\ A VOZ PORTALEGRENSE: Novembro 2006

quinta-feira, novembro 30, 2006

Europa e Turquia segundo Ratzinger

“Historicamente e culturalmente, a Turquia tem pouco a partilhar com a Europa. Será um grande erro englobar a Turquia na União Europeia. Será melhor que actue como ponte entre a Europa e o mundo árabe.”
Joseph Ratzinger (Entrevista, Junho de 2004)
Público-Domingo, 26 NOV 2006, p.3
*
Estamos de total acordo com as afirmações do então Cardeal Joseph Ratzinger.
Sobre a posição do actual Papa, Bento XVI, e do Vaticano sobre a Europa e a Turquia, é fundamental uma visita à
Casa de Sarto.
MM

Adoradores do diabo

Jeudi, 23 Novembre 2006
Les « adorateurs du diable » en Irak veulent des droits constitutionnels
Sammy Ketz
Spiritualités :: Alternatives religieuses
Les Yezidis pratiquent une religion préislamique que de nombreux spécialistes font remonter aux Zoroastriens de l’ancienne Perse.
Dans un temple à flanc de montagne au cœur du Kurdistan irakien, des pèlerins de la minorité yezidi viennent vénérer l’Ange Paon, également connu sous le nom de Lucifer.
Alors que l’Irak se dirige vers un nouvel ordre politique post-Saddam Hussein, les Yezidis, longtemps regardés comme des « adorateurs du diable » par les musulmans, veulent saisir cette occasion historique pour faire inscrire les droits de leur communauté dans une nouvelle communauté.
« La discrimination contre les Yezidis doit prendre fin, et nos droits politiques et religieux doivent être reconnus dans la constitution », dit le chef héréditaire de cette foi, Mil (prince) Hassem Tahsin Saïd.
Portant une chemise jaune et une cravate brune brillante, ce supposé prince des ténèbres salue les visiteurs dans sa luxueuse villa dans la campagne au nord de Mossoul avec un large sourire. Deux miliciens kurdes montent la garde à la porte.
« En tant que Kurdes et en tant que Yezidis, nous avons doublement été les victimes de Saddam Hussein », dit le chef âgé de 40 ans, qui est à la fois le chef tribal et religieux de son peuple.
Les Yezidis pratiquent une religion préislamique, dont certains pensent qu’elle fut fondée au XIIe siècle par Sheikh Oudaï ben Massafel el-Amaoui, bien que de nombreux spécialistes fassent remonter ses origines à la religion zoroastrienne de l’ancienne Perse.
Sheikh Oudaï était né à Damas mais mourut dans la ville de Lalish, à seulement 12 km de Shaikhan, où sa tombe est devenue le plus grand lieu saint des Yezidis.
La communauté est encore largement basée dans les contreforts nord de la principale ville du nord de l’Irak, Mossoul, et dans les montagnes de Sinjar sur la frontière avec la Syrie.
Mais les adeptes de cette foi de 100.000 personnes peuvent se rencontrer dans toute la diaspora kurde, dans la Syrie et la Turquie voisines ainsi que dans les anciennes républiques soviétiques du Caucase.
Les Yezidis ne croient pas au ciel ou à l’enfer, et ne considèrent pas Satan comme mauvais. En fait, ils le vénèrent.
« Veuillez m’excuser, mais je ne peux pas dire ce mot (diable) à haute voix, parce qu’il est sacré. C’est le chef des anges », dit Mil Hassem.
Nous croyons en Allah (Dieu) et dans (le chef des anges) », explique-t-il.
Contrairement aux musulmans, les Yezidis peuvent manger du porc. D’un autre coté, ils n’ont pas le droit de manger de la salade et de porter la couleur bleue.
Ardents gardiens de leurs traditions, les Yezidis ne permettent pas aux étrangers de se convertir à leur religion.
La foi a six niveaux distincts d’initiation : princes, sheikhs, sénateurs, voyants, ascètes et la communauté des fidèles, qui comprend environ 70% de la population yezidi.
Le mariage interclasses est interdit.
Maintenant, les Yezidis comptent trois membres au parlement irakien, tous élus dans l’alliance kurde qui arriva en seconde position dans les élections historiques de janvier, ainsi que deux membres dans le parlement régional kurde à Arbil.
Le sort de la communauté s’était déjà amélioré à la suite de la guerre du Golfe en 1991, quand les rebelles kurdes établirent une administration autonome dans trois provinces du nord, incluant les centres yezidis de Lalish et de Shaikhan.
Mais d’après le chef de la sécurité au temple de Lalish, les Yezidis ne veulent pas risquer d’être à nouveau opprimés.
« Notre religion est enseignée dans les écoles, et depuis 1991 nous avons repris les villages d’où nous avions été chassés pendant la campagne d’arabisation de Saddam Hussein », dit Derman Racho, 52 ans.
« Maintenant nous voulons que la constitution garantisse que nous pouvons être Irakiens et Yezidis ».
Racho garde le temple de Lalish, où deux paons sculptés représentant le « chef des anges » montent la garde au-dessus de l’entrée.
Les fidèles enlèvent leurs chaussures et entrent à l’intérieur, où sept pièces de tissu de couleurs vives sont fixées aux piliers, représentant sept anges.
Au cœur de la pièce principale, hommes, femmes et enfants offrent des prières en nouant et dénouant des bandes de tissu qui recouvrent la tombe de leur père fondateur, Cheikh Oudaï.
Dans la cour, deux hommes et deux femmes vêtus de blanc, qui ont fait vœu de célibat, allument 366 lampes à huile.
« Pour ne pas oublier les âmes de nos saints et de nos prophètes », explique leur supérieur, Pil Charo, 32 ans.
La plupart des Yezidis parlent le kurmanji, le dialecte kurde le plus répandu, mais tous les Kurdes musulmans sunnites n’acceptent pas les Yezidis comme membres de leur propre groupe ethnique.
Interrogés à propos des Yezidis, plusieurs Kurdes sunnites disent qu’ils ne partageraient pas leur repas avec un Yezidi parce qu’ils considèrent cette communauté comme « impure ».
« Nos parents nous ont dit que nous pouvions manger dans la maison d’un chrétien ou d’un juif, mais pas avec eux », dit l’un des Kurdes.
notes:
Publié le 23 mai 2005 sur : middle-east-online.com

Olivença é Portugal

Território português de Olivença usurpado, em 1801, pela Espanha
*
MALDITO CICLONE!
.
Estiveram reunidos, em Badajoz, os governos de Espanha e Portugal, nos passados dias 24 e 25 de Novembro de 2006. Tudo na maior das cordialidades.
A cobertura noticiosa, contudo, não foi tão ampla como de costume. Talvez porque estas cimeiras, actualmente, constituam, não um processo em si, mas o culminar formal de conversações prévias de bastidores. No fundo, trata-se essencialmente de assinar documentos elaborados nos bastidores.
Foi bonito. Ao que a imprensa noticiou, todavia, a cobertura informativa foi menor que o habitual. Na verdade, o centro de imprensa foi encerrado formalmente às 21 horas de sexta-feira pela que a Polícia Local de Badajoz, que impediu a chegada de transportes ao centro de comunicações mundial da cimeira. É que, explicou-se, "desaguou em Badajoz a tempestade que assolara Portugal". A culpa foi do ciclone.
Talvez fosse o ciclone o culpado de ninguém ter colocado uma pequena questão: a vinte quilómetros a sudoeste de Badajoz, existe uma cidadezinha. Ela é razoavelmente falada... mas nunca nestas ocasiões, em que tudo é asséptico. Dir-se-ia que se fazem esforços para que "as relações peninsulares" não "tenham armadilhas e conflitos". Que, afinal, os há, ainda que não devessem ser esquecidos. "Curiosamente, em cada cimeira", negam-se. Ambas as partes o fazem.
Que me perdoe o jornalista de cujas palavras fiz três ou quatro citações. Mas não resisto, ao lembrar esta Cimeira de Badajoz, a recordar a cidadezinha que referi, a vinte quilómetros a sudoeste da urbe extremenha. Ela chama-se Olivença. E discute-se a legalidade da sua posse há duzentos anos.
Vinte quilómetros somente! Como puderam os dirigentes "ibéricos" não reparar neste pormenor! Há um ano, em Évora, esqueceram também o assunto. Mas, aí, estavam a cinquenta quilómetros de distância. Sempre é diferente...
Mas, agora a vinte quilómetros... como explicar?
Só há uma explicação: o ciclone. A Natureza impediu os políticos reunidos em Badajoz de se debruçarem uns minutos sobre um tema que, decerto, actualmente, no clima de franca amizade que os irmana, doutra forma não poderia deixar de os ocupar. Ou... não é em ambientes fraternais que se expõem sem melindres todos os problemas?
Maldito ciclone!
É verdade que, no Sábado, dia 25, já o tempo estava mais de feição. O assunto, todavia, já perdera a oportunidade. À saída, é verdade, havia uns cartazes. Uma faixa, principalmente, onde se lia "Olivença é terra portuguesa". Ao lado, estava um grupo que tinha uma opinião contrária. Sem problemas, em democracia. Os dois "manifestos" até trocaram opiniões. Parece que começa a ser possível falar deste e doutros temas, livremente, na rua, até em Espanha, a nível público.
Todavia, para os políticos, isto não foi possível. Por causa do ciclone, evidentemente.
Ciclone que, como vimos, afastou muita da Imprensa. Deste modo, nem foram quase notícia os cartazes e a faixa.
Decididamente, há que dizê-lo mais uma vez, a terminar: "Maldito ciclone!"
Carlos Eduardo da Cruz Luna
(recebido via mail)

