\ A VOZ PORTALEGRENSE: Maio 2007

quinta-feira, maio 31, 2007

Saudade

Saudade, ó triste sentir,
Vai-te embora por favor,
Deixa sonhar à vontade
Tempos daquele Amor!
m

Eleições em Lisboa

À dúzia é mais barato, diz o Povo com a sua sabedoria ancestral. Todavia, a existência de doze candidatos à Câmara Municipal de Lisboa, nas eleições intercalares de 15 de Julho próximo, “é obra”! E a “obra” não sairá “barata”…
Candidatos, por ordem alfabética, do BE, CDS-PP, PCP, PCTP-MRPP, PPM, PND, PNR, PPD-PSD, PS, PT, e ainda Carmona Rodrigues e Helena Roseta, disputam o lugar de Presidente da Autarquia mais importante do país, envolta, como no fundo a larguíssima maioria do Poder Local, em escândalos de toda a ordem.
As sondagens dão, como em postal anterior tínhamos “profetizado” a maioria relativa ao PS.
Por sua vez, a comunicação social politicamente correcta tem o “seu” candidato, que é Helena Roseta.
E a Direita rever-se-á em quem?
Damo-nos por felizes, por não sermos eleitores lisboetas…
MM

Ibéria

Península Ibérica.
.
Amigo Mario: creo que los separatismos vasco y catalán se basan en un "nacionalismo etnicista" (p. ej. el del racista antiespañol Sabino Arana) que les lleva a pensar que son más altos, más fuerte y más rubios - más "franceses"- que los "mouros" ibéricos (en ese saco meten a andaluces, castellanos, gallegos y portugueses), y más inteligentes que los "vagos" de las castañuela y la pandereta…
Por otro lado, todos los separatismos antiespañoles son marxistas y simpatizan con los "aventales"…
Un saludo.
_______
O postal de ontem sobre a Galiza motivou um mail de um Ilustre Amigo. A análise que contém, e vinda de quem veio, é da maior qualidade intelectual, pelo que tem todo o cabimento reproduzi-lo, com a devida vénia e agradecimento.
Para nós foi uma novidade a perspectiva étnica do Separatismo, conceito diferente do Nacionalismo.
A Espanha caminha para um novo modelo Administrativo, e todas alterações das Autonomias têm também consequências políticas, económicas e sociais para Portugal.
Há, pois, que tentar perceber todos os movimentos que acontecem em Espanha, para os interpretar correctamente, sempre na defesa da Independência e Soberania de Portugal.
MM

Pergunta

Também será Carnaval, “sempre que o Homem quiser”?
mj

Greve Geral

.
Vasco Lourinho
.
EL miércoles por la mañana, cuando me di cuenta, estaba cantando bajo la ducha. Sin notarlo, permiti por un momento que pesaran sobre mi los cuarenta y tantos años de vivencia en España y me vino a la memoria aquella cancioncilla, pegadiza, y que hoy, tantos años después, aun suena en mi memoria…
- Hacia falta ya / una huelga, una huelga … Hacia falta ya / una huelga general…
Hace casi veinte años – el tiempo vuela - esta cancioncilla le amargó el desayuno a Felipe González. Lo recuerdo perfectamente. Madrid era una ciudad vacia y paralizada. Sin tele. Sin transportes. Los corresponsales extranjeros en la calle buscando imágenes de huelga. Los autobuses, parados, las cafeterías, cerradas, un ambiente frío que confirmaba que la huelga había sido seria y dura.
Lo recuerdo perfectamente como si fuera hoy y no hubieran pasado casi veinte años sobre la primera huelga general en la España democrática. A las doce en punto de la noche, los arrogantes y prepotentes pivotes de la tele pública se disponían a decir al pueblo espectador que TVE no participaba en la huelga general. En ese preciso momento, a las doce en punto de la noche, todo se vino abajo. La pantalla fué a negro. Y todo porque la poderosa máquina represiva del gobierno socialista de Felipe González, represiva, autoritaria, policial y fascista, se habia olvidado de los chicos de la Bola del Mundo, el gran repetidor de TVE en la Sierra del Guadarrama. Y a las doce en punto de la noche, un pequeño interruptor manejado con decisión por un anónimo técnico de TVE, olvidado del mundo, en la Bola del Mundo, dejaba en negro las pantallas de toda España, mandando al garete las esperanzas de González.. Era una auténtica huelga, una huelga general.
Insisto, nunca en mi vida periodística había asistido a nada igual. Por eso, cuando vi que en la televisión pública portuguesa seguía todo igual, igual en las privadas, igual en las radios, pensé que en efecto estaba en otro país. Conecté la tele… Todo como siempre… Noticias sobre la huelga… Que sí… que los transportes funcionaban a medio gas por imposición del gobierno y sus famosos decretos de servicios mínimos, que la recogida de basura – decían - no funcionaba, que las escuelas estaban cerradas por precaución, que los servicios públicos estaban cerrados y que las comunicaciones fluviales entre las dos orillas del Tajo también estaban funcionando con algunas límitaciones..
Como hace veinte años, en la prehistoria de González, me fui a la calle… Llovía mucho – llueve mucho en el norte de Portugal, tan cerca de Galicia. Cogí el coche. Sali de casa., igual de tráfico que todos los dias. Llevé a mi hija al colegio. Hace mil años mi hijo se quedó en casa pues su cole estaba cerrado. Pero aquí el colegio funcionaba y como todos los días, mil mamás dejaban el coche mal aparcado en medio de la calle para acompañar a sus niños hacia el interior del establecimiento de enseñanza. Todo como siempre, como todas las mañanas. Regresé y pasé por el quiosco de periodicos. Dos minutos de charla con el quiosquero. Todo normal. Como todos los días y, por supuesto, había periódicos editados de madrugada. Por encima de mi cabeza pasó un avión comercial preparándose para aterrizar en el aeropuerto de Oporto. Todo en orden. Me fui a desayunar. Abierta la cafeteria... Buenos dias, señor Lourinho (En Portugal, al fin, después de cuarenta años de Cardoso, recuperé mi apellido paterno) … ¿Qué tal ? Todo bien … ¿Lo de siempre ? Lo de siempre…
Después, un breve paseo por el centro… Los autobuses funcionaban, diría que con menos gente de lo habitual. Los camiones de la basura seguían su rutina matinal al igual que lo habían hecho sus colegas de la madrugada. El metro de Oporto, tan bonito, tan bonito que circula por la superficie para que todos lo vean, allí estaba como todos los días.
Por las calles , la misma gente de siempre… corriendo... Los portugueses pasan la vida corriendo aunque sistematicamente lleguen tarde a todas las citas. Media hora como mínimo, es lo habitual. Pero nada de crispación. Nada de miedo aunque el gobierno socialista de Sócrates haya intentado fichar – hacer una ficha informatica policial – a todos los huelguistas,. Medida que sus propios servicios jurídicos señalaron como ilegal, antidemocrática, anticonstitucional, policial y, como no, fascista.
El propio presidente de la República, Cavaco Silva, prudente como siempre, señaló en una declaraciones, que la huelga es un derecho constitucional. Y como tal nadie puede atentar contra ese derecho.
Pero no era necesaria esta advertencia.. La huelga general convocada por la central sindical comunista había fracasado. Primero, por no haber tenido el apoyo de sus colegas socialistas de UGT. Después, por no haber conseguido llegar al corazón de los trabajadores. Los dirigentes sindicales y la publicidad en la calle se limitaban a decir que la política de Sócrates debía cambiar. Hasta cierto punto, sólo apoyaban a los funcionários públicos que en Portugal no tienen precisamente buena imagen. Y, después, olvidaron que para hacer una huelga general no basta con bloquear los transportes públicos e impedir así el movimiento de los trabajadores que no quieren ejercer su legítimo derecho a la huelga. No es suficiente quitarles su medio de transporte público. Ni siquiera mandaron los antidemocráticos piquetes. Los obreros tienen coche. Para cruzar el Tajo hay cuatro puentes. Pero los sindicatos no tuvieron palabras para la gente del campo y Portugal sigue siendo un país de corazón agrícola. Los estudiantes se parecen cada vez más a sus colegas americanos, más interesados en los estudios que en la política, aunque ellos sean la parte más castigada por el fracaso económico y social del gobierno socialista donde el paro alcanzó los niveles más elevados de los últimos treinta años.
Por todo ello, la huelga general fracasó. Por todo ello y porque por las calles, en las emisoras de radio, en los móviles, nadie cantaba eso de que “hacia falta ya / una huelga, una huelga… hacia falta ya / una huelga general “ … mesmo que fuese com música de fado português….

