\ A VOZ PORTALEGRENSE: Livro

segunda-feira, junho 16, 2008

Livro

João Carlos Espada está para a Esquerda, como José Miguel Júdice está para a Direita. Ambos vieram dos espectros das extremas, e evoluíram para um centro político. Depois voltaram a movimentar-se ideologicamente, o primeiro para a direita chegando a Conselheiro de Estado a convite de Aníbal Cavaco Silva, e o outro mais para esquerda para compagnon de route do Partido Socialista.
Curiosamente, o passado Fascista de Júdice parece “pesar” menos no próprio, do que o passado Estalinista - Maoísta - Trotskista em Espada.
Júdice é um pragmático, na essência nunca deixou de ser um Homem de Direita, e faz da Política não uma Arte, mas uma maneira de rentabilizar os negócios em que está envolvido. E exemplos como o de Júdice pululam à Direita e à Esquerda em Portugal e não só, diga-se.
Diferente é Espada, que se define como um ideólogo. Como tal, tem ao longo do tempo “escolhido” Mestres, de quem se torna depois divulgador do seu Pensamento, uma vez que até à data não conseguiu produzir nada de relevante no Pensamento Político Português. Se há muito mandou às malvas Lenine, Trotsky, Estaline e Mao, depois deitou às urtigas Karl Popper.
João Carlos Espada é hoje o maior divulgador de Winston Churchill em Portugal. Sem dúvida que a sua “atracção” por genocídas é gritante!...
Por esse mundo fora, a figura de Churchill tem sido alvo de uma aprofundada análise quanto às consequências das suas decisões políticas. E estas começam ainda antes da Primeira Guerra Mundial. O “herói” da Segunda Guerra Mundial é tão responsável pelos Crimes de Guerra que nela foram praticados pelos derrotados Hitler e Mussolini, assim como pelos vencedores Estaline, ele próprio, Roosevelt e Truman. Mas “isto” não “aceita” Espada.
Os livros que comenta, e que são um libelo acusatório à estratégia de Churchill, desagradam-lhe. Daí, em defesa do seu actual “ídolo”, as “comparações in-comparáveis” que faz.
MM

Free web page counter