REAL PANTEÃO DOS BRAGANÇAS

REAL PANTEÃO DOS BRAGANÇAS – ARTE E MEMÓRIA
- Paulo Dias -
*
Da autoria do Dr. Paulo Dias, licenciado em História pela Universidade de Lisboa, este Desenvolvimento da dissertação de Mestrado apresentada em 2003 na Faculdade de Letras, na Universidade de Lisboa sob orientação da Prof. Dra. Maria João Neto e do Prof. Dr. Vítor Serrão.
Álbum de 288 páginas profusamente ilustradas em formato 24x30 com carta de S.A.R., Dom Duarte Pio, Duque de Bragança, e prefácio do Prof. Dr. António Filipe Pimentel, docente de prestigio e autor de uma vasta obra documental de carácter histórico-científico.
O autor expõe com grande riqueza de pormenores as circunstâncias históricas, políticas, sociais e morais que determinaram a importância das exéquias e pompas fúnebres dos Príncipes e Infantes da Casa de Bragança e certas atitudes perante a morte, os cultos prestados às pessoas reais e, de uma maneira geral, as incidências ideológicas e iconográficas marcaram a importância dos sepultamentos régios da Dinastia de Bragança, as campanhas de obras do Panteão, etc..
Põe de manifesto o conjunto de fenómenos dos tempos e circunstâncias que envolveram e condicionaram essa importância dos sepultamentos régios na Dinastia de Bragança, considera os diversos projectos de asserção do poder régio, interpela as campanhas de obras, as suas permanências e mutações ideológicas e iconográficas, faz ressaltar certas evidências e coloca questões novas de algum modo intrigantes.
Os limites cronológicos – 1656-1951 – assinalam respectivamente os anos da morte de D. João IV, iniciador da Dinastia brigantina, e de D. Amélia de Orleans e Bragança, ultimo membro da Família Real recebido no Panteão.
Apresenta ainda numerosas perspectivas de enquadramento político e artístico das diversas fases da criação de um Panteão para a Dinastia de Bragança e dos seus representantes, incluindo as continuidades, descontinuidades e roturas estéticas e ideológicas que os tempos, os homens e as opções políticas não deixariam de impor e una história que integra e explica os circunstancialismos que molduraram a imagem e definiram o conceito de Panteão Real, circunstancialismos que foram determinantes na produção artística (ou na sua ausência) em torno da figura dos monarcas.
A compulsão de fontes documentais não exploradas até agora permitiu ao autor trazer a lume questões novas sobre o tema, o que justifica a inclusão na parte final da obra de um criterioso corpus documental.
Além do Panteão de S. Vicente de Fora e da sua notoriedade no conjunto que aborda, inclui um capítulo inicial que permite apreender ao nível da tumulária as memórias respeitantes ao sepultamento dos Monarcas, as intenções ideológicas materializadas nos cenóbios escolhidos e as atitudes perante a contingência da vida humana.
A importância que atribui ao Panteão Real de Santa Maria de Belém deve-se a factores diversos, mas principalmente porque inaugura no campo da tumulária um modelo eficiente e duradouro ai nível dos valores políticos, religiosos e metafísicos.
.
Saída: Dezembro 2006
Tiragem: 1.000 exemplares
Páginas: 288
Preço: 58,50 €
ISBN: 972-99612-9-8
.
Antília Editora Lda.
Rua 15 de Novembro, 43 - 2.º
4100-421 Porto
.

quarta-feira, novembro 29, 2006

Há 13 Anos...

Este Postal é dedicado a Três Ilustres Cultores do Belo Sexo,
cujos Nomes,
Çamorano
Mendo Ramires
Paulo Cunha Porto,
são pertença da Intimidade de Afrodite.
Mário
.
ALEXANDRA LENCASTRE
[A Alexandra não nasceu. Explodiu! (Graça Lobo)]
.
No ano de 1993, a Companhia de Teatro de Lisboa representava no Teatro da Trindade, em Lisboa, a peça «Os Homens», com texto de Miguel Esteves Cardoso e encenação de Graça Lobo.
Nela, Alexandra Lencastre, …DESLUMBRAVA!

TIR


Marcha Comemorativa do 1º de Dezembro no Porto

Colheita de Fim-de-Semana

Não é o último número, mas este interessou-nos pela temática. Não há muitos estudos ou bibliografia em Portugal sobre estes assuntos, tendo que se recorrer a trabalhos de estrangeiros. Muita informação, para ler com atenção.
§
Este “Boletim Especial - 2006” desta interessante revista evoliana é uma selecção de textos de números anteriores. Agradável no visual, trinta e duas páginas, pode no futuro encontrar uma periodicidade certa e vir para o mercado. O estudo da obra de Julius Evola é fundamental para se compreender o mundo actual.
§
Aspectos positivos, o “regresso” de António Marques Bessa, e com o texto notável intitulado “A Fronteira no Império Português”, e o ensaio de Jaime Nogueira Pinto “EUA – Europa”, mas na linha pró-americana que lhe é habitual. De negativo a “ausência”, certamente por esquecimento, do Conselho de Fundadores na Ficha Técnica, e um excessivo número de intervenções do seu culto Director Executivo, mas facto que menoriza a revista, ao poder-se pensar que não há colaboradores e que é preciso preencher um número certo de páginas.
§
A “Revista da Maçonaria”, que vai no seu quarto número, depois de curto interregno regressou. De uma facção da Maçonaria portuguesa, dirigida por Paulo Noguês, tem artigos de grande interesse, como a biografia de António Xavier Correia Barreto, e outros que abrem um pouco os “segredos” desta Instituição como é a apresentação da Ordem DeMolay.
[mj]

terça-feira, novembro 28, 2006

Crónica de Nenhures

Poder Político e Poder Cultural

Foi o comunista António Gramsci que teorizou que para se alcançar o poder político, primeiro tem que se deter o poder cultural. Esta tese tem sido comprovada ao longo da segunda metade do século XX, se bem que o passado histórico encontra inúmeros exemplos, onde elites culturais abriram caminho para que elites políticas chegassem ao poder.
Desta forma, para que haja mudança de paradigma tem que haver um trabalho de investigação e depois de divulgação das novas ideias, para que primeiro sejam assimiladas pelas elites culturais que as divulgam em livros, revistas, jornais, televisões, e hoje na internet, o meio mais eficaz de transmissão de conhecimentos novos.
Um exemplo recente de sucesso, à direita, foi em Portugal o Instituto Democracia e Liberdade, depois Instituto Amaro da Costa, que com a sua revista «Democracia e Liberdade» e com inúmeras conferência e seminários, formou uma geração que inicialmente ligada ao CDS (a direita possível no pós-25 de Abril de 1974, é bom não esquecer), se veio depois a espalhar por novos partidos e movimentos de direita.
Como exemplo de fracasso, ter-se-á o caso da revista «Futuro Presente» que se “fechou” sobre si própria, nunca dinamizando nenhum debate, ou mesmo preparando ou formando gerações no e para o combate cultural. Hoje é pouco mais que um “nome”, nada dizendo às gerações mais novas, com um conjunto de trabalhos e temáticas que não seguiram a evolução dos tempos.
Ao inverso da «Futuro Presente», o GRECE, em França, continua com uma pujança intelectual notável. O seu contributo para a sociedade francesa é exemplar, exercendo influência cultural e cívica em vários movimentos e partidas da direita francesa.

Insere-se nesta análise o «Primeiro Encontro Internacional “Da Ibéria à Sibéria”», da iniciativa da Causa Identitária. Nele, seis Oradores apresentaram as suas Teses sobre o Futuro da Europa. Todos contributos de nível Académico, interessaram uma Plateia de cerca de uma centena de participantes, heterogénea como convém neste tipo de iniciativas, motivada e que não deixou de participar no debate final.
Mas se esta notável iniciativa, de uma franja ou sector da direita portuguesa, não tiver continuidade, será uma experiência que no futuro apenas será passado. Desligada de qualquer partido ou movimento político, de cariz totalmente cultural, tem que desenvolver uma dinâmica que lhe permita repetir sazonalmente esta iniciativa com a “obrigação” de “produzir” as Actas do Congresso.
Finalmente uma palavra de Parabéns para o Presidente da Causa Identitária, Duarte Nuno Salazar Branquinho, pela qualidade da Organização, e uma palavra de Congratulação para com os Conferencistas pelo elevado nível das suas intervenções.
Discordando-se ou não das Teses defendidas pela Causa Identitária, esta teve a Coragem política de lançar o desafio cultural à direita pensante portuguesa. Agora, que outros Movimentos Culturais lhe sigam o exemplo.
MM

domingo, novembro 26, 2006

Charles Maurras

Charles Maurras, Lettres des Jeux Olympiques.
Envoyé spécial de La Gazette de France, quotidien royaliste dirigé par Gustave Janicot, Charles Maurras séjourna à Athènes du 6 au 15 avril 1896, afin d’assister aux premiers Jeux Olympiques des temps modernes. Que la ville grecque soit redevenue capitale olympique en l’an de 2004 était évidemment une excellente occasion de rééditer les articles qu’il rédigea à cette occasion.
Axel Tisserand maître d’œuvre de ce livre, s’y est employé d’une façon exemplaire. Chacune des six «lettres» de Maurras est en effet donnée ici à la fois dans sa version initiale et dans celle qui parut dans La Gazette de France, assortie de notes et de commentaires d’une parfaite honnêteté et d’une grande érudition, l’ensemble étant encore accompagné d’une riche chronologie et de plusieurs autres textes de Maurras relatifs à la Grèce, au sport ou à Pierre de Coubertin.
Adressées directement à Janicot, ces lettres furent encore retravailles par Maurras pour être reprises en 1901 dans la première parti d’Anthinéa. Au moment de la clôture des Jeux, Maurras s’étonnait : «Plusieurs Américains ont tenu la conduite la plus étrange. On ne voyait que leur drapeau. On n’entendait que leur patois». On peut imaginer ce qu’il eût dit de nos jours !
Un dossier passionnant.
Flammarion, 186 p.
Alain de Benoist, éléments, N.114, Automne 2004, p. 11
§
Muitos falam de Charles Maurras, outros, onde nos incluímos, citam-no. Mas poucos conhecem realmente a Obra de Maurras. De entre esses poucos, referência para o Saudoso Henrique Barrilaro Ruas, cuja Mostra Documental ontem visitámos na Biblioteca Nacional, e Paulo Cunha Porto.
MM