Maçonaria no Distrito de Portalegre

António Ventura
.
Excertos da apresentação do livro
A Maçonaria no Distrito de Portalegre
.
(…) A partir de 1990, a investigação universitária começou a investir neste objecto de estudo (a Maçonaria), mesclando-se aqui interesses comuns às instituições maçónicas e aos investigadores: as instituições maçónicas compreendem que a divergência entre as realidades da Maçonaria e a sua imagem pública é um handicap a considerar na sua vontade de alargar a base de recrutamento e de responder aos ataques de que foram e são alvo; os investigadores vêem neste grupo de partilha específico um vasto território de pesquisa, na verdade um case study, que ainda necessita de ser decifrado, já que os documentos disponíveis estão parcialmente por explorar ou não estão contextualizados. Esse esforço de exploração e de contextualização dos elementos documentais é realizado com inequívoca proficiência científica pelo Professor Doutor António Ventura em A Maçonaria no Distrito de Portalegre. (…)

E entramos agora mais concretamente no trabalho de António Ventura: de facto, A Maçonaria no Distrito de Portalegre inscreve-se nesta nova perspectiva, utilizando com total disponibilidade as competências do historiador contemporâneo. E deve dizer-se que as de António Ventura são muitas e sólidas.
Em primeiro lugar é importante assinalar que estes trabalhos de investigação de regiões delimitadas geograficamente são tão importantes para se construir a verdadeira História da Maçonaria, instituição criada no Século XVIII na Inglaterra por um conjunto de gentlemen que partilhavam interesses e objectivos comuns, como os de índole mais abrangente. Penso mesmo que estas obras são indispensáveis, que sem elas é praticamente impossível chegar àquilo que poderíamos apelidar de grande História.
Passo a passo, degrau a degrau, se organiza o discurso histórico. Afinal, qual é modo que a Maçonaria tem de estar na História, de a influenciar e de ser influenciada por ela? É justamente através do labor dos seus obreiros, desde os Aprendizes aos Mestres, das Oficinas de que são membros e das Obediências que as congregam. Saber nos difíceis tempos que correm como se manifestava esse labor, esse élan transformador, que levou, no distrito de Portalegre e noutras regiões, ao aparecimento de Triângulos e Lojas parece-me ser de suma importância.
A certo passo do seu estudo, lamenta-se António Ventura de que ele tem lacunas. Essas lacunas não são da responsabilidade do autor, que se empenhou com todas as armas ao seu dispor a investigar tudo o que havia para investigar, mas devidas à confusão e mesmo à ausência de informação cabal sobre homens e factos.
Impõe-se dizer que, para acreditar neste lamento, que é sincero, temos nos apoiar mais na afirmação de António Ventura, fruto da sua honestidade intelectual, do que no discurso que lemos, já que este está organizado de uma forma plenamente conseguida, assegurando sempre uma extraordinária fluidez de leitura, quando não até prazer ao atingir muitas vezes uma rara elegância estilística. Vê-se que o historiador, embora sem esconder as suas convicções, a sua paixão, soube, como lhe competia, respeitar plenamente os critérios de exigência científica e literária que hoje em dia um trabalho deste tipo exige.
Outro aspecto sobressai: é inegável a riqueza, a extraordinária profusão, de informações fundamentais que A Maçonaria no Distrito de Portalegre providencia. Isso permite ao leitor apreender um quadro excepcionalmente vasto e rigoroso das actividades maçónicas e dos homens que as praticaram na zona que corresponde hoje ao Distrito de Portalegre. Bastaria passar os olhos pelos títulos dos capítulos e das suas subdivisões para nos apercebermos desse traço, tão evidente ele é.
Efectivamente não conheço, e não creio que isso se deva a ligeireza da minha parte, outro trabalho tão definitivo no campo de investigação escolhido pelo autor. Desde obreiros a oficinas, nada fica por esmiuçar e por enquadrar no panorama mais geral da vida social e política portuguesa, com a particularidade de que, sendo o período estudado aquele que medeia entre 1903 e 1935, há referências muito importantes a factos e pessoas ligados à Maçonaria nos Séculos XVIII e XIX nesta região.
Diga-se, a propósito, que a Introdução, naturalmente sintética, como é conveniente que seja, se mostra particularmente esclarecedora quanto ao aparecimento da Maçonaria em Portugal e às vicissitudes que se viu obrigada a sofrer, quer devido a dissenções entre os seus membros provocadas por questiúnculas políticas quer devido às perseguições e ultrajes a que esteve sujeita.
As biografias, à volta de 300, tão completas quanto o permitem os materiais de consulta disponíveis, dão-nos a ideia da origem social dos maçons, permitindo chegar a conclusões muito importantes para perceber um aspecto essencial da Ordem: a estruturação do seu espaço social. Escreve António Ventura, a propósito da composição social das Lojas que trabalharam no Distrito de Portalegre no Século XX: “É evidente o peso determinante de uma pequena e média burguesia, com comerciantes, militares, proprietários, professores, médicos e funcionários públicos. Os trabalhadores manuais estão praticamente ausentes”.
Eis uma característica que é indispensável assinalar: daqui se retira a ilação, tantas vezes esquecida, de que a Ordem esteve sempre ligada àqueles sectores da sociedade que são mais vitais para a prossecução dos ideais de progresso e de democracia. (… )
Por outro lado, ressalta da leitura desses dados biográficos a actividade benemérita que é apanágio da vida de muitos maçons, assim se compreendendo até que ponto, para eles, a intervenção social correctora de desigualdades é fundamental no seu modo de estar no mundo.
São inúmeros os Maçons que têm responsabilidades em associações culturais e cívicas ou que se dedicam a actos de pura beneficência em prol dos mais desfavorecidos. É ainda notável, pela cópia de informações recolhidas, o modo como António Ventura segue o nascimento, a vida e a morte dos Triângulos e das Lojas do Distrito, bem como a definição de expressões e conceitos de que se serve ao longo do livro.
Esta obra, que na sua estrutura apresenta uma clara vocação enciclopédica, fica portanto com um marco singular nos estudos maçónicos, à qual será obrigatório recorrer para se poder formular uma ideia correcta do modo como a Maçonaria Portuguesa foi criada e evoluiu.
A António Ventura, como mero leitor interessado neste tema e como praticante da Arte Real, quero agradecer este contributo para a compreensão da História da nossa Ordem, afinal para a compreensão das razões que ainda hoje levam tantos homens e mulheres a aderirem, sem cuidarem de riscos e calúnias, aos supremos valores da Tolerância e da Liberdade de Consciência e aos ideais da Igualdade, da Liberdade e da Fraternidade.
É que a Maçonaria, permitam-me que aqui o diga sem rodeios, citando de memória o Grão-Mestre António Reis é, por definição, uma escola de valores éticos ou, se quisermos citar um ritual, um espaço de convívio único “onde se ensina ao iniciado a arte de pensar e de descobrir por si próprio os elementos da sua convicção”. A instituição maçónica nunca será produtora de efeitos de fechamento dogmático. O seu sentido não é identificável senão em termos puramente subjectivos: cada Maçon construi-lo-á e daí retirará as devidas implicações práticas, em função da sua própria trajectória, em relação ao grupo (a Loja, a Obediência, a Ordem) no seio do qual organiza as suas experiências. (…)
Permitam-me que termine esta breve apresentação de A Maçonaria no Distrito de Portalegre sublinhando o imenso trabalho de pesquisa realizado por António Ventura: há obras que se arrogam de objectivos bastante mais vastos e cujos autores estão longe, muito longe até, de terem tido os cuidados e de desenvolverem os esforços de investigação que nesta se revelam de forma tão categórica.
Muito obrigado, portanto, ao Professor Doutor António Ventura pelo seu excepcional trabalho e a todos os presentes pela atenção que quiseram dispensar a estas considerações. Corro mesmo o risco de afirmar que são despiciendas perante a ambição, a qualidade e a importância do livro.
Salvato Telles de Menezes

