\ A VOZ PORTALEGRENSE: Desabafos

sexta-feira, abril 04, 2008

Desabafos

Enquanto a igreja católica em Portugal anda a fazer render os seus talentos, como se pode depreender da recente reportagem da revista “Sábado”, páginas 48 a 56 do número 203, intitulada “Os Negócios Milionários da Igreja em Portugal”, com proveitos de fazer inveja às melhores empresas nacionais, a diocese de Portalegre e Castelo Branco continua sem bispo.
Ainda esta semana se reuniu em Fátima a Conferência Episcopal Portuguesa, CEP, e nessa reunião magna onde foi reeleito presidente o arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, uma cadeira esteve vazia. Todavia, parece que ninguém deu pela ausência do bispo de Portalegre e Castelo Branco.
Começa a ser caricato que uma diocese com uma extensão territorial que entra por três distritos, Castelo Branco, Portalegre e Santarém, inserida em regiões de diferentes vivências e práticas religiosas, com um crescendo do abandono das igrejas pela comunidade dos fiéis, ainda não tenha bispo. O anterior, há que lembrar, movido pela vaidade humana trocou este bispado pelo arcebispado de Évora. A sua passagem por esta diocese caracterizou-se pela maior discrição em todos os sentidos, contribuindo para descredibilizar a instituição Igreja Católica, porque desde o início se sabia que a sua grande ambição não era trabalhar em prol da diocese, mas sim ir para Évora como arcebispo.
Mas, já que esta situação se prolonga há tempo de mais, porque não aproveitar para uma reorganização da diocese? Permitiria por um lado que Castelo Branco recrie a sua diocese e tenha o seu bispo residente, e por outro que o Alentejo tenha um bispo que coordene toda esta província, em vez de três, Beja, Évora e Portalegre, que em nada contribuem para a melhoria da situação quer do clero quer dos fiéis, e já que há uma sintonia em termos de religiosidade em todo este espaço geográfico.
in, Rádio Portalegre, Desabafos, 04/04/2008
Mário Casa Nova Martins

Free web page counter