Mestres da Contra-Revolução

José Agostinho de Macedo
.
Frei Fortunato de São Boaventura

sexta-feira, novembro 24, 2006

Frei Fortunato e Frei Macedo

Desabafos

O CDS-PP e o Partido Socialista aprovaram em votação final as novas leis das Finanças Regionais e Locais na Assembleia da República. Em oposição estiveram o PSD, PCP e BE.
Espera-se e deseja-se que com estas duas novas leis a transparência das contas dos Governos Regionais e das Autarquias Locais se tornem também lei neste dito Estado democrático, que em vez de criar uma homogeneidade em termos de desenvolvimento, tem criado cada vez maiores assimetrias entre ilhas, continente e ilhas e entre litoral e interior.
Mas que estas leis de cariz puramente económico, também contribuam para maior transparência em termos políticos.
A “ditadura do centrão”, protagonizada pelos dois maiores partidos do sistema, que por sua vez alternam no Governo da Nação e nas Autarquias, faz com que se tenha criado ao longo dos anos que já leva de vida esta Terceira República uma verdadeira nomenclatura, ao melhor estilo soviético.
Essa nomenclatura caracteriza-se pelas mordomias com que são presenteadas as clientelas partidárias pertencentes ao dito “centrão”, e mudando a cor política do Governo ou Autarquia, mantêm-se as benesses de toda a ordem para essa minoria clientelar.
Se este estado das coisas é conhecido a nível governamental, maior é a sua notoriedade em termos autárquicos, porque este é um meio pequeno, em que tudo e todos se conhecem.
Quando o mérito é substituído pela mediocridade, quem sofre, além das populações, é o País. E isto é visível pela fraca qualidade das elites que governam os Órgãos da República, ou, inclusive, pela falta dessas elites.
MCNM
in, Rádio Portalegre, Desabafos, 24/11/06

quinta-feira, novembro 23, 2006

Escravatura em África

É aguardado com a maior expectativa o filme “Blood Diamond”, que vai para as salas de cinema a 8 de Dezembro próximo.
O tema é de uma actualidade dramática, e o continente onde se desenrola é a África.
Tão esquecido desde o fim da Guerra-Fria, o continente africano vive um drama intenso, provocado pelo desinteresse do auto-proclamado Polícia do Mundo, mas também da Europa dita civilizada, o que tem permitido guerras civis, e a permanência de ditaduras em vários países.
Não escapam ao que pior se vai passando em África os Países de Língua Oficial Portuguesa.
Se o caso da Guiné é de solução impossível, porque é um Estado inviável, tal como São Tomé e Príncipe ou Cabo Verde, Moçambique e Angola estão a outro nível.
Se em Moçambique a guerra civil terminou, não é totalmente verdade que viva em democracia plena. Sem apoio internacional, a Renamo tem sido continuamente prejudicada em actos eleitorais sucessivos, e a Frelimo mantém-se no poder, como desde a Independência.
Em Angola, o MPLA recusa eleições, e depois do assassinato selectivo de Jonas Malheiro Savimbi, a UNITA é mero espectador.
Este problema da escravatura em África não é nova. E este problema que trata o filme, a exploração diamantífera, também não é de todo novidade.
Há muito que se sabe que empresas que fazem a exploração de diamantes contratam mercenários, e que estes tratam da maneira mais desumana os autóctones, explorados pior do que nos tempos da Escravatura!
Conhecem-se os nomes dessas empresas, tal como se conhecem os das empresas que fazem a segurança dessas zonas diamantíferas.
Que o filme ajude a que este flagelo acabe.
MM

Entre a Realidade e a Ficção

CINEMA
.
By SIMON ROBINSON UMBULUZI, MOZAMBIQUE
.
HOLLYWOOD PLAYS ROUGH WITH DIAMONDS
*
A BULLET-RIDDLEY SUV STORMS along a dirt track in Mozambique, spraying out dust and rocks like a vacuum cleaner in reverse.
Hunched behind the steering wheel, Leonardo DiCaprio wrestles the vehicle while Jennifer Connelly and Djimon Hounsou grip the rear seats as if their lives depended on it, which, in this scene of director Edward Awick’s film, they do. “Faster!” shouts Zwick. “We need more speed.” DiCaprio nods and backs up, and the bucking drive begins again.
*
The actors aren’t the only ones getting a rough ride in Blood Diamond, an action thriller about the illegal gem trade set during Sierra Leone’s brutal civil war. The Waner Bros. film, due for U.S. realise on Dec. 8, has the diamond industry concerned that moviegoers may walk out of cinemas with the idea that all diamonds are tainted. The gem folks, including De Beers, which produces more than 40% of the world's diamonds, argue that they have largely fixed the problem of conflict or "blood," diamonds - gems mined illegally by warlords and sold to buy weapons and pay soldiers. And they intend to ensure that the movie - which ties together the stories of a diamond-smuggling mercenary (DiCaprio) chasing a rare pink diamond, a fisherman (Hounsou) searching for his kidnapped son, and a reporter (Connelly) after a scoop - is viewed as a fictitious take on history.
Human-rights campaigners, however, welcome Hollywood's focus on the issue and say it has helped tighten industry oversight even before the films release. In the run-up to the holiday period - peak season for diamond sales and blockbuster movies - the public spat makes an interesting study of how a big studio movie can threaten a $60 billion-a-year global retail industry, one that has previously thrived on its association with all things Hollywood, and how that business can fight back.
During an on-set interview, Zwick is quick to emphasize that "first and foremost, this is intended to be an entertaining and dramatic movie." At the same time, the man behind thirtysomething and The Last Samurai takes a storyteller's pleasure in his exploration of Sierra Leone's bloody conflict, which ended in 2002, and the way illegal diamond mining füeled that war. "The issues it evokes are universal, both personally and politically. You can't tell a story about Sierra Leone without thinking about child soldiers. You can't tell a story about Sierra Leone without thinking about refugees. You can't tell a story about Sierra Leone without thinking about bad governance," says Zwick. "So much is there in this small place."
You also can't tell a story about Sierra Leone without hiring some really big stars to get people to come see it. And luckily for Zwick, it's the kind of tale that draws in actors looking for an Important Subject. "There was something really authentic about the story," says DiCaprio, who agreed to play mercenary Danny Archer after meeting twice with Zwick and watching a 4-min. dvd featuring child soldiers and the aftermath of their battles that the director had patched together. Before shooting began, DiCaprio spent a month in South Africa meeting former mercenaries, undergoing military training and learning the local accent. Although he talked with several ex-mercs and diamond experts, it was a military adviser on the film, a Rhodesian (as some white citizens of Zimbabwe still call themselves) named Durf Gifford, who captivated him. "He's really the man who brought me to the understanding of what this culture was like, what it was like to fight in these wars, the painful things that he'd seen, the love he has for Africa and the bitterness he has as well," says DiCaprio. And that's not all he learned. "They drink a hell of a lot of beer and Jãgermeister," says the star, no wimp in the party department, with a chuckle. "That was their hard-core drink of choice: flaming Jãgermeister shots, which I can't hang with."
For the other actors too, the movie was more than just a job: Connelly is an Amnesty International ambassador, and Hounsou has boyhood memories of refugees fleeing war in Liberia for his country, Benin. "To put light to some of the issues," he says, "not just blood diamonds but some of the other problems, it's a great thing to do for my continent."
The movie follows the fortunes of a soldier turned diamond smuggler who works with both warlords and an international diamond corporation. He gets into a scrape and needs to find a huge pink diamond hidden by a fisherman in forced servitude to said warlords. And he meets a gorgeous crusading journalist who knows he can help her blow the story wide open. Along the way, many unromantic acts are perpetrated in the pursuit of the gemstones.
The film is historical, but the history is recent. And since a diamond's worth is intimately connected with its significance for romance, the gem industry knows it can't be too careful about the film. The World Diamond Council (w.d.c.) hired crisis p.r. firm Sitrick & Co. to coordinate a reported $15 million campaign to counter the movie's message. Full-page newspaper advertisements detailed the measures diamond producers have taken to end the flow of conflict diamonds. An industry website, diamondfacts.org, sprang up, retailers were encouraged to educate themselves about the issue, and Zwick was pushed to tout the complete success of the Kimberley Process, a diamond-policing mechanism instituted in 2002 (see sidebar) in the script. He declined.
'Tm not worried at all by the film as long as people get to know the facts," says Eli Izhakoff, head of the w.d.c. "We see this as an opportunity to make sure that people are aware of all the good stuff the industry has done." Rosalind Kainyah, until recently De Beers' London-based director of public and corporate affairs, is a little more direct. "I'm sure that Warner Bros. wouldn’t want to harm Africa," she says. "So I believe they'Il want to put the movie in a historic context."
Since Kimberley was created, the industry says, 99.8% of diamonds are conflict free. Activists say that the situation is better but that diamonds are the cause of continuing misery. Two weeks ago, when Kimberley Process members sat down to their annual plenary meeting in Botswana to discuss how the watchdog system was working, the pressure for tighter oversight had ratcheted up. Responding to a U.N. report that poor controls are allowing conflict diamonds from war-torn Ivory Coast to enter the legitimate trade through neighboring Ghana, where they are being certified as conflict free, the diamond industry agreed not only to send a group to Ghana to ensure that it was complying with its obligations but also to publish annual industry-wide production and trade statistics for the first time ever.
The gem folks say the decision had nothing to do with Blood Diamond. "The movie had no impact on the deliberations and outcome of the recent Kimberley Process Plenary," says w.d.c, spokesman Carson Glover. "The diamond industry began confronting the problem of conflict diamonds long before Hollywood was aware of it and will be focused on it long after Hollywood loses interest." Activists, though, say the w.d.c, was much more proactive at this Kimberley Process meeting than in the past. "I think that the up-coming film must have had an impact on their moves to support calls to strengthen the Kimberley Process," says Susie Sanders, a campaigner with Global Witness, a diamond watchdog group. "We had raised Ivory Coast as a serious issue last year, but the industry reacted to it quite late in the day [and little was resolved]. This year it was very different."
Perhaps the industry would have acted anyway, or perhaps all the publicity nudged it forward a year or two. Whateverthe case, it's hard to imagine that the rift between the gem biz and show biz is going to be permanent. While DiCaprio says hewould no longer let any date of his wear diamonds, the years of jewelers lending free baubles to stars and their wives have to count for something. Come Oscar time we'11 see who gets iced out.
- With reporting by Jeffrey Ressner/Los Angeles
.
in TIME, NOVEMBER 27, 2006, p. 58-61