quarta-feira, maio 30, 2007

Heróis


A Bela Itália

Quando Beleza se junta a Cultura, é Orchidea De Santis

Galiza

Bandeira da Galiza
Escudo da Galiza
.
Estimado Mário Casa Nova Martins:
.
Nunca he defendido que el español deba ser la única lengua oficial de Galicia, sino que se respete la libertad de idioma de los gallegos. Galicia es una comunidad bilingüe y tanto el español como el gallego son idiomas cooficiales y lenguas propias de los gallegos. En la práctica ni el actual Estatuto ni la Constitución de 1978 se respetan en Galicia y solamente el gallego se usa tanto en el parlamento como en toda la administración autonómica, sin que los ciudadanos tengamos derecho a recibir informes o documentos en español.
.
2º Políticamente me defino como independiente. No soy votante del Partido Popular, pues este partido no respeta la libertad de idioma de los gallegos. Por ejemplo, los padres no tenemos derecho a elegir el idioma en el que queremos que estudien nuestros hijos. A los niños hispanohablantes se les impone el gallego a la fuerza.
.
Un saludo cordial.
.
Xoán Xulio Alfaya
VIGO
_______
Caríssimo Xoán Xulio Alfaya
.
Começo por Lhe agradecer o Seu Comentário.
Ele é um Testemunho importante para quem não conhece bem o que é a Galiza e como funciona a sua Autonomia.
Como sabe, há afinidades entre a Galiza e Portugal, mais do que entre qualquer outra Região de Espanha. E hoje, em cada dia que passa aumentam as relações económicas da Galiza principalmente com o Norte de Portugal. E a nível de Cultura as relações ainda têm maior significado.
No que escreveu está lá tudo, o Seu Amor à Galiza e às raízes do Povo Galego. Compreende-se assim o declínio do Partido Popular na Galiza e noutras Regiões em que a Autonomia já está mais avançada. Não consegue compreender a realidade de uma Espanha das Nações.
Permita que “transforme” o Seu Comentário ao meu texto em Postal. Desta forma tem o destaque que merece.

Cumprimentos.

Mário
Mapa da Galiza

A Galiza é uma Nação

O artigo de opinião de Xoán Xulio Alfaya é de uma oportunidade exemplar. O articulista define-se como hispanohablante, isto é, defende que o espanhol, melhor, o castelhano, seja a língua oficial da Galiza.
Também como votante no Partido Popular, centralista pró-Castela, sente que este partido está em declínio na Galiza, quiçá fruto das políticas de quem durante largos anos dominou a política galega, na pessoa do caudilho Manuel Fraga Iribarne.
Durante aquele consulado a Galiza não acompanhou o enorme desenvolvimento que as outras nacionalidades que formam a actual Espanha tiveram desde o fim do franquismo. Hoje a situação inverteu-se e a Galiza assiste a um desenvolvimento económico sem precedentes, acompanhado por um crescimento do movimento nacionalista galego.
Há que nunca esquecer que a Galiza é uma Nação, e que o Povo Galego aspira a uma autonomia crescente, tal como o País Basco, a Catalunha ou a Andaluzia, se não mesmo ser uma Pátria independente.
A poetisa Rosália de Castro e Vicente Risco são expoentes do pensamento galaico. Hoje sentir-se-iam felizes pelos momentos por que passa a Galiza.
MM

