\ A VOZ PORTALEGRENSE: Crónica de Nenhures

sábado, setembro 26, 2009

Crónica de Nenhures

(Clicando sobre a foto, o seu tamanho aumenta e permite a leitura do texto)
.
Um ‘negócio da China’
.
Na última reunião da Assembleia Municipal, o deputado municipal Albano Silva questionou o presidente da Câmara Municipal de Portalegre sobre uma verba de 24 mil euros entregue a uma empresa de Portalegre, que diz na sua escritura notarial prestar serviços na ‘área de consultadoria de imagem, produção de imagem e derivados’.
Em primeiro lugar, o deputado socialista dirigiu-se a quem de direito, uma vez que no contrato inicial com o actual sócio maioritário da dita empresa está expresso na alínea ‘Segunda’ que «as actividades a desenvolver pelo Segundo Outorgante (o dito actual sócio maioritário) são prestadas sem subordinação hierárquica nem sujeição a horário de trabalho, devendo, no entanto, observar as instruções de carácter geral que se sejam transmitidas pelo Primeiro Outorgante (o presidente da CMP)».
Quanto ao trabalho concreto do Segundo Outorgante, cujo empresa, não é de mais recordar, presta serviços na ‘área de consultadoria de imagem, produção de imagem e derivados’, é, segundo o que transcreve o semanário Alto Alentejo, e elas são palavras do presidente da CMP, o Segundo Outorgante «é uma pessoa que nos vai informando de todas as coisas que vão surgindo. Um buraquinho aqui, um buraquinho acolá e, portanto, tem sido sempre uma grande colaboração nesse sentido». Antes, o presidente da CMP tinha afirmado que «o serviço prestado é todo aquele que ele tem feito desde que estamos aqui na Câmara, ou seja, o acompanhamento que nós lhe pedimos para fazer em termos de todas as situações que acontecem na cidade».

Esta situação contratual começou em 17 de Junho de 2002. Passados mais de sete anos, e antes do mais, temos que saudar a disponibilidade financeira da Câmara Municipal de Portalegre para que este trabalho tenha podido ser levado a cabo. A transcendência de tal trabalho merece os maiores encómios dos portalegrenses!
E, durante estes sete anos e tal, quanto milhar de milhares de euros a CMP despendeu para tão nobre tarefa. Os portalegrenses devem estar gratos ao presidente da CMP pela ideia peregrina de tal contratação!

Outrora, Portalegre era conhecida por Cidade Branca. Hoje, depois de um trabalho ‘hercúleo’ de mais de sete anos, vemos as ruas sujas, as casas degradadas, as ruas esburacadas, o centro histórico sem gente, o comércio tradicional moribundo, fábricas emblemáticas como a Fino’s e a Robinson fechadas (para não falar naquelas que fecharam na zona industrial), o desemprego no concelho a atingir níveis históricos, a CMP endividada fazendo empréstimos bancários para pagar juros de anteriores empréstimos e para pagar salários a funcionários.
Mas os portalegrenses têm que estar solidários com o presidente da CMP, que no espaço de cinco dias, entre 7 e 12 de Janeiro de 2009 pagou em nome da CMP 24 mil euros à dita empresa que fornece à CMP serviços na ‘área de consultadoria de imagem, produção de imagem e derivados’!

Mas seria injusto não dar os parabéns à novel empresa com sede em Portalegre
CONHECER & COMUNICAR SERVIÇOS, LDA. O trabalho que a CMP lhe adjudica enobrece-a, tal como enobrece o presidente da CMP que sobre ela tem ligação directa. Portalegre sente-se mais rica com tão insane tarefa que a empresa leva a cabo. Decididamente, é caso para dizer que Portalegre não merece mais.

Por fim, uma palavra de estima pessoal para com o dr. Albano Silva.
Conhecemo-nos há anos. Quando nos encontramos temos sempre alguns minutos para falar de ‘coisas’ de que gostamos, como por exemplo o SL Benfica e a Cidade em que vivemos. Se do primeiro, hoje estamos com esperança num futuro ‘melhor’, o sermos campeões nacionais, da segunda, lamentamos ver Portalegre continuadamente a definhar!
Mário Casa Nova Martins
.
(Clicando sobre a foto, o seu tamanho aumenta e permite a leitura do texto)

Free web page counter