Blood Diamond

*
A partir de 8 de Dezembro de 2006

Diamante Sangrento

Set in '90s Sierra Leone, a time of chaos and civil war, Blood Diamond is the story of Danny Archer (Leonardo DiCaprio) – a South African mercenary – and Solomon Vandy (Djimon Hounsou) – a Mende fisherman.
Both men are African, but their histories as different as any can be, until their fates become joined in a common quest to recover a priceless diamond which can transform their lives.
While in prison for smuggling, Archer learns Solomon - who was torn from his family and forced to toil in the diamond fields - has found and hidden the extraordinary rough stone. With the help of Maddy Bowen (Jennifer Connelly), an American journalist whose idealism is tempered by a deepening connection with Archer, the two men go on a dangerous journey through rebel territory, a journey which could save Solomon's family and give Archer the second chance he thought he would never have.

Controversies
De Beers Group, which controls the vast majority of the diamond trade, has expressed reservations the film will reduce public demand for diamonds. De Beers maintains the trade in conflict diamonds has been reduced from 4% to 1% by the Kimberley Process and it has been suggested the company pushed for the film to contain a disclaimer saying the events are fictional and in the past. The De Beers diamond cartel has denied this.
More recently, the New York Post has reported Warner Bros. Pictures promised twenty-seven child and teenage amputee extras for the film prosthetics upon completion of filming. Several month after the completion of filming, the prosthetics had not been supplied, and it was reported the studio told amputees they would wait until the December release of the film to maximize the publicity boost. In the meantime a private charity had to step-in and assist in supplying prosthetics to the amputees.
These allegations were countered by an article in L.A. Weekly where it was stated that Warner Bros. did not promise twenty-seven children and teenage amputees prosthetics, but that the cast and crew raised between $200,000 to $400,000 to begin the "Blood Diamond Fund" which was then matched by Warner Bros. and "administered by a Maputo-based international accountancy firm under the supervision of Laws and João Ribeiro, the production managers in Mozambique."
The film comes in the midst of an upsurge in public awareness of the conflict diamond trade, also highlighted in the media by rapper Kanye West in his song "Diamonds from Sierra Leon", a VH1 documentary about current conditions in Sierra Leone called "Bling", and a nonfiction expose called "The Heartless Stone".

quarta-feira, novembro 22, 2006

Crónica de Nenhures

O Tubarão
*
Um tubarão “gigante” foi apanhado nas redes de um pescador, tenho sido trazido para terra.
Pobre animal. Primeiro, é um tubarão, espécie marinha que sempre impõe respeito quer pela dimensão quer pela agressividade, o que não este o caso. Segundo, é uma fêmea, sempre, aparentemente…, mais dócil que qualquer macho, logo mais inofensivo. Terceiro, a sua alimentação não destrói os recursos piscícolas, não é um predador, assim, mais indiferente se lhe é. Quarto, é conhecido por tubarão-frade, o que nos tempos actuais, de forte agnosticismo e anti-clericalismo, não é lá muito abonatório. Finalmente, não apresenta a menor semelhança com aquela espécime de tubarão que vive em terra, o Homem…
Ao contrário deste tubarão-frade, o tubarão-homem destrói os ecossistemas sem qualquer problema, assassina o semelhante com um sangue frio inigualável, enfim, caminha sobre a Terra deixando um rasto de destruição sem o menor remorso. É um predador sem limites!
Mas há uma característica comum entre o tubarão-tubarão e o tubarão-homem, ambos “navegam em águas profundas”…
Considerando as dimensões geográficas do Planeta, dir-se-á que há mais tubarões-homens, que tubarões-tubarões em todos os Oceanos juntos… E aqueles são mais predadores do que os que vivem no Mar.
Mas é fácil distinguir um homem-homem de um tubarão-homem. Às vezes é que se encontra um dos segundos, do qual nunca se suspeitaria, ou pelo qual se poria as “mãos no lume”…
Os “negócios” dos tubarões-homens são invariavelmente semelhantes em toda a parte do Mundo, droga, prostituição, assassinatos selectivos, tráfico de armas, mercenários e protecção de ditadores, enfim, ao longo dos tempos não conseguem inovar. Mas que fazem muito mal à sociedade, isso é indesmentível.
Muitos, lembrando a Máfia siciliana, são “tementes a Deus” e ferozmente “nacionalistas” (há que lembrar as fortes ligações entre a Máfia e a Democracia Cristã italiana…), mas têm as mais tenebrosas ligações com toda a espécie de assassinos, ditadores e gente do crime organizado, ao qual, no fundo, querendo ou não, pertencem.
MM
*
*
O tubarão-frade que ontem apareceu em Sesimbra não é caso raro, consideram especialistas em biologia marinha, explicando que estes peixes frequentam o Oceano Atlântico em busca de algas e crustáceos.
O peixe, com cerca de sete metros de comprimento e 2,5 toneladas, foi acidentalmente capturado por quatro pescadores da embarcação Sempre Coragem, na madrugada de ontem, enquanto pescavam peixe-espada preto a cerca de mil metros de profundidade. O tubarão foi depositado num aterro.
"Os tubarões-frade vivem no Oceano Atlântico e não é nada invulgar aparecerem na costa portuguesa, a cerca de 15 milhas (20 quilómetros)", refere o biólogo marinho Élio Vicente, adiantando, porém, "que não é vulgar encontrá-los a dois ou três quilómetros da costa".
Esta espécie gosta de águas temperadas - não se encontra em águas quentes ou gélidas - e alimenta-se de pequenos animais marinhos e algas, "não oferecendo perigo nem para uma sardinha", garantiu o especialista, lembrando que "não têm dentes e só filtram microrganismos".
Por seu turno, o biólogo marinho João Pedro Correia explicou que a aproximação de espécies como o tubarão-frade pode dever-se a um fenómeno que provoca o enriquecimento das águas com plâncton.
Segundo esclareceu, o fenómeno de upwelling ou afloramento costeiro é "muito comum na costa portuguesa" e está associado aos ventos do quadrante norte que predominam na costa ocidental e levam a um afastamento das águas da superfície. "As águas da subsuperfície, mais frias e com maior concentração de sais nutrientes, ascendem à superfície e provocam um enriquecimento das águas, criando condições ideiais de alimento e de luz para o desenvolvimento de plâncton", referiu João Pedro Correia.
"Basta haver uma conjugação destes factores com as correntes, para o plâncton ser levado a um determinado local (neste caso, perto da costa) para que as espécies como o tubarão-frade nadem atrás do seu alimento", explicou o biólogo.

Bento XVI na Turquia

A visita de Bento XVI à Turquia reveste-se da maior complexidade, tendo em conta os fundamentalismos.
A TIME traz um trabalho assinado por David Van Biema e Jeff Israely, que não acrescenta nada de novo, mas que chama a atenção para este acontecimento religios, mas também com significado político.
A seguir àquele trabalho dois ensaios: de Richard John Neuhaus (What the Pope Gets Right… - By decrying the use of violence in the name of God, Benedict is challenging Muslims to confront hard truths) e Tariq Ramadan (… And where He’s still in the Dark – Benedict’s definition of what it means to be European ignores the positive contributions of Islam). [mj]

Adeus à Champions Viva a Taça

Num grupo nivelado por baixo, o SLB “terminou” a campanha na Liga dos Campeões. Agora resta-lhe a economicamente negativa Taça UEFA, onde procurará “fazer” pontos, para melhorar a posição no ranking das provas uefeiras.
Ontem viu-se que o adversário não tem categoria, pelo que o empate na primeira volta na Dinamarca representou dois pontos perdidos, que agora tanta falta fazem. Por outro lado o Manchester perde dois em três jogos fora de casa, ganhando apenas em Lisboa.
O Celtic mostrou que não é superior ao Benfica, sendo a derrota na Escócia mais um sinal da má campanha do Benfica.
Dito de outra forma, ontem o Benfica tinha obrigação de pelo menos ter feito o décimo ponto, e estar a festejar a passagem à fase seguinte. Assim, só os srs. Máximo e Barbas acreditam que o SLB vai ganhar ao Manchester…

MM

terça-feira, novembro 21, 2006

Decisivo

(Foto retirada, sem autorização…, ao Flávio Gonçalves)
*
A cerca de duas horas de um decisivo jogo do Sport Lisboa e Benfica para a milionária Liga dos Campeões, deseja-se que a linha avançada se apresente em FORMA!

Viva o GLORIOSO!
MM

Cristóvão Colon

«Pela minha parte queria erguer dois protestos. O primeiro, contra a injusta ocultação do papel de Mascarenhas Barreto e da sua obra que se vem notando nestas iniciativas. A segunda, contra a manutenção do absurdo uso do designativo "Colombo" para referir o homem.»
Manuel Azinhal
*
Manuel Azinhal fala em Sua Casa do livro «O Mistério Colombo Revelado», da autoria de Manuel da Silva Rosa e Eric J. Steele, com prefácio de José Rodrigues dos Santos, e editado pela Ésquilo. E faz dois protestos que no início do postal transcrevemos.
Não falamos do último, que é correcto, mas queremos situar-nos no primeiro.
Para se falar da identidade de Cristóvão Colon (Manuel Azinhal oblige) é fundamental ler os Estudos de Augusto de Mascarenhas Barreto, cujas obras foram publicadas pela “Referendo” e “Nova Arrancada”, esta com dois volumes.
Agora, quem quiser ficar apenas pelas conclusões de Mascarenhas Barreto rescritas em outras obras ou pelos best-sellers do momento, tudo bem.
MM

Segurança e Defesa

Saiu o primeiro número da “Segurança Defesa”, revista trimestral, referente a Novembro de 2006.
Tem como director José Manuel Anes, e do seu Conselho Editorial, fazem parte nomes como os de Adriano Moreira, Ângelo Correia, António Rebelo de Sousa, Garcia Leandro, Jorge Braga de Macedo, José Lamego, Lemos Pires, Loureiro dos Santos, Vasco Franco ou Vitalino Canas.
Da sua leitura, nota-se o pender Europeísta, sem esquecer a importante ligação aos EUA. Defesa de uma Europa forte em termos de segurança, mas sem a subordinação aos Estados Unidos.
Esta não é uma visão nova, mas no terreno tem sido difícil de implementar, dadas as reservas e receios, principalmente entre os principais países da Comunidade Europeia.
No mercado português já há revistas que tratam estes temas sob um ponto de vista pró-americano. Esta vem preencher uma lacuna nesse campo, ao afirmar-se fiel aos compromissos que a Europa tem para com a NATO e os seus aliados fora da Europa, mas convicta e conhecedora do papel que a Europa deve desempenhar no Mundo.
O Conselho Editorial é composto por gente dos principais quadrantes do arco constitucional, e será dentro dessa pluralidade ideológica que se encontra o justo equilíbrio para uma política global Europeia.
Por fim, dizer que ser-se Europeu, não impede de se ser Amigo dos EUA, solidário e parceiro em Organizações que tenham como objectivo a defesa da Paz no Mundo. [mj]

Marcelismo

No próximo dia 6 de Dezembro terá lugar o lançamento oficial do livro "Marcello Caetano no Exílio" no Círculo Eça de Queiroz, em Lisboa.
Esta sessão ocorrerá pelas 18h30 e a apresentação da obra será feita pelo Prof. Doutor Nuno Espinosa Gomes da Silva.
Este livro reúne os estudos, conferências e comunicações realizados por Marcello Caetano durante o seu exílio no Brasil e a recolha e compilação destes documentos foi realizada pelo seu filho, Miguel Caetano.
O livro conta com prefácio de Joaquim Veríssimo Serrão, e é editado pela Editorial Verbo.

A Entrevista

O professor Joaquim Veríssimo Serrão concedeu uma entrevista ao semanário 'O Diabo', de há oito dias. Recebemo-la via mail, o que agradecemos, mas só a reproduzimos agora, após a saída de um novo número daquele jornal.
É um testemunho importante. Porém, já por inúmeras vezes noutras entrevistas Veríssimo Serrão fez a maioria destas afirmações.
Amigo de Marcelo Caetano e Cavaco Silva, faz a defesa política e pessoal de ambos.
Não-iberista, considera que o statu quo em relação a Olivença é de manter.
É defensor de políticas reformistas (Social-Democracia?) e de Alberto João Jardim.
É frontal na crítica à solução de Cahora Bassa, recusando a análise político-económica da situação. Neste ponto, se recusa a solução encontrada, também deveria ser contra a ocupação de Olivença por parte de Madrid.
Europeísta crítico, diz votar no Partido Republicano se fosse americano, e “passa ao lado” de Bush e das suas políticas.
Enfim, para quem não leu no semanário, pode agora fazê-lo, e tirar as suas conclusões.
MM

Joaquim Veríssimo Serrão

ANA CLARA
.
O Diabo - Um ano e meio depois de o Governo de maioria PS estar em funções, o País está melhor?
VERÍSSIMO SERRÃO - Achando-me no último quartel da vida e desiludido com a situação existente, a minha resposta tem muito a ver com a experiência acumulada no decurso dos anos. Quem vive da reforma e do pouco que aufere nas obras que publica, não consegue nutrir esperanças quanto ao futuro. E, nem se quer me lamento da situação em que vivo, porque nesta democracia que se ufana de o ser, vivem milhares de pessoas abaixo do patamar de uma vida decente. A mesma que lhes foi prometida por pretensos democratas que não sentem nem praticam os princípios da Justiça social. E por isso me interrogo como foi possível haver-se chegado tão baixo na distribuição da chamada riqueza nacional.
.
O Diabo - Considera que este Executivo está a fazer as reformas que o País precisa, como diz o Primeiro-Ministro, ou pede e deve ir-se mais longe?
VERÍSSIMO SERRÃO - Aquando da investidura do Sr. Presidente da República, que nenhuma culpa tem na situação criada, senti esperança de que as promessas feitas pelo eng.° Sócrates poderiam ter sucesso. Confessei mesmo a este jornal, que esperava uma boa colaboração de ambos, que nada permite afirmar que não se mantenha no plano pessoal. Todavia, a defesa do interesse nacional, que o Sr. Presidente incute nos seus discursos, não alcançou correspondência nas promessas do Primeiro-Ministro, que assume cada vez mais posições duras e gravosas no teor dos seus discursos. E, embora discorde do recurso à greve, que pela insistência comicieira satura a população desprotegida, reconheço que o mal-estar social se vai agravando. Está mesmo a abrir focos de luta insanável com alguns indispensáveis sectores profissionais como são o patronato, o professorado, a banca, e por aí me fico.
.
O Diabo - Concorda com os que dizem que o PS está a ocupar o espaço do centro-direita, pelas medidas mais reformistas que está a desencadear?
VERÍSSIMO SERRÃO - O que garante o sucesso de uma retoma da política é sempre uma acção nacional e eficaz para resolver os problemas mais candentes de uma população sofredora. Mas não é pedindo sacrifícios hoje e outros, porventura mais pesados amanhã que um Governo restabelece a confiança dos governados. O reformismo não se coaduna com promessas vãs e sem efeito imediato. As promessas equivalem a um jogo de intenções, quando não falsidades, por parte de quem não as vê cumpridas.
.
O Diabo - Então por que motivos se anunciam?
VERÍSSIMO SERRÃO - Talvez por que um Governo de maioria absoluta sabe que não há voto numérico da oposição capaz de o derrubar. Considera-se o são patriotismo e a competência governativa do Sr. Presidente da República, que é o supremo garante da vontade da Nação, pelo que se impõe ir mais longe no diagnóstico da crise, mesmo que ao Prof. Cavaco Silva repugne utilizar tal recurso. Porque ninguém indaga as responsabilidades com que o eng.° Guterres se permitiu criar e engrossar o «monstro» cujos tentáculos estão a comprometer o nosso presente. Para não ir mais longe e falar do futuro de Portugal. As «amplas» liberdades do sistema partidário, que reconhece como único «soberano» o povo que elege os seus representantes, leva muitos a concluir que não existem culpados da situação a que Portugal chegou. Portado isso, o PSD devia provar que não é responsável pela situação financeira a que se chegou. Para que se não diga mais uma vez de que «a culpa morreu solteira»!
.
O Diabo - Continuamos em crise económica, social e cultural. Ainda temos valores e desígnios nacionais?
VERÍSSIMO SERRÃO - Já hoje não serão em grande número os que se mantêm fiéis aos principais desígnios nacionais, na hora que sentimos Em ser portugueses e em falar o idioma que Camões imortalizou. A minha geração mantém actuantes esses valores do espírito e na geração que desponta o mesmo sucede. Gostamos de confessar que somos oriundos da mais velha nação da Europa. Uns tantos estrangeirados criticam-nos por sermos fiéis à divisa de Deus, Pátria e Família. Mas é algum crime acreditar em Deus, amar Portugal e pormos o nosso carinho na educação dos filhos e netos?
.
O Diabo - E valores patrióticos ainda existem?
VERÍSSIMO SERRÃO - Talvez haja diminuído o número dos que amam Portugal e sentem o papel que o nosso País desenhou na história da civilização universal. As ideologias materialistas fizeram muitos desviar desse caminho de bons ideais. Mas com o decurso da vida muitos deles voltarão a sentir as vivências do passado. A aproximação da morte tomará mais forte essa ligação como os princípios em que os nossos pais nos moldaram o espírito.
.
O Diabo - Enquanto historiador, como explica, que um País com 900 anos de existência esteja a viver uma crise tão profunda como a que atravessamos? A que se deve?
VERÍSSIMO SERRÃO - Por haver sido professor de História durante muitos anos, sinto a história nacional no mais fundo da alma. E, como leitor na Universidade de Toulouse de 1950 a 1960, por lá deixei marcas da história e da cultura portuguesas. A crise mental foi profunda desde a década de 1960 havendo muitos que se deixaram tentar pelas modas libertárias que vieram do estrangeiro. Muitos deles estão hoje arrependidos da tentação em que caíram. Mas a História, severa nos seus juízos, chamará patriotas aos que o foram e traidores aos que não se mostraram dignos de nascer em Portugal.
.
O Diabo - Na sua opinião, a ruptura política, social, histórica e cultural que se deu com o 25 de Abril originou o início de um declínio nacional?
VERÍSSIMO SERRÃO - A História demonstrará também que o 25 de Abril foiuma tentativa para instaurar um regime do tipo soviético em Portugal. Só que os romanheiros do golpe já estavam separados um ano e meio depois. No dia 25 de Novembro, perante o malogro dessa ameaça, o major Melo Antunes ainda poupou o Partido Comunista à sanha popular. Mas cumpre pensar no seu trágico desabafo, de autêntico arrependido, antes de fechar os olhos: «A descolonização foi uma tragédia»! Mas o mal de dissolver as raízes históricas de Portugal estava feito, pelo que o declínio nacional começou com a traição que, ao tempo, se cometeu contra a verdadeira essência da nação portuguesa.
.
O Diabo - Trinta e dois anos depois do 25 de Abril já é possível fazer um balanço histórico da «revolução dos cravos»?
VERÍSSIMO SERRÃO - No princípio de 1974 a situação militar estava ganha em Angola e Moçambique, oferecendo apenas dificuldades na Guiné onde a orografia do terreno, em certos locais, era favorável aos grupos de insurreição apoiados por Dakar e pela Guiné-Conacri. Mas a diplomacia portuguesa tinha condições para negociar tratados de paz com condições dignas de razão portuguesa. Quando os senhores do M.F.A, esquecendo o juramento de honra que tinham feito, se revoltaram contra o poder constituído, perderam a razão política e jurídica que assistia a Portugal. Ou seja, conceder independências com condições para fazer novos Brasis em Africa. A democracia então restaurada foi apenas um meio de implantar governos de essência marxista. Veio depois a desgraça de quase trinta anos de guerra civil em Angola, de quase dez em Moçambique e dos horrores da Guiné onde 2000 fulas fiéis a Portugal foram fuzilados sem que as autoridades portuguesas lhes tivessem valido. É mais uma ignomínia que sujará para sempre o Movimento das Forças Armadas.
.
O Diabo - Há quem diga que faz falta a Portugal um «novo Salazar». Concorda?
VERÍSSIMO SERRÃO - O Dr. Oliveira Salazar pôde realizar a sua obra de saneamento financeiro porque tinha o apoio das forças militares. Criou um País novo na resolução das carências que o afligiam, e com a maior competência e isenção que um estadista pode ter na sua política paternalista para não lhe chamar de autoridade. O Dr. Salazar impediu a União Soviética de perturbara vida portuguesa, pelo que teve de reforçar os mecanismos de defesa. Ninguém pode arrancar o seu nome do grande livro da História de Portugal, que serviu com dedicação e aprumo. A propósito: quando acaba a graçola popular de chamar 25 de Abril à ponte sobre o Tejo, que tinha o seu nome? Não vêem os responsáveis políticos que as se colocam mal ao permitir que se mantenha uma designação contrária à verdade da História?
.
O Diabo - O 25 de Abril foi um dos momentos histórico-políticos mais marcantes do País nas últimas décadas. Mudamos para melhor ou para pior?
VERÍSSIMO SERRÃO - Pergunto apenas: Qual era o País do tempo que tinha as suas finanças mais estáveis? O escudo era a terceira moeda do mundo, cobiçada em todos os bancos e postos de câmbio. No dizer de Valdez dos Santos, o nosso País era «uma pequena Suíça», com os investidores a colocarem aqui o seu dinheiro, num clima produtivo e da maior confiança. Não havia desempregados nem miséria visível e a própria emigração era impulsionada pelas correntes de oposição apenas para desacreditar o regime. Mas quem pode negar que a humana governação do Prof. Marcelo Caetano merecia o apoio da população?
.
O Diabo - Concorda com a ideia de que os portugueses vivem demasiado agarrados aos seus feitos passados em vez de olharem para o futuro?
VERÍSSIMO SERRÃO - Tendo a alma «em pedaços, espalhada pelo Mundo», que nos resta hoje senão viver uma crise de saudade, no regresso forçado ao pequeno solar do Atlântico? A isso força quem sente a consciência tranquila por haver cumprido até à exaustão o seu destino universal. Nenhuma outra nação colonizadora pode exprimir tanto o seu orgulho como comunidade humana. Resta-nos a língua que Camões imortalizou e que Pessoa endeusou como a expressão do nosso Quinto Império que as grandes potências do mundo impediram de se concretizar. Porque foram elas, tendo à frente os EUA e a União Soviética quem mais fez, desde a era Kennedy, para erguer o neo-colonialismo adverso ao espírito cristão do ecumenismo português.
.
O Diabo - Há duas semanas ficou encerrado um capítulo da nossa História e quemuitos consideram ainda como um «resquício» da descolonização: Cahora Bassa. Portugal ficou apenas com 15 por cento da hidroeléctrica moçambicana. Como comenta o desfecho deste episódio?
VERÍSSIMO SERRÃO - Nada justifica que Portugal tenha perdoado 85 por cento da dívida de Cahora Bassa ao Governo de Moçambique. As dívidas pagam-se sempre, a título oficial ou apenas pessoal. Se o Primeiro-Ministro tivesse levado o assunto ao Parlamento, haveria de escutar fortes críticas por parte da oposição, mormente numa época em que Portugal precisa de endireitaras suas finanças. Não se pode ser benemerente com a República de Moçambique, que tem de pagar o encargo de Cahora Bassa em que não dispendeu um centavo. E, se amanhã, Lourenço Marques negociar com a China ou outra grande potência a parte de leão que agora lhe coube, como será possível discordar do atropelo dos direitos portugueses? Nunca o País desceu tão baixo na defesa da nossa soberania!
.
O Diabo - Perdemos 1900 milhões de euros com este acordo, incluindo o perdão da dívida a Moçambique. Para um País que vive em crise, não é um exagero?
VERÍSSIMO SERRÃO - Seria condição bastante para o Governo do Eng.° Sócrates ser exonerado, no caso de a Assembleia da República estar atenta ao desvario cometido. O que não recebemos de Moçambique, o que significa o perdão concedido à antiga colónia, seria bastante para equilibrar as nossas finanças em crise. Mais do que um «exagero», trata-se de uma forma de não defender os interesses nacionais e, para mais, numa época difícil da vida financeira nacional.
.
O Diabo - Após 30 anos de democracia, como analisa actualmente o sistema político em Portugal?
VERÍSSIMO SERRÃO - Se a mudança havida fosse apenas a de transformar um regime de autoridade numa democracia de tipo europeu, não seria preciso assistir às cenas de vilipêndio humano que se seguiram: a prisão de um digno e honesto Presidente do Conselho, o mais digno e prestante dos mestres de direito em Portugal; a prisão do Chefe de Estado na pessoa de um almirante espoliado do título profissional que obtivera de maneira honrada; os saneamentos de professores universitários; as prisões sem fundamento; as reclassificações de funcionários a pequena vingança atentatórias dos direitos dos cidadãos, no fundo, muitas cenas indecorosas a que assistimos e que retalharam profundamente a nossa sociedade. Dir-se-ia que o 25 de Abril vinha julgar um grupo de malfeitores apenas por não crerem nas virtudes da democracia! A conduta revanchista do Partido Comunista foi hedionda quando se recordam os factos a trinta anos de distância!Felizmente que o bom senso permitiu travar o chamado PREC que tantas injustiças e mesmo mortes de pessoas dignas ao tempo causou...
.
O Diabo - A culpa da crise democrática que vivemos também é dos políticos?
VERÍSSIMO SERRÃO - Não obstante a instauração da paz social, a democracia foi seguida de conflitos nos sectores do trabalho, das opções políticas e dos diferendos humanos que se foram, entretanto, esbatendo. Se alguns políticos radicais abusaram da situação criada, a maior parte deles ganharam melhores hábitos de cidadania. O que sucede com frequência é que as promessas eleitorais nem sempre são cumpridas. Mas isso já se integra nos jogos pessoais dentro do sistema de que Portugal não é o único País a queixar-se. São os defeitos inerentes à democracia que ocorrem também noutros países e que a América do Sul conduziu ao êxito do populismo.
.
O Diabo - Hoje, os cidadãos olham com «descrédito» para a classe política. Partilha da ideia de que os políticos defraudam os eleitores?
VERÍSSIMO SERRÃO - Conheço bons e maus políticos, tudo depende da preparação que mostram para a actuação partidária e em que a honestidade e o préstimo dos eleitos chegam a dar resultados satisfatórios. O que se nota é a ineficiência de governos quando carecem de nomes que asseguram o êxito da governação. Se os políticos têm nome, acabam por deixar o nome ligado a uma acção que serve realmente os interesses do País.
.
O Diabo - Acha que a partidocracia está a minar os partidos e a afastar os políticos competentes?
VERÍSSIMO SERRÃO - Vejamos o que se passa como governo da Madeira, onde o Dr. Alberto João Jardim se tem dado de alma e coração à sua terra natal. Quem esteve na Madeira há 30 anos e lá volta hoje quase que não a reconhece pela onda de progresso material que a transformou. Ora, retirar à ilha, nesta altura do ano, créditos de que a mesma precisa para realizar empreendimentos, leva o Dr. Jardim a protestar de forma veemente. É a sua forma temperamental de se exprimir, que outros iguais a ele, agindo no continente, não recebem censuras, e quando o Dr. Jardim usa da palavra, o Governo, deputados, imprensa em geral, todos desancam no líder madeirense. A sua margem de vitória nas eleições regionais está hoje nos 56 porcento do eleitorado. Alguém lhe pode levar a mal que, perante a manobra de lhe diminuírem o orçamento, ele proteste e ponha o sistema em causa? É apenas para confirmar que a partidocracia mina os partidos e utiliza aspiores manhas para afastar os políticos que lhe fazem sombra.
.
O Diabo - Ainda se pode falar em ideologias, tendo em conta o actual panorama partidário?
VERÍSSIMO SERRÃO - O grave na política actual é que a ideologia falseia a política dos cidadãos e conduz os eleitores no sentido que ela pretende. Impõe-se redefinir o quadro de acção dos partidos democráticos, para que os eleitores não se deixem ludibriar pelas coligações e, sobretudo, pela distinção de direita e esquerda que os sequazes deste invocam com frequência.
.
O Diabo - Os partidos políticos estão descaracterizados?
VERÍSSIMO SERRÃO - Cada vez acredito menos nos partidos, porque o que para mim vale é a honestidade e competência dos que são chamados a governar. Com dez anos de governação como Primeiro-Ministro, que ajudaram a moldar um Portugal novo, o Sr. Presidente da República bem pode servir de exemplo para o que estou a dizer.
.
O Diabo - Hoje a corrupção anda de mãos dadas coma política. Somos um País de corruptos?
VERÍSSIMO SERRÃO - Não somos um País de corruptos, ainda que haja forças descontroladas que se aproveitam, quando fomentam a corrupção na vida económica. Talvez o fenómeno da corrupção ajude a compreender porque há pessoas que ganham salários chorudos, enquanto outros se debatem com a injustiça de não terem o suficiente para viver.
.
O Diabo - É por este fenómeno que a Justiça chegou ao estado a que chegou?
VERÍSSSIMO SERRÃO - Não pretendo falar do estado a que chegou a Justiça em Portugal, embora creia que o problema radica na falta de autoridade de quem governa. Os magistrados são, por inerência, pessoas sérias e detentoras da missão de defender a verdade. Se deixam a imprensa adulterar o que dizem ou escrevem, não há maneira de repor a Justiça no esquema antigo e que a enchem de reconhecimento dos povos.
.
O Diabo - O problema de Olivença continua a ser um «espinho» entre Portugal e Espanha?
VERÍSSIMO SERRÃO - Em termos da história de 1801, a região de Olivença pertence a Portugal. Mas dois séculos passados, nem a população local aceitaria um plebiscito que confirmasse a sua integração na Espanha. Gostam dos portugueses, mas preferem ser espanhóis.
.
O Diabo - Portugal ainda deve ter medo de uma invasão económica espanhola?
VERÍSSIMO SERRÃO - Sou um sincero amigo da Espanha, onde tenho inúmeros amigos nas áreas universitária e cultural. Mas defendo o princípio de cada nação viver na sua própria casa, com as respectivas interdependências preservadas. Tudo o que sefaça para manter a amizade entre os dois países deve ser estimulado. Mas sem complexos de inferioridade da parte portuguesa, porque temos o orgulho bastante para nos considerarmos iguais, embora diferentes pela riqueza natural que a Espanha possui.
.
O Diabo - Integrou a Comissão de Honra do actual Presidente da República na última campanha presidencial. Cavaco Silva é o Presidente de «todos os portugueses»? Como avalia, até agora, o seu mandato?
VERÍSSIMO SERRÃO - O Prof. Cavaco Silva é, na verdade, o Presidente de «todos os portugueses». Nas suas mensagens, desde que assumiu a chefia do Estado, mostrou ser o estadista melhor preparado para defender os interesses de Portugal. Não tenho ambições políticas a cultivar, e ainda menos as de ordem pessoal que ao longo da vida me deixaram indiferente, exceptuando a carreira universitária que foi a paixão da minha vida. Sei que o Sr. Presidente da República fará tudo o que estiver ao seu alcance para defender os interesses do nosso País no mundo. E que o fará coma autoridade, o conhecimento da política e o amor a Portugal que são apanágio das suas qualidades e serviços.
.
O Diabo - A União Europeia vive uma das maiores crises institucionais da sua história, muito por causa de um Tratado Constitucional que muitos já dizem estar morto. Como olha para o futuro da Europa?
VERÍSSIMO SERRÃO - Não creio no futuro da Europa que excede já a sua dimensão histórica, para se realizar num amontoado de civilizações e interesses económicos. Como eu a sonhei há anos, a Europa ganhava em unir os seus ideais e objectivos à parte ocidental do continente. Era a Europa ocidental que acabava no Báltico e, como linha interior, a que vai da Grécia e, quando muito, à Polónia. Mas, a junção dos países de Leste e da Turquia otomana faz da Europa um ser artificial e sem futuro imediato. A não ser para receber os créditos da União Europeia enquanto os mesmos durarem...
.
O Diabo - A meio do segundo mandato, George W. Bush perdeu para os democratas margem de manobra perante o Senado e a Câmara dos Representantes. É o princípio do fim da «era Bush» nos EUA e no Mundo?
VERÍSSIMO SERRÃO - A quase alternância no governo dos dois principais partidos nos Estados Unidos, não me perturba a mente. Se eu fosse americano, daria o meu voto ao Partido Republicano, porque se identifica melhor com os meus ideais. Mesmo que a «era Bush» sofra agora um revés, nada impede que em 2008 ou 2012 os republicanos voltem a obter o poder.

segunda-feira, novembro 20, 2006

Um Livro

Na próxima quarta-feira, dia 22 de Novembro, é o lançamento do livro de Mendo Castro Henriques, intitulado "Dom Duarte e a Democracia". [mj]
_______
Sinopse

Transcendendo o conceito de biografia, no sentido estreito do termo, este livro proporciona uma visão do homem e da figura institucional muito mais lata e humana, que permite ao seu leitor descobrir as facetas mais desconhecidas e não menos importantes desta personalidade, bem como revisitar as que têm merecido a habitual cobertura mediática.

ISBN 9722515179
Autor Henriques, Mendo Castro

Editora Bertrand Editora
Tema Literatura

domingo, novembro 19, 2006

Queima das Fitas

Cartaz da primeira Queima das Fitas no pós-1969
*
Não vamos negar algum protagonismo neste processo. Todavia, que fique bem claro que outros houve que tiveram papel fundamental.
De entre eles, é da mais elementar justiça destacar o Vítor Ramalho.
Também se diga que houve factores externos à Academia que favoreceram esta situação, como são exemplo o interesse político, para os Estudantes se “preocuparem” com a Queima e menos com a política, e o interesse económico, porque a Queima das Fitas é uma grande fonte de receita para todo o ramo do comércio e da restauração da cidade.
MM

Semana Académica

Falando da Semana Académica, ela é sem dúvida a pré-Queima das Fitas, que tinha deixado de se fazer após o Luto Académico decretado em 1969, ano da crise estudantil que alastrou pelas Academias.
Mas em 1978 tem lugar uma espécie de “balão de ensaio”.
No Colégio de São Teotónio há uma festa, de certa forma particular, em que os estudantes trajam de capa e batina.
Os convites para a festa foram feitos boca a boca, com reserva e algum secretismo.
Fomos convidados pela Isabel Bento, e fomos com a Maria de Fátima.
Tudo se resumiu a algumas brincadeiras académicas e aos ef-erre-ás da praxe, no pátio interior do Colégio. Porém, a certa altura caiu uma quantidade apreciável de ovos no pátio, o que causou algumas nódoas no fato e pouca ou nenhuma apreensão. À saída houve alguns cuidados, mas todos saíram sem o traje académico, e nada de mais se passou.
Mas foi este o embrião do Movimento Pró-Reorganização e Restauração da Praxe Académica de Coimbra, que vai levar à realização da Semana Académica em 1979, com praticamente todos os eventos que caracterizavam a Queima das Fitas.
A Praça da República era o ponto nevrálgico. Na esquina da Rua Alexandre Herculano com a Praça, à direita de quem desce, situavam-se dois cafés frequentados pela extrema-esquerda (a gente da UEC reunia-se na Clepsidra), e nessa confluência é que as coisas eram mais “aliciantes”…
Mário Casa Nova Martins

Queima das Fitas

Como epílogo do caso da nossa saída da Comissão Central da Queima das Fitas, episódio que relatámos no postal anterior, Zé Beto, magnânimo, quis que aceitássemos um “Livre Transito”…
MM

sábado, novembro 18, 2006

Lista F

Convém que se diga, que no ano seguinte um grupo de estudantes tentou organizar uma lista para concorrer à AAC.
A lista foi desde logo conotada com a extrema-direita pelos “defensores das amplas liberdades”. Numa reunião com todas as listas concorrentes a Lista F foi “democraticamente” impedida de concorrer, com os votos favoráveis de todas as listas de esquerda e a abstenção da lista do PSD. Aqui se viu o que é realmente a “social-democracia”.
Vítor Ramalho
*
Na constituição da Lista ‘F’ havia gente da Juventude Centrista (de que fazíamos parte), da Juventude do MIRN e Independentes de Direita.
Fazíamos parte dessa Lista, no Conselho Fiscal.
Depois recusámos (um protesto silencioso) sempre fazer parte de uma Lista à Associação Académica de Coimbra.
Não recordamos a constituição da Lista, talvez o Vítor se lembre de outros nomes, e um a um conseguirmos fazer a sua reconstituição.
Tudo o que o Vítor escreve é a Verdade. A JSD, já na AAC, ‘esqueceu’ quem lhe cobriu as costas…
Já agora, no nosso quarto ano, em Reunião do Conselho de Veteranos, como a Praxe determina!, fomos eleitos para a Comissão Central da Queima das Fitas daquele ano.
O nosso nome, inclusive, chegou a sair no 'Diário de Coimbra', junto com os outros elementos da Comissão.
Contudo, como éramos de Economia, teríamos que ficar com a parte da Contabilidade. Mas éramos da Juventude Centrista, logo a AAC da JSD não podia permitir que naquele cargo estivesse alguém que não era da sua côr.
Então, nova Reunião do Conselho de Veteranos foi feita e fomos substituídos por um colega de Faculdade, este militante da JSD…
Excelente rapaz, mas apagadíssimo.
O ‘homem forte’ de toda a estrutura (que nem quartanista era, sendo já Veterano e tão somente o homem de confiança da estrutura do PSD de Coimbra) era o famoso Zé Beto (José Alberto Pereira Coelho), que a comunicação social recentemente tornou notícia, e por más razões…
Mário Casa Nova Martins

sexta-feira, novembro 17, 2006

A Praxe de Coimbra

Capa
.
Contracapa
.
“Olha no blogue falo sobre a Praxe, um dia temos de contar a esta malta mais nova o que foi o PREC, não vão eles um dia julgar que é uma nova discoteca.”
Vítor Ramalho
§
Falar da restauração da Queima das Fitas e da restauração da Praxe na Academia, naqueles anos dos finais da década de setenta e inícios de oitenta do século passado, como sugere o Vitor, é importante para se compreender o que foi aquele tempo em Coimbra.
Este movimento restauracionista insere-se na Contra-Revolução encetada pela JSD, JC, Juventude do MIRN e Independentes de Direita, que levou a que uma lista da JSD ganhasse as eleições para a Associação Académica.
Muito há que contar!...
Mário

Academia de Coimbra

Ao Vitor Ramalho
.
Um dos momentos altos da semana da Queima das Fitas em Coimbra é o peditório a favor da Casa de Infância Elísio de Moura, nome de um Ilustre Catedrático da Universidade de Coimbra.
Recebido o donativo, é oferecido um livrinho que contém versos, cuja capa e cujas cores das fitas representam o símbolo e as cores da Faculdade, neste caso a Faculdade de Economia.
MM

Do Alfarrabista

Chegou-nos da Livraria Avelar Machado, Lisboa, esta obra de Amândio César.
Uma das suas particularidade é que em obras posteriores do Autor, como por exemplo em «O Guarda-Chuva Vermelho» ou «Guiné 1965: Contra-Ataque», aparece como “fora do mercado”.
Com 42 páginas, datado de 1953, é, “Para: António Manuel Couto Viana, Fernando de Paços, Manuel Filipe de Moura Coutinho e Jaime Hilário”. Muitos dos poemas são dedicados a vultos como Roby Amorim, Aurelina-Maria, Vasco Miranda, António Amorim, A. Teixeira Pinto, Miguel Vieira e Vasco Reis.
*
As Margens da Memória
.
Lírica
.
Sonho. E o sonhar me consola!
Canto. E o cantar me embala!
Escutando-me, oiço a minha fala,
Que vai e bem como uma bola.

O mais és Tu, meu outro eu,
Onde me espelho em tamanho natural
- Nosso destino… nós dois. Era fatal:
Por isso todo o outro passado morreu.

Nem um eco ou roçar de aragem
Que levante cinzas, frias, queimadas:
Somos nós dois e o resto são nadas,
Perdidos, dispersos, em nossa viagem.
p. 10
.
Rei D. Sebastião
.
Rei que não soube ser Rei,
Nem viver o verbo amar…
- Daí seu ódio à Lei
e ao crescer e multiplicar.
p. 18
.
Figura de Retórica
.
Beijo como quem beija
Por desfastio:
Ou como água corrente,
No inconsciente
Leito do rio.
p. 20

Salazar e o Vaticano

Assunto: Imprensa de Ciências Sociais - Novo Livro - Salazar e o Vaticano (Bruno Cardoso Reis)
_______
Chegou-nos, via mail, esta novidade editorial. O tema é aliciante, oxalá a sua leitura o seja. [mj]

Desabafos

A barragem da Apartadura não tem água para dois anos consecutivos de seca, enquanto a barragem da Póvoa, além de não ser muito rentável, as suas reservas com um prolongado estio pouco mais dão que para dois anos. Como este estado das coisas, torna-se imprescindível a construção de uma terceira barragem, situada no Pisão.
Tudo isto é do conhecimento público, contudo, os anos passam e nada se faz para que as coisas mudem.
Com as chuvas que já caíram neste Outono, é verdade que as reservas aquíferas estão a níveis superiores à média para esta altura do ano, pelo que, mesmo chovendo abaixo do normal até ao Verão de 2007, não haverá problemas de maior quanto ao abastecimento de água às populações do distrito de Portalegre que têm como Mãe-de-Água as Serras de Marvão, Portalegre e São Mamede.
É caso para dizer, onde já vai o ano de 2005, com todos os problemas provocados por uma seca prolongada. Até parece que nunca existiu!
Aquela gente que tem o direito de planificar a longo prazo as Políticas da Água, tendo em conta todos os indicadores climáticos que indicam alterações nos ciclos de seca e de chuva, estará descansada, porque nem é preciso mudar algo para que tudo fique na mesma.
Quando novo período de seca surgir, e a sua imprevisibilidade é total, então de novo surgirá a conversa sobre a construção da barragem do Pisão, que é peça fundamental para o fim dos sobressaltos provocados pela falta de água neste região, no fundo tão fértil naquele cada vez mais precioso líquido.

MCNM
in, Rádio Portalegre, Desabafos, 3/11/06

quinta-feira, novembro 16, 2006

Quando o Fado é Oração

Caríssimos Amigos

Apenas para avisar que a missa QUANDO O FADO É ORAÇÃO vai ser cantada no próximo Domingo na Basílica dos Mártires, ao Chiado, às 18h 30m.

O Grupo deixa de cantar na Igreja do Sacramento, e passará a cantar sempre no 3.º Domingo de cada mês, às 18h 30m, nos Mártires.

MESMO QUE NÃO POSSAM VIR, PASSEM A PALAVRA.

Um abraço a todos.

José Campos e Sousa
_______
Recebemos esta informação via mail. [mj]

In/Confidências

Praça do Príncipe Real
(Lauro Corado)
(hoje Praça da República) Portalegre
*
A Máquina avariou, só há pouco chegou, e agora “descobri” que Mendo Ramires e Paulo Cunha Porto, em respectivamente «Cinco manias muito minhas» e «Contra a Corrente!», tinham incluído o meu nome num projecto em que se pede que se enumere cinco “manias” da “vítima”…, e que inclui ainda o envio do mesmo a outras cinco pessoas, para elas reiniciarem o processo.
Agradeço a lembrança.
Quanto às minhas “manias”, em número de dedos de uma mão (a direita, claro!...), e sem ser por ordem pré-estabelecida são:

_ Após a compra do jornal, primeiro há que “desmontá-lo” e “vincá-lo”.
_ Arrumações.
_ Não usar o telemóvel e nunca atender o telefone.
_ Sapatos engraxados.
_ Comprar camisas.

Pois estas “in/confidências”, envio esta delicada tarefa, por ordem alfabética, a:

César Augusto Dragão (Penso que nem sabe da minha existência, mas sou “viciado” no Dragoscópio, um Lugar de Irreverência Total… Abaixo o Caguinchas!)
Martim de Gouveia e Sousa (O Martim, nesta e noutras coisas, está sempre “tramado”… A “Ave Azul” à Academia!)
Pedro Guedes da Silva (Este Ilustre Homem de Belém e anti-Benfiquista tem que se haver com este Benfiquista… Viva o SLB!)
Thoth (Este Ilustre Portista do FêCêPê tem que se haver com este Benfiquista… Viva o SLB!)
Vitor Ramalho (Embora o Vítor esteja sempre ocupado no Bom Combate, desta vez tem que ter paciência… Viva a Briosa!)
Mário

Free web page counter