Galiza à deriva

Galicia a la deriva
.
El PP está perdiendo prácticamente todas las ciudades gallegas que, curiosamente, concentran la mayoría de gallegos hispanohablantes. Es evidente que los que pertenecemos a este menospreciado colectivo no tenemos partido político que nos defienda y al que votar. Nuestra soledad cívica es absoluta. El PP, con la Ley de Normalización Lingüística de 1983, trazó la autopista por la que ahora avanzan -¡y le adelantan!- el PSOE y el BNG.
Paradójicamente los populares siguen teniendo mayor representación en las zonas rurales que concentran el mayor número de galegofalantes. Lo lógico sería que el rural fuese el feudo del BNG, pero los que hablan gallego "de seu" -no la neolengua inventada por Antón Santamarina y el Instituto da Lingua Galega-, votan mayoritariamente a los populares y no parecen tener la menor afinidad con los nacionalistas a quienes ven como unos señoritos de ciudad que predican en un gallego que les resulta cuando menos cursi. Quizás prevén -o temen- para sus hijos un futuro de emigración en el que el idioma gallego no les servirá de mucho.
En las ciudades, aunque la administración y ciertas entidades bancarias y empresas subvencionadas tratan de imponer el gallego con ejemplar machaconería, los ciudadanos de la calle pensamos, hablamos y escribimos en nuestra lengua propia: el español o castellano. Es nuestra lengua materna, la que hablamos en la familia, con los amigos y en el trabajo. Eso no implica que algunos no hablemos en gallego con quienes lo hablan "de seu", con naturalidad y sin ideología adosada.
Sería el PP el partido que por lógica debería tener en cuenta este hecho, pero no. Siguen en sus trece, yendo de nacional-galleguistas y cosechando fracasos. De momento se han quedado sin el voto urbano, en el futuro se quedarán también sin el voto rural.
Y si no, al tiempo.
Xoán Xulio Alfaya

terça-feira, maio 29, 2007

A Dor

O Dia da Morte
William-Adolphe Bouguereau (1825-1905)
.
Pois bem, aquilo a que chamamos vida é apenas a sala de espera da morte.
Johann Hermann Obereit
in, "J. H. visita a região dos Suga-tempo"
O Cardeal Napellus, Meyrink, ps.44 e 45
.
Quando a Morte chega e um Amigo parte, é como se a Árvore da Amizade perdesse um Ramo.
Mário

Oswald Spengler

Oswald Arnold Gottfried Spengler
(Blankenburg am Harz, 29 de Maio de 1880 – Munique, 8 de Maio de 1936)
.
Passa hoje mais um aniversário do seu nascimento.
Continua ainda hoje a ser lida Der Untergang des Abendlandes. Umrisse einer Morphologie der Weltgeschichte - A Decadência do Ocidente. Bosquejo de uma Morfologia da História Universal, publicada em 1918, em que defende a teoria cíclica do crescimento e declínio das civilizações.
Historiador e filósofo alemão, cujos interesses incluíam a matemática, a ciência e a arte, marcou fortemente o primeiro quartel do século XX. Influenciado por Goethe e Nietzsche, para Spengler entender a história universal de uma forma linear, nela distinguido diversas culturas e épocas que se encontrariam na continuidade umas das outras, como se nas ruínas de uma se formasse o perfil da outra que se segue, estabelecendo uma relação de antecedente a consequente, é ilegítimo e ingénuo porque supõe que o conhecimento do universo dos factos históricos se processa do mesmo modo que o conhecimento dos factos da natureza.
Oswald Spengler vê a história Universal como o cenário do aparecimento de uma pluralidade de culturas, irredutíveis entre si., e todas elas estão submetidas a ciclos culturais, cuja duração é aproximadamente de mil anos, com nascimento, juventude, maturidade, velhice e morte.
MM
Edição espanhola integral em dois volumes
.
Edição resumida, mas que dá uma perspectiva correcta da obra
.
Tradução de João Botelho e prefácio de Luís Furtado

Greve Geral

Amanhã é dia de Greve Geral. Este “instrumento nas mãos dos trabalhadores” há muito que atingiu o prazo de validade. Quer com isto dizer-se que no tempo presente não faz sentido uma “greve geral”.
Com uma economia globalizada, o que acarreta o triunfo de uma certa forma pouco saudável de capitalismo, o poder reivindicativo dos trabalhadores é fraco, pelo que ao contrário do “geral” só se pode lutar no “sectorial”. E mesmo assim, a greve só consegue dar frutos nos sectores em que a corporação tem forte poder negocial, ou naqueles que pertencem ao Estado, sempre frágil nestas contendas dado o seu próprio carácter e função.
Está condenada ao fracasso a Greve Geral de amanhã convocada pela central ligado ao PCP, a CGTP, a que se juntaram outros sindicatos não filiados nesta Central.
Pela comunicação social, é possível identificar o sector público e o sector dos transportas como os mais mobilizados e mobilizáveis, e como sempre os que mais problemas criam aos cidadãos no dia da greve. Tudo o mais é “folclore”, com a habitual disparidade de números da adesão entre sindicatos e Estado e à qual a população pouco importância dá.
Também pouca importância lhe dará o “eterno” líder da CGTP, Manuel Carvalho da Silva, que apenas fez greve uma vez na vida.
MM

Memórias

Campeões Europeus 1960/1961
.
Terminou em terras americanas com uma vitória em jogo particular a campanha 2006/2007 do Sport Lisboa e Benfica. Não deixa saudades.
Dos objectivos traçados no início da época, apenas um se cumpriu que foi a passagem à fase de grupos da milionária Liga dos Campeões. Tudo o resto foi eliminações.
Em termos competitivos o futebol jogado foi inferir ao da época anterior, e só a “miragem” do título que chegou à última jornada fez esquecer o que de mau se passou ao longo das provas em que participou, Liga, Taça de Portugal Liga dos Campeões e Taça UEFA. E de Glória ao Esquecimento foi um passo!
Se o treinador é apontado para o insucesso desportivo, quem pode negar a forte contribuição para esse insucesso de Simão Sabrosa? Quem ainda lembra o início de época em que o jogador não participou na pré-eliminatória da Liga dos Campeões porque a todo o momento iria sair do Clube, processo que se arrastou da pré-época até depois do início do campeonato, período em que o SLB perdeu o maior número de pontos, inviabilizando a longo prazo a concretização de objectivos. A atitude mercenária de um jogador criou estabilidade no balneário, factor tão ou mais importante que a lesão de Rui Costa ou de Luisão.
Mas, como diz o ditado, recordar é viver, se bem que não vivêssemos aquela época gloriosa, aqui ficam duas fotografias que o meu Amigo
Mário Mendes me enviou.
MM
José Águas, Berna, 1961

segunda-feira, maio 28, 2007

António Nobre

Torre de Anto, onde o Poeta viveu
.
Manuel, tens razão. Venho tarde. Desculpa.
Mas não foi Anto, não fui eu quem teve a culpa,
Foi Coimbra. Foi esta paisagem triste, triste,
A cuja influência a minha alma não resiste. (...)
Vá! Dize aos choupos do Mondego que se calem
E pede ao vento que não uive e gema tanto: (...)
Histeriza-me o vento, absorve-me a alma toda,
O Vento afoga o meu espírito num mar
Verde, azul, branco, negro, cujos vagalhões
São todos feitos de luar, recordações.
«Carta a Manuel»
António Nobre
(Porto, 1867- Figueira da Foz, 1900)

Crónica de Nenhures

BRICA
.
Portugal, país atlântico, pequeno em dimensão geográfica e escasso em matérias-primas, vive dependente da posição que ocupa numa Ibéria em que a Meseta castelhana tenta impor a sua força centrípeta.
País da União Europeia, membro fundador da NATO, toda a sua política externa tem como objectivo a aliança com a potência marítima, neste tempo e lugar os EUA, outrora a Pérfida Albion.
Mas a política externa não é uma ciência estanque, pelo que há que manter boas relações quer com potências regionais, quer com a potência continental, que, queira-se ou não, é a Rússia de Vladimir Putin, como a marítima é a de George W. Bush.

Está o primeiro-ministro de Portugal de visita de Estado à Rússia. Hoje em dia estas visitas são mais, ou apenas, de carácter económico.
Compreende-se que Portugal procure alargar os laços económicos com as chamadas economias emergentes, e a Rússia é um exemplo desse conceito, como o são o Brasil, a Índia, a China e Angola.
Nestas visitas o pragmatismo é fundamental.
Curiosamente, nenhum destes cinco países, cujas iniciais formam a palavra “BRICA”, tem uma democracia plena como as de tipo ocidental, se bem que Brasil e Rússia se aproximam mais desse padrão, mas os problemas da corrupção e de falta de alguma liberdade de expressão impedem brasileiros e russos de viverem em liberdade plena.
A Índia, apelidada de maior Democracia do Mundo, vive com as mais flagrantes desigualdades sociais, enquanto a China é capitalista na economia e comunista nos direitos pela ausência de Liberdade, e Angola continua uma cleptocracia, em que uma família, dos Santos, “distribui” pelos aliados as riquezas de um País, que são pertença de todo o Povo.
Mas Portugal ao seguir o pragmatismo tem que evidenciar as suas potencialidades de forma a receber novos investimentos e a encontrar novos mercados.
MM

domingo, maio 27, 2007

Serenata


Balada da Despedida do VI Ano Médico

Serenata, Queima das Fitas 2007

Conversas de fim de tarde

Um facto que ontem não passou despercebido na apresentação do livro «A Maçonaria no Distrito de Portalegre» foi a presença de António Reis, actual Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano.
Mas, na Tertúlia que se formou no final da cerimónia, comentado foi o facto de esta ter acontecido na antiga casa dos Jesuítas, que ao tempo o Marquês de Pombal expulsou, tendo depois sido criada no ex-Colégio de São Sebastião a Real Fábrica de Lanifícios, arte que desde o século XVI há notícia na história económica de Portalegre.
Também se falou da existência da Carbonária no Distrito, sendo, e segundo foi dito, um desses elementos mais notórios o Avô materno do nosso Amigo Fernando da Cruz Correia Carita, o Autor da interessante «
Portalegre. A Cidade e a sua Toponímia
».
Contudo, a inter-ligação destes factos, Maçonaria e Jesuítas, lembra os dois livros de José Braga Gonçalves, «O Maçon de Viena» e «O Príncipe Rosa-Cruz», cronologicamente apresentados.
Estes dois romances históricos, temática tão em voga nestes tempos, fala da época de Sebastião José de Carvalho e Melo, da sua estada na corte de Viena onde terá sido iniciado, do Terramoto, da reconstrução de Lisboa segundo a geometria maçónica, as relações entre a Maçonaria e os Rosa-Cruz, enfim dois volumes de uma narrativa cujos heróis são o Marquês de Pombal e Eugénio dos Santos.
Obra de excelente enredo e em português escorreito, não teve a divulgação mediática que justificava.
MM

Uma questão de Águia

Para um avivar de Memória…, ao Nonas!

sábado, maio 26, 2007

A Maçonaria no Distrito de Portalegre

Decorreu esta tarde na antiga igreja do jesuítico Colégio de São Sebastião, hoje transformada em auditório municipal, a apresentação do livro de António Ventura, «A Maçonaria no Distrito de Portalegre (1903-1935)», da responsabilidade editorial da Caleidoscópio.
Professor Catedrático do Departamento de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, António Ventura apresenta nesta obra os nomes que foi possível identificar e faz as suas possíveis biografias de maçons ligados por nascença ou por actividade profissional a este Distrito do Alto Alentejo.
Não iremos fazer uma análise ao livro, que há pouco tivemos o prazer de ver autografado pelo Autor, porque contamos fazê-la no próximo número da revista Plátano.
Contudo para que se saiba da importância histórica da Obra, transcrevemos o parágrafo que está na contra-capa:
_ «Este livro estuda a actividade maçónica no Distrito de Portalegre desde o século XVIII, com maior detalhe entre 1903 e 1935. Para além de referência a Lojas anteriores e aos seus membros conhecidos, estuda minuciosamente as Oficinas existentes no Distrito de Portalegre durante o século XX - Lojas e Triângulos -, vinculadas ao Grande Oriente Lusitano Unido, ao Grémio Luso-Escocês, ao Direito Humano e ao Soberano Grande Conselho Geral Ibérico, com os seus respectivos quadros e biografias dos seus efectivos. Refere ainda, os naturais do Distrito que pertenceram a Oficinas noutros pontos do país e do Ultramar. No total, a obra inclui cerca de três centenas de biografias.»
MM
Colégio de São Sebastião

Livros

A Livraria dos nossos Sonhos
.
O Misterioso Réprobo mostra-nos o que chamaríamos a Biblioteca Ideal.
Pudéssemos nós alcançá-La!
MM

Política à portuguesa

Foto – Expresso, 26 de Maio de 2007 – PRIMEIRO CADERNO 13
.
Terá regressado a urbanidade ao CDS-PP?
Pelo menos é o que sugere a fotografia. Telmo Correia, pois, pois, dá esse exemplo.
Onde já vai o episódio, degradante, protagonizado por zelosos 'portistas' no famoso, pela negativa, Conselho Nacional, quando Maria José Nogueira Pinto foi insultada e agredida…
.
Foto – Sol 26 Maio 2007, p.3
.
“Tão Amigos que nós somos…”, dirão hoje o ex-falangista e fundador do Partido do Progresso – Movimento Federalista Português (PP-MFP), José Miguel Júdice, e o ex-maoista e fundador do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses – Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado (PCTP – MRPP).
.
Foto – Sol 26 Maio 2007, p.63
.
Marcelo Rebelo de Sousa, indignado, utiliza os adjectivos «intolerante» e «intolerável» para descrever o conhecido “caso Charrua”. Todavia, o católico MRC “ignorou” a atitude intolerante e intolerável do Opus Dei em relação a José Pinto Coelho, o líder do direitista PNR…
MM

sexta-feira, maio 25, 2007

Star Wars


Star Wars - Episode IV - Trailer (original 1977)
.
Em 25 de Maio de 1977 estreava-se o filme de George Lucas «A Guerra das Estrelas», passam hoje três décadas. Neste espaço de tempo mais cinco episódios foram acrescentados à Saga, dando-lhe um princípio e um fim, em suma, coerência narrativa.
Este Épico da sétima arte desde o princípio que figura no restrito clube dos nossos filmes de eleição.
MM

Crónica de Nenhures

O Gigante com pés de barro
.
Noticiava hoje a comunicação social que o Sport Lisboa e Benfica é o campeão das audiências televisivas desportivas.
Não é facto novo, pelo contrário, repete-se todos os anos, o que mostra o potencial económico do Clube, mesmo que, como é público e notório, os resultados desportivos há muito que continuam aquém do esperado pelos Adeptos e Simpatizantes do Glorioso.
Também o futuro mostrará que as acções do SLB estarão sempre acima das dos seus congéneres cotados na bolsa, o Sporting CP e o FC Porto
Enquanto que em canal fechado, o último dérbi, do passado 29 de Abril no Estádio da Luz, segundo a Marktest originou uma audiência total de 3 737 000 de telespectadores, sendo que três milhões seguiram-no fora da primeira habitação, valor que é recorde, em canal aberto, TVI, foi o Beira-Mar – SL Benfica, quando os encarnados ainda “sonhavam com o título e em fase decisiva da Liga…, no dia 9 de Abril o jogo mais visto da época com 24,4% de audiência a que corresponde 54,9% de share (2 309 700 espectadores).
Acrescente-se que no “Top Ten” dos jogos mais vistos em canal aberto, o SLB tem os três primeiros lugares, além do quinto, sexto e sétimo, vindo o SCP com o quarto, oitavo, nono e décimo. O campeão, o FCP, aparece apenas no décimo primeiro lugar, em jogo com o rival Boavista.
E diga-se que nas modalidades em que compete e cujos jogos são transmitidos pela televisão, casos de basquetebol, hóquei em patins, voleibol ou futsal, as audiências são infinitamente superiores às dos jogos das mesmas modalidades mas em que a equipa do SLB não entra.

Como é possível, então, que o Benfica continue a não conquistar títulos. Verdadeiro “gigante com pés de barro”, continua a ser “montra de vaidades” de pequenos e pequenos directores, que apenas se têm servido do Clube para projectos pessoais.
Espera-se, e que de maneira!, que a nova situação bolsista obrigue a que o SLB tenha uma gestão profissional em todos os sentidos, de forma a que volte aos tempos de Glória, “sequiosos” que andamos de vitórias e títulos, assumimos…
MM

Dave Matthews Band


Dreamgirl

Desabafos

Em primeiro lugar quero deixar uma palavra de Saudade pelo José Petronilho. Conheci-o na Rádio São Mamede, onde travámos Amizade. No passado Outubro, quando regressei a esta Casa para os “Desabafos” voltámos a encontrar-nos. Conversávamos todas as semanas, aqui na Rádio Portalegre. Profissional competente, Homem de Valores, a sua inesperada morte deixa comovidos os que com ele privaram. Que descanse em Paz.
_______
Relatam as agências noticiosas internacionais que os confrontos internos que se travam no Líbano são os piores desde o fim da Guerra Civil, há dezassete anos.
O Líbano é um país cuja área é praticamente um terço do Alentejo. Outrora conhecida pela Suiça do Médio Oriente, dada a qualidade de vida que então aí se vivia, é hoje um país devastado por lutas de cariz político e religioso.
Tudo começou com a chegada de refugiados palestinianos, que fugiam do genocídio a que estavam sujeitos pelos israelitas, que ocuparam as suas terras e as suas casas quando da criação do Estado de Israel, e depois pelas sucessivas guerras entre judeus e árabes que resultaram em mais ocupação de terras palestinianas na tentativa da criação do Grande Israel bíblico.
À justiça que foi a criação do Estado de Israel seguiu-se a injustiça do genocídio do Povo palestiniano às mãos dos judeus.
E Israel aproveitou agora estes combates no martirizado Líbano para abrir nova frente contra os palestinianos. Gaza está novamente sob os ataques dos tanques e da aviação israelita. Já o estivera entre Julho e Agosto de 2006, ainda há menos de um ano.
Parece que não tem fim o drama em que vivem os palestinianos. Continuam a ser “carne para canhão” nos interesses geo-estratégicos da região, onde com o fracasso da invasão e pacificação do Iraque o Ocidente vê emergir uma nova potência regional, o Irão, que já é nuclear, tal como Israel.
Por fim, convém lembrar que Portugal tem militares seus no Líbano em missão da ONU. Porém, os confrontos são no Norte, enquanto as tropas portuguesa estão no Sul, junto à fronteira com Israel.
Mas que o Governo de Portugal retire estes militares, porque o País não tem interesses de qualquer ordem naquela região. Todavia ainda hoje embarcou novo contingente que vai substituir o anterior que findou a sua missão.
MCNM
in, Rádio Portalegre, Desabafos, 25/05/07
_______
Acabou esta série dos “Desabafos”. É a terceira vez que na Rádio Portalegre fazemos parte desta Equipa.
Queremos publicamente agradecer a quem agora nos convidou, Chambel Tomé e José Nabo, bem como ao Rui Anacleto.
Foi um grato prazer regressar a esta Casa.
Mário

quinta-feira, maio 24, 2007

Azul

o azul do céu, o azul do mar, a transparência do ar,
da beleza dos longos cabelos, soltos para Beijar,
falar.
imaginar a cor do Futuro construído a sonhar,
na certeza que ninguém destruir o conseguirá!
então o arco-íris intensamente brilhará.

'O Cardeal Napellus' de Meyrink

Não vamos fazer o menor comentário ao que está anunciado publicamente como Feira do Livro, e que decorre durante esta semana na Biblioteca Municipal de Portalegre.
Apenas dizemos que lá encontrámos o livro «O Cardeal Napellus» de Gustav Meyrink.
É o primeiro volume da colecção “A Biblioteca de Babel”, com o subtítulo “Colecção de literatura fantástica dirigida por Jorge Luís Borges”.
Bastava o subtítulo para se saber que a obra seria de qualidade, dado o valor que atribuímos à Palavra de Jorge Luís Borges.
E sobre a obra escreve Borges: «Ao contrário do seu contemporâneo, o jovem Wells, que procurou na ciência a possibilidade do fantástico, Gustav Meyrink procurou-a na magia e na superação de todo e qualquer artifício mecânico. «Não podemos fazer nada que não seja mágico», diz-nos em O cardeal Napellus, máxima que Novalis aprovaria. Meyrink acreditava que o reino dos mortos penetrava no mundo dos vivos e que o nosso mundo visível era incessantemente penetrado pelo outro, invisível.»
O livro é composto por três contos, "O Cardeal Napellus", "J. H. visita a região dos Suga-tempo" e "Os quatro irmãos da Lua - Um documento".
MM
Gustav Meyrink é o pseudónimo do escritor austríaco Gustav Meyer nascido em Viena a 19 de Janeiro de 1868 e falecido em Stanberg em 4 de Dezembro de 1932.

O 'português' Jorge Luís Borges

Jorge Luís Borges nasceu em Buenos Aires a 24 de Agosto de 1899, e faleceu em Genebra em 14 de Junho de 1986, cidade onde ficou sepultado, por opção pessoal.
Segundo um estudo de António Andrade, Jorge Luís Borges tem ascendência portuguesa. O bisavô de Borges, Francisco, terá nascido em Portugal em 1770, e vivido na localidade de Torre de Moncorvo, situada no norte de Portugal, antes de emigrar para Argentina onde terá casado com Cármen Lafinur.
.
OS BORGES
.
Bem pouco ou nada sei dos meus maiores
Portugueses, os Borges: vaga gente
Que prossegue em minha carne obscuramente,
Seus hábitos, rigores e temores.
Ténues como se não tivessem sido
E alheios aos trâmites da arte,
Indecifravelmente formam parte
Do tempo e da terra e do olvido.
Melhor assim. Cumprida a sua faina
São Portugal, são a famosa gente
Que forçou as muralhas do Oriente
E deu-se ao mar e ao outro mar de areia.
São o rei que no místico deserto
Se perdeu e o que jura que não está morto.
.
A LUÍS DE CAMÕES
.
Sem lástima e sem ira o tempo arromba
As heróicas espadas. Pobre e triste
À tua pátria nostálgica voltaste,
Ó capitão, para nela morrer
E com ela. No mágico deserto
Tinha-se a flor de Portugal perdido
E o áspero espanhol, antes vencido,
Ameaçava o seu costado aberto.
Quero saber se aquém da ribeira
Última compreendeste humildemente
Que tudo o perdido, o Ocidente
E o Oriente, o aço e a bandeira,
Perduraria (alheio a toda a humana
Mutação) na tua Eneida lusitana.
Tradução de Miguel Tamen,
revista por Luísa Costa Gomes e Juan Carlos Vazquez
in, O FAZEDOR, Difel, pgs. 99 e 101

Do Alfarrabista

«Para HCF, a convicção da necessidade da união latina passou a constituir uma ideia peregrina, não mais a largando desde 1919. Ao escrever o Mussolini, batisseur d’avenir, em 1923, deu ao exórdio introdutório o tom profético de um mandamento categórico e irrecusável, convidando os latinos a constituírem uma União Panlatina que pudesse servir de barreira, quer ao mundo setentrional, anglo-saxónico, industrializado, protestante e individualista, quer ao mundo eslavo, ateu, bárbaro e colectivista. Sentia que o fascismo poderia servir de argamassa para um tal projecto. Aproveitando as celebrações do quinto aniversário da subida de Mussolini ao poder, encontrou-se com ele em finais de Outubro de 1927. Mussolini felicitou-o pelo grande sucesso obtido pelo Mussolini, batisseur d’avenir, encomendando-lhe uma nova obra, que teria por título O Estado Fascista, que jamais realizaria.» (1)
.
Assim se refere Miguel Castelo-Branco à obra de Francisco Homem Christo Filho que nos chegou da
Librairie Duchene, Toulouse.
Figura fascinante, como se infere da leitura da biografia que Miguel Castelo-Branco lhe dedica como dissertação de mestrado, Homem Christo tem um percurso ideológico de um campo ao outro. A sua morte prematura, em acidente de viação, inviabilizou os seus projectos políticos, o que não deixa de ser pertinente questionar como aqueles evoluiriam na conturbada Europa da primeira metade de novecentos.
Mussolini, batisseur d’avenir é uma obra panfletária, que hoje se lê com o distanciamento do tempo e dos acontecimentos que lhe sucederam.
Mas, no que se refere à União Panlatina que refere Miguel Castelo-Branco, transcrevemos os parágrafos que Homem Christo lhe dedica (2):
.
«Pour une Fédération panlatine.
Nombre de personnalités marquantes, de qui l'opinion fait loi en économie politique, se préoccupent de l'action de plus en plus souveraine qu'exercent sur le commerce du monde les groupements germaniques et anglo-saxons, et déplorent l’inertie des pays latins, passifs témoins de cette expansion inquiétante. Tandis que la France et l’Italie, l’Espagne et le Portugal observent l’un vis-à-vis de l'autre une expectative stérile et se laissent diviser par des questions de sentiment, d’autres nations, les plus ambitieuses, les plus prolifiques n’accordent aucune importance au point de vue sympathie, à la cote d’amour, si prépondérante chez les Latins, et n’hésitent point a passer outre à ces bagatelles platoniques pour donner tous leurs soins à la seule valeur durable, c’est-à-dire aux affaires. C’est ainsi que l’Angleterre, voire les États-Unis, totalement indifférents au degré d’affection qu'ils peuvent avoir pour l’Allemagne et la Russie, ne demandent qu’à reprendre avec ces dernières un trafic profitable à leurs intérêts. Un client n’est pas nécessairement un ami; peu importe que nos fournisseurs nous détestent ou nous chérissent... En vérité, c'est une forme d’esprit toute féminine qui place l'amitié, sinon l’amour, au premier plan des relations internationales. Sous ce rapport la France et même l’Italie témoignent d’une sensibilité singulière qui, pour être le défaut de leur qualité dominante, n’en est pas moins un défaut et un fort grand.
Dans la reconstruction de l'Europe, ce thème de tant d'allocutions, de conversations et d'interpellations qui n’ont encore abouti qu’à un puéril vacarme, il y a pourtant autre chose à faire que des grâces. Le temps que nous passons à des disputes de préséance, à des colloques tout enflés de mots sonores, les foules taciturnes du Nord, mais combien actives, l’utilisent à vendre et à acheter. A vendre à leurs ennemis d'hier qui sont leurs chalands d’aujourd’hui et, demain, le seront forcément davantage. A acheter à leurs antagonistes redevenus les producteurs de matières dont ils ont besoin plus que jamais.
Ces échanges commerciaux deviendront tôt ou tard des rapports plus étroits. Ces rapports imposeront des accords, ces accords, des traités de commerce et ces traités, des alliances. Alors, l'amour y jettera son ciment s’il lui plait... et celane fera qu'ajouter à la solidité de l’édifice. Et vous, Latins sentimentaux, qu’aurez-vous fait ? Rien !... Et vous serez bien forces de négocier avec 1’omnipotence des firmes anglo-américo-russo-germaniques, sous peine de vous passer de céréales, de textiles et de minerais.
Mais bannissez tout à coup vos mésintelligences; oubliez-les, mettez-les de côté pour en reprendre plus tard la liquidation. Ajournez le règlement du litige hispano-lusitanien, le règlement des contestations italo-françaises. Et que vos délégués plénipotentiaires, choisis parmi les marchands, les industriels, les manufacturiers, les armateurs, les agriculteurs, les banquiers, parmi ceux qui font l’argent et non ceux qui le regardent faire, que ces délégués se rencontrent loin des parlements et des parlementaires et se concertent sur le moyen d’associer la production de l’Italie, de la France, de la Belgique, de l’Espagne, de la Roumanie, du Portugal, de l’Amérique et de l’Afrique latines.
Non, ce n’est pas impossible ! Il existe moins d’abîmes entre la lire, le franc, la peseta, le lei et l’escudo qu’entre la livre, le dollar, le mark et le rouble. Or, nous ne tarderons pas à assister à des arrangements tels que le rouble et le mark se rapprocheront de l’étalon dollar et de sa commère sterling. Non plus par la vertu provisoire des armes, mais par les offensives financières, le négoce finira bien par lancer des ponts entre Berlin, Moscou, Londres et New-York. Et, ce jour-là, l’équilibre déjà si instable des grandes puissances sera définitivement compromis, puisque toute la production se trouvera trustée par les peuples maîtres.
Au contraire, que la Fédération panlatine entre dans une voie de réalisation, que Rome, Paris, Bruxelles, Madrid, Lisbonne, Bucarest deviennent les six comptoirs d'une banque géante, voilà instantanément l'équilibre rétabli. Lignes ferroviaires, lignes maritimes, entrepôts, usines, sans abandonner ni leur pavillon, ni leur autonomie administrative, fonctionnent dans un sens déterminé para la Fédération. Un organisme central permanent, subdivisé en comités, entraîne toute l’activité latine vers la surproduction commune… C’est, en somme, une autre Société des Nations qu’il s’agit de fonder, non pas une coûteuse et vaine bureaucratie comme celle de Genève, mais plutôt une forte organisation de travail pacifique et productif.»
_______
(1) Homem Cristo Filho – Do Anarquismo ao Fascismo, Miguel Castelo-Branco, pg.162, ls.22 a 34, 10/2001, Nova Arrancada
(2) Mussolini, batisseur d’avenir - Harangue aux Foules Latines, Homem Christo, pg.235 a 241, 1923, Société des Éditions Fast
MM

Feira do Livro

.
Oficialmente, as primeiras Feiras do Livro de Lisboa, no Rossio, e do Porto, na Praça da Liberdade, efectuaram-se em Maio de 1930.
Em 1931, a organização do certame foi, pela primeira vez, pertença da Associação de Classe de Livreiros de Portugal, mais tarde Grémio Nacional dos Editores e Livreiros, e actualmente Associação Portuguesa de Editores e Livreiros.
Deste modo, e pela 77ª vez consecutiva, a APEL está a organizar as Feiras do Livro de Lisboa e do Porto que decorrerão, tal como nos anos anteriores, no Parque Eduardo VII e Pavilhão Rosa Mota, respectivamente.
Com início hoje dia 24 de Maio, Quinta-Feira, e encerramento no dia 10 de Junho, Domingo, as Feiras do Livro de 2007 irão funcionar, todos os dias, entre as 16:00h e as 24:00h.
No dia 1 de Junho (Sexta-Feira), Dia Mundial da Criança, as Feiras abrirão as portas logo pelas 10:00h, prevendo-se uma grande afluência de público infantil.

quarta-feira, maio 23, 2007

Tintin em Portugal

.
Uma prancha de Tintin na América, publicada no Cavaleiro Andante, n.º 268, de 16-II-1957, dirigido por Adolfo Simões Müller
.
«ABENCERRAGEM, um blogue preguiçoso» de Ricardo António Alves homenageou Tintin ontem, dia do Centenário do nascimento de Hergé.
Nessa homenagem mostra uma capa do «Papagaio» e uma folha do «Cavaleiro Andante», as que acima reproduzimos.
MM

Portugal e Palestina

Portugal oferece Estádio a cidade da Palestina
.
O novo Estádio Internacional da cidade de Al-Kahder, nos arredores de Belém, Cisjordânia, cuja construção foi financiada por Portugal, através do Instituto Português de Cooperação para o Desenvolvimento (IPAD), vai ser inaugurado segunda-feira.
O recinto, uma oferta de Portugal aos desportistas palestinianos cuja construção custou dois milhões de dólares, tem capacidade para 6.000 espectadores, é certificado pela FIFA e dispõe de piso sintético e iluminação.
A cerimónia de inauguração, que tem o alto patrocínio do presidente Mahmoud Abbas, abrirá com uma marcha de escuteiros locais, conduzindo as bandeiras de Portugal e da Palestina, e a execução dos respectivos hinos nacionais.
Na cerimónia discursarão a ministra do Turismo, Khouloud Daibes, em representação do Presidente, Jorge Torres Pereira, representante de Portugal junto da Autoridade Nacional Palestiniana, em nome do Governo português e do IPAD, e o presidente da Câmara de Al- Khader, Adnan Sbeih.
Segundo informações obtidas pela Agência Lusa, Portugal irá oferecer camisolas dos jogadores Cristiano Ronaldo, Deco e Quaresma, que serão expostas numa sala do estádio Al-Khader.
Os organizadores estão a envidar esforços para a obtenção de mensagens vídeo de Luís Figo, Cristiano Ronaldo, José Mourinho e Luís Felipe Scolari, para serem difundidas durante a cerimónia.
Segundo o representante diplomático de Portugal, estas "seriam naturalmente, mensagens de apoio às esperanças e às alegrias bem conhecidas dos praticantes e adeptos do futebol e representariam mais uma forma de passar uma mensagem de paz à juventude palestiniana, na língua internacional, que é o desporto".
Após a cerimónia inaugural, vai disputar-se um jogo entre a equipa local Al-Khader, reforçada com os melhores jogadores palestinianos, e a equipa Maccabi Akhi Natsrat (Nazareth), uma equipa da primeira divisão israelita, que integra jogadores árabes e judeus.
Khalil Shahwan, director do Departamento de Juventude e Desportos de Belém, agradeceu, em entrevista publicada hoje pelo diário El-Quds, à "nação amiga portuguesa" pela sua importante contribuição, esperando que esta sirva de exemplo a outros países, para que ajudem o povo palestiniano a realizar as suas necessidades.

A Maçonaria no Distrito de Portalegre

O Autor de «A Carbonária em Portugal, 1897-1910», António Ventura, vai apresentar o seu último trabalho intitulado «A Maçonaria no Distrito de Portalegre» no próximo sábado nesta cidade.

Se a obra sobre Carbonária é de leitura obrigatória para quem quer conhecer o braço armado da Maçonaria irregular portuguesa, este próximo livro será de consulta obrigatória para quem queira conhecer o ramo daquela sociedade nesta região alentejana.

Ainda em relação ao livro «A Carbonária em Portugal», referência para a página 88 onde no texto «Envolvidos na explosão acidental ocorrida a 17 de Novembro de 1907 na Rua do Carrião», se lê no primeiro parágrafo:
_ «Aquilino Ribeiro, implicado na explosão de bombas de dinamite da Rua do Carrião em 17 de Novembro de 1907. Pronunciado em 30 de Março de 1908. Evadia-se, com o auxílio de intervencionistas, da esquadra do Caminho Novo.»
Compreende-se a justeza da posição contrária à ida de Aquilino Ribeiro para o Panteão Nacional.
MM

Free web page counter