista.
Fidel Castro e seu irmão Raul Castro transformaram para pior Cuba. Os indicadores económicos de hoje são muito inferiores aos do tempo de Fulgencio Batista. E mesmo o tão apregoado sistema de saúde cubano, ‘bandeira” do Regime tal como o sistema de educação, não passa tal como o turismo de uma fraude para os cubanos, a que apenas a elite política a eles tem acesso e deles usufrui, tal como os estrangeiros.
Quando um qualquer turista visita Cuba, está a contribuir para a perpetuação de uma Tirania. E quando esse mesmo turista vem para o seu país ‘louvar’ as paradisíacas praias de Cuba, está a ser conivente com aqueles que são os responsáveis pela miséria em que vive o Povo cubano.
A ‘desculpa’ que os ditadores Fidel e Raul Castro apresentam para tudo o que de mal sucede em Cuba, os EUA e o embargo que estes decretaram a Cuba, não passa de um álibi para justificar a feroz ditadura que impuseram ao Povo cubano, e da qual a última vítima é Orlando Zapata Tamayo.

Toadavia, a morte de Orlando Zapata Tamayo muito em breve será esquecida. É que ele estava do ‘lado errado da História’!
Mário Casa Nova Martins

Free